Líderes de Bolsonaro adiam votação da quebra de patentes de vacinas

O Senado retirou de sua pauta de votações desta quarta-feira o projeto de lei que permite a quebra de patentes de vacinas contra a covid-19 (PL 12/2021). O pedido de retirada foi feito pelos senadores Eduardo Gomes (MDB-TO) e Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líderes do governo Bolsonaro no Congresso e no Senado, respectivamente. O relator da proposta, senador Nelsinho Trad (PSD-MS), também pediu mais tempo para entregar seu relatório sobre o projeto.
O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, acatou esses pedidos e prometeu que a proposta será votada nos próximos dias ou, no mais tardar, na próxima semana. Para virar lei, o projeto terá que ser aprovado no Senado e na Câmara, além de ser sancionado pelo presidente da República.
O projeto estabelece a quebra temporária de patente de vacinas, testes de diagnóstico e medicamentos de eficácia comprovada contra a covid-19 enquanto vigorar o estado de emergência de saúde. Com essa medida, ficaria liberada nesse período a produção de imunizantes, remédios e insumos sem necessidade de observância dos direitos de propriedade industrial. O autor da proposta é o senador Paulo Paim (PT-RS).
Na justificativa do projeto, Paim argumenta que a medida não implica ignorar o direito às patentes, mas relativizá-lo, em caráter temporário, em vista do interesse maior do povo brasileiro. Segundo ele, essa ideia é defendida no mundo inteiro e apoiada por instituições brasileiras, como o Conselho Nacional de Saúde (CNS).
O Brasil tem até agora pouco mais de 21 milhões de habitantes vacinados com a primeira dose de vacina contra a covid-19. A população total do país é de cerca de 212 milhões de pessoas.
A votação imediata desse projeto de lei foi defendida pela senadora Kátia Abreu (PP-TO). Ela disse que não há previsão ou cronograma confiáveis sobre a chegada ou a produção de vacinas suficientes para atender a população brasileira nos próximos meses. A senadora também afirmou que mais de 60 países estão lutando pela quebra dessas patentes e acusou o governo Bolsonaro de não comprar vacinas com antecedência no ano passado. Na sua avaliação, o ministro da Economia, Paulo Guedes, é contra a quebra de patentes por praticar “um liberalismo ultrapassado”.
– Nós estamos em uma guerra, e em estado de guerra não há que se preocupar com imagem em lugar nenhum. Será que os 60 países do mundo que estão pedindo a quebra de patente não se preocupam com a sua imagem? Será que é só o Brasil que se preocupa agora com a sua reputação? Deveria ter se preocupado com a sua reputação quando negou as vacinas da CoronaVac, quando negou as vacinas da Pfizer, quando negou as vacinas dos Estados Unidos, quando negou as da AstraZeneca, quando comprou 10% apenas do consórcio da Covaxin para a população brasileira. Isso que é queima de reputação. Não nos resta mais nada a fazer, a não ser essa quebra de patente! É a única esperança que nós temos. A nossa obrigação, como representantes do povo brasileiro, é derrubar essa patente, – afirmou Kátia Abreu.
Eduardo Gomes defendeu o adiamento da votação para que o projeto seja analisado e debatido com maior profundidade. Ele informou que a Câmara vai promover nesta quinta-feira reunião com especialistas para discutir o tema da quebra de patentes.
Autor do projeto, o senador Paulo Paim afirmou que a quebra de patentes de vacinas contra a covid-19 já é um movimento mundial que envolve mais de 100 países e tem apoio de membros da Organização Mundial do Comércio (OMC), da Organização Mundial da Saúde (OMS), de artistas, cientistas e líderes internacionais.
– Há um movimento mundial nesse sentido. O Brasil não pode esperar mais. Nós somos responsáveis, amanhã ou depois. É muito, muito difícil nós ficarmos protelando. O mundo vai ter que entender que a vacina tem que ser para todos, ou todos continuarão sofrendo e morrendo. Nós seremos condenados no futuro: O que vocês fizeram quando estavam matando os brasileiros e brasileiras? Vocês não podiam pelo menos dizer ao mundo: Quebrem essa patente!? Pelo menos isso! Que o Brasil possa dizer lá fora, para o mundo, que nós estamos do lado dos países em desenvolvimento! Queremos só a vacina! Será que eles não sentem remorso de ver milhões de pessoas morrendo e eles faturando em cima da morte? – disse Paim.

Leia também:

Exemplo a não ser seguido de combate à Covid-19

Pode STF evangélico em um país laico?

Artigos Relacionados

Jornalista agora pode ser MEI

Senado tentou incluir corretor de imóveis, publicitários e produtores culturais no projeto.

Dilma é absolvida pelo TCU na compra da refinaria de Pasadena

A decisão foi por unanimidade e contou com o voto do ministro indicado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Bolsonaro derrete nas pesquisas para eleição de 2022

Diferença para Lula em eventual segundo turno avança para 18 pontos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Jornalista agora pode ser MEI

Senado tentou incluir corretor de imóveis, publicitários e produtores culturais no projeto.

STF determina reintegração de excluídos do Bolsa Família

Ministro Marco Aurélio avaliou que Governo Federal estava descumprindo determinação.

Preços dos medicamentos voltam a subir em março

Segundo levantamento, resultado reflete agravamento da pandemia, colapso das unidades de saúde e depreciação cambial.

Planos devem autorizar exame de Covid de forma imediata

Antes da determinação da ANS, os planos podiam demorar até três dias úteis para garantir o atendimento ao pedido.

Cresce demanda árabe por café verde e solúvel do Brasil

No primeiro trimestre deste ano, país exportou 37% mais café à região; além dos grãos verdes, crus, países têm demandado mais produto solúvel.