Levantamento aponta falta de aço na construção

Setor da construção é comprometido pela falta de aço e alta nos preços dos insumos. É o que destaca a matéria veiculada no dia 3 de abril, no MG1, com base no levantamento realizado pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), com mais de 200 construtoras de todo o país, que indica situação de desabastecimento de aço no Brasil.

Essa escassez e o aumento dos preços tem impactado o planejamento da obra e o valor dos imóveis em Minas Gerais.

Pelo levantamento, 84% das empresas indicaram escassez do produto e 82,9% que o prazo de entrega está maior do que o normal. Na pesquisa, o aço é o insumo que mais está em falta e a entrega demora até 90 dias.

Para resolver o problema de desabastecimento, a CBIC defende a redução dos impostos de importação do aço. O pedido de intervenção do governo federal foi feito ao Ministério da Economia. Segundo o presidente da CBIC, José Carlos Martins, a ideia é reduzir o imposto de importação por um determinado período para o governo dar um sinal ao mercado que está atento e não permitirá o desabastecimento.

Também segundo a câmara setorial, aumentou o número de pessoas ocupadas na construção civil no trimestre fechado em janeiro deste ano. O número de trabalhadores no setor passou para 6,088 milhões. A alta é de 3,0% em relação aos três meses imediatamente anteriores (agosto-setembro-outubro de 2020), quando o setor contabilizou 5,910 milhões de ocupações.

“O número de pessoas ocupadas na construção é o maior desde o início da pandemia provocada pelo novo coronavírus, mas ainda está muito inferior ao registrado há um ano (6,781 milhões)”, frisa a economista do Banco de Dados da CBIC, Ieda Vasconcelos.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada no último dia 31 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A Pnad Contínua contabiliza o número de ocupados formais e informais e, no trimestre encerrado em janeiro/2021, o número de ocupados no setor é o menor registrado para o período desde o início da série histórica da referida pesquisa (2012).

O resultado, segundo Ieda, pode ser justificado pelo impacto da forte crise causada pela pandemia, que atingiu de forma mais intensa o mercado de trabalho informal.

O número de desempregados no país foi estimado em 14,3 milhões no trimestre que se encerrou em janeiro deste ano.

A taxa de desemprego ficou praticamente estável ao passar de 14,3% no período agosto a outubro para 14,2% no trimestre seguinte.

“Essa é a maior taxa de desocupação para o período de novembro de 2020 a janeiro deste ano. O número de pessoas ocupadas aumentou em 1,7 milhão, ao passar de 84,301 milhões no trimestre encerrado em outubro para 86,025 milhões nos três meses subsequentes”, diz.

Para a economista, de uma forma geral, os resultados da Pnad Contínua permanecem demonstrando a fragilidade do mercado de trabalho no país, que somente alcançará um desempenho mais forte e generalizado com a redução das incertezas econômicas.

“O avanço mais devastador da pandemia, o processo de vacinação ainda em ritmo lento, as perspectivas de menor incremento do PIB neste ano, a inflação elevada e a não realização das reformas estruturantes continuam desestimulando novos investimentos” diz.

 

Com informações da Agência CBIC

Leia também:

IGP-DI tem inflação de 2,17% em março

Número de bilionários no Brasil iguala recorde de 2014

Artigos Relacionados

Aprovada entrega do IRPF até 31 de julho

Prazo atual é 31 de maio. Texto segue para sanção de Bolsonaro.

Bolsonaro derrete nas pesquisas para eleição de 2022

Diferença para Lula em eventual segundo turno avança para 18 pontos.

STF decide julgar no plenário a anulação de sentença de Lula

Julgamento prossegue nesta quinta-feira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Jornalista agora pode ser MEI

Senado tentou incluir corretor de imóveis, publicitários e produtores culturais no projeto.

STF determina reintegração de excluídos do Bolsa Família

Ministro Marco Aurélio avaliou que Governo Federal estava descumprindo determinação.

Preços dos medicamentos voltam a subir em março

Segundo levantamento, resultado reflete agravamento da pandemia, colapso das unidades de saúde e depreciação cambial.

Planos devem autorizar exame de Covid de forma imediata

Antes da determinação da ANS, os planos podiam demorar até três dias úteis para garantir o atendimento ao pedido.

Cresce demanda árabe por café verde e solúvel do Brasil

No primeiro trimestre deste ano, país exportou 37% mais café à região; além dos grãos verdes, crus, países têm demandado mais produto solúvel.