Levantamento revela mudanças no setor de saúde pós-Covid

Estudo fala em mudança no perfil de consumo da saúde por pacientes, consolidação da telemedicina, aumento da utilização de dados e automação de serviços.

Com a pandemia, o setor de saúde precisou se reinventar para atender à demanda de pacientes contaminados, ao mesmo tempo em que se esforçava para manter a assistência aos doentes crônicos e agudos, incluindo aqueles em isolamento social. Passado um pouco mais de um ano desde que tudo começou no Brasil e no dia em que o país registrou a marca de 400 mil mortes por coronavírus, a Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), em parceria com a Bain & Company, lança o estudo “Lições da pandemia: perspectivas e tendências”.

Dividido em três eixos principais (assistencial, pessoa e sustentabilidade), o documento, que traz uma síntese do que foi discutido por especialistas do Brasil e do mundo na última edição do Congresso Nacional de Hospitais Privados (Conahp), apresenta os aprendizados para a construção de modelos assistenciais mais eficazes, a preparação de profissionais mais capacitados para enfrentar os novos desafios e a complexa missão de construir um sistema de saúde mais robusto e sustentável.

O material também revela os fatores que devem permanecer estáveis, aqueles que já eram tendências antes da pandemia e que foram acelerados, os novos paradigmas e as disrupções. Entre os avanços, o estudo aponta mudanças sobre “onde” e “como” o tratamento do paciente é fornecido, com aumento dos cuidados realizados fora do hospital, adoção de telessaúde e ferramentas digitais e atendimento integrado, em que um time de especialistas trabalha em conjunto, de modo coordenado, beneficiando o paciente como um todo. O estudo destaca ainda as incertezas do setor em longo prazo. Entre elas, o grau de intervenção do governo na área da saúde, a dificuldade de precisar datas e cronogramas específicos, como para vacinação; retorno ao trabalho presencial, retomada dos procedimentos eletivos e o impacto dos modelos de saúde baseados em valor.

Durante a pandemia, houve uma ruptura significativa nos modelos de cuidado tradicionais no Brasil e aqueceu-se a discussão sobre a assistência do futuro, levando em consideração a complexidade e as particularidades do sistema de saúde brasileiro e buscando sistemas mais integrados, flexíveis e responsivos às necessidades da população. Passado esse período, devem-se consolidar o consumerismo em saúde, em que cresce a voz e a responsabilidade de escolha do usuário sobre como, quando e onde receber o cuidado, uma assistência mais humana e centrada no paciente, o cuidado integrado e a telessaúde.

A saúde demandará profissionais altamente especializados e ao mesmo tempo muito flexíveis, capazes de lidar com as ambiguidades de um sistema de saúde cada vez mais complexo, integrado e tecnológico. Com a inclusão de tecnologias, os profissionais de saúde precisarão ser capacitados para utilização de novas plataformas. Além da telessaúde, os principais prestadores estão adotando ferramentas digitais para aprimorar a experiência do médico e investindo naquelas que economizam tempo e aumentam a qualidade no preenchimento e gestão de prontuários médicos eletrônicos, cada vez mais alavancados por inteligência artificial.

A combinação de tecnologia e dados pode também ser usada para apoio à tomada de decisão, priorizando um processo preciso, rápido e que represente a melhor evidência científica incorporada ao fluxo de trabalho do médico, personalizado e contextualizado para o profissional e o paciente, e entregue de modo a minimizar a fadiga e burnout dos profissionais de saúde.

A pandemia trouxe o setor de saúde para o centro do debate econômico, político e social. Um dos pontos mais preocupantes foi a desigualdade de acesso ao serviço de saúde de qualidade e a capacidade de resposta rápida à pandemia. A gravidade da situação comprovou que as instituições precisam ser mais flexíveis e ágeis nas ações e decisões, além de se prepararem para possíveis cenários com maleabilidade, a fim de identificar momentos e motivos necessários para investimento.

O esforço conjunto dos atores do sistema de saúde se mostrou fundamental para diminuir fatalidades e apoiar a retomada gradual das atividades econômicas. Apesar do alto impacto na sociedade, os aprendizados que ficarão de herança da pandemia deverão ser utilizados como orientação na gestão da saúde pública para a manutenção de uma boa assistência, realizada por profissionais saudáveis em um sistema sustentável.

Artigos Relacionados

Urna eletrônica: TSE é acusado de ignorar a ciência

Ausência de um representante do Tribunal ao debate irritou deputados.

WePAD aproxima público das fraldas geriátricas Tena

Ação pretende ajudar consumidores a desmistificarem tabu para compra do produto.

Inflação persiste, mas economia evolui mais que o esperado

Ata da reunião do Copom da semana passada foi divulgada hoje.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Conselheiro de Bolsonaro elogia Suécia sem lockdown

No seu depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, nesta terça-feira, o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), ao justificar ser contrário a...

Queda do bitcoin era um movimento esperado

A criptomoeda bitcoin teve uma queda abrupta e se aproximou de US$ 34 mil nesta terça-feira, pela primeira vez em cinco meses. O recuo...

MG lança consulta pública para concessão de rodovias

Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra), abriu consulta pública para o processo de concessão dos dois primeiros...

Copom: ‘Retomada robusta da atividade’ no segundo semestre

Uma semana após a última reunião do Comitê de Política Econômica (Copom) que aumentou a taxa básica de juros, a Selic, em 0,75 ponto...

Urna eletrônica: TSE é acusado de ignorar a ciência

Ausência de um representante do Tribunal ao debate irritou deputados.