Lições pandêmicas

Por Reis Friede.

Opinião / 14:57 - 13 de jul de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

É cedo para prever quando o Brasil e o mundo estarão livres da pandemia de Covid-19. Mas quando chegar esse momento, certamente a economia estará em frangalhos. Haverá falência de empresas, desemprego e tantas outras consequências nefastas. Entretanto, após a tempestade pandêmica, empresas serão reerguidas, empregos recriados e tantos outros problemas solucionados.

O custo econômico para que isso ocorra será imenso, mas não inédito. Os Estados possuem – e podem criar mais – instrumentos destinados a promover essa reconstrução, como aconteceu em calamidades, sobretudo no século XX, que viu programas como o New Deal e o Plano Marshall ajudarem o mundo a se reerguer após a Grande Depressão de 1929 e a Segunda Guerra Mundial.

O desafio que se imporá às instituições, à Ciência e à sociedade está em fazer com que as lições resultem em avanços sustentáveis. O risco de isso não ocorrer existe, e os seus indícios estão nos noticiários, que mostram pessoas ignorando as recomendações de isolamento social. Já basta nas milhares (talvez milhões) de vidas que ainda se perderão e que os Estados e respectivos líderes poderiam ter salvado, caso as medidas certas tivessem sido tomadas no momento oportuno. Salvar vidas deve ser o foco das políticas públicas.

O componente inédito está reservado à reflexão que o flagelo viral nos impõe. Emergiremos dele instigados a rever conceitos, em questões centrais das relações sociais e de trabalho, da ocupação dos espaços urbanos e da cultura em sentido lato. Tal reflexão deverá gerar um amadurecimento penosamente profícuo.

No Brasil, tome-se o exemplo, do Judiciário. Para ele, a pandemia está sendo um laboratório de mudanças há muito ensaiadas. A instituição foi hábil em se apoiar na tecnologia e, mesmo com tribunais, varas e juizados fechados, continuam proferindo decisões, muitas das quais relacionadas à pandemia, inclusive em sessões colegiadas virtuais.

A experiência tem propiciado aos gestores públicos uma revisão de conceitos, desde os referentes à alocação de recursos orçamentários até os que respeitam à adequação dos efetivos de servidores e mão de obra contratada. O TRF-2, mantendo a integralidade de seus serviços em trabalho remoto – com aumento de produtividade – vem registrando economia mensal de cerca de R$ 2 milhões apenas com energia elétrica na sede da Corte.

Reconhecermos que pouco sabemos sobre como superar esse desafio, e é fato que o pouco saber não significa nada saber.

Reis Friede

Desembargador federal e presidente do TRF 2.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor