Limbo previdenciário

Trabalhador acidentado recebe alta, mas não volta ao trabalho.

“Limbo previdenciário” é uma expressão muito usada por advogados e juízes do trabalho para definir aquele espaço de tempo em que o empregado que se acidenta em serviço não está recebendo auxílio previdenciário, porque já recebeu alta médica, e nem salário, porque não retornou ao trabalho.

Normalmente, o que ocorre é o seguinte. O sujeito se acidenta no trabalho e fica sem poder trabalhar por mais de 15 dias. A empresa ou o sindicato da categoria emite a CAT (comunicação de acidente do trabalho) e o trabalhador é mandado ao INSS. Ali, é submetido a perícia. Se comprovado que de fato o acidente ocorreu em serviço, ou pode ser equiparada a ele, e a inatividade do acidentado será pelo mínimo de 15 dias, o INSS licencia o trabalhador pelo tempo que os médicos acharem necessário à sua recuperação e passa a pagar-lhe auxílio-doença.

Depois de certo tempo, os médicos do INSS submetem a trabalhador a nova perícia. Se já estiver recuperado do acidente, recebe alta e tem de voltar a trabalhar. Se ainda não estiver, a licença é prolongada. Acontece muitas vezes de o INSS dar alta médica ao trabalhador e ele mesmo ainda não se sentir apto a voltar ao trabalho. Nesse caso, ele recorre administrativamente contra a alta médica recebida do INSS e tenta prorrogar a licença.

Nesse momento ele já está no limbo porque, com a alta médica, ele deixou de receber auxílio previdenciário, e como não retornou à empresa, também não está recebendo salário. Pode acontecer, porém, que, ao retornar à empresa, seja proibido de trabalhar porque o médico da empresa ainda não o considera apto. O correto seria a empresa emitir nova CAT e orientar o empregado a retornar ao INSS para dar entrada a novo pedido de afastamento, mas, na maioria dos casos, a empresa simplesmente recusa a volta do trabalhador e espera comodamente que ele vá procurar seus direitos.

O TST já disse seguidas vezes que a responsabilidade pelo pagamento de salário e vantagens do empregado durante o no “limbo previdenciário” é da empresa. Depois a empresa se vira com o INSS e faz as compensações possíveis, mas o empregado tem de comer, comprar remédios, pagar o aluguel, o plano de saúde, a escola das crianças. Não pode ficar sem benefícios previdenciários e sem salários enquanto a empresa discute com o INSS quem tem razão na alta médica.

Recentemente, um condomínio residencial de São Caetano do Sul (SP) foi condenado pelo TST a pagar indenização de R$ 5mil por dano moral a uma trabalhadora por falsidade ideológica, depois que se descobriu que a médica da clínica que normalmente fazia o atendimento aos empregados do condomínio fora forçada a alterar a conclusão de seu laudo para impedir a empregada de retomar o posto de trabalho e estimulá-la a recorrer indefinidamente contra as decisões do INSS que a consideravam apta para o trabalho até que, “vencido pelo cansaço”, o INSS prorrogasse a licença da trabalhadora.

Segundo a relatora do Acórdão no TST (processo RR-1001168-95.2014.5.02.0471), a conduta fraudulenta do empregador fere o direito constitucional ao trabalho. Além disso, “a má postura do condomínio viola os princípios fundamentais da dignidade da pessoa humana, do valor social do trabalho e da boa-fé”.

Leia também:

‘Bom de bico’

Homem que bate em mulher

Mônica Gusmão
Professora de Direito Empresarial, do Consumidor e do Trabalho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Petrobras também foi ao mercado em Londres

Estatal criou subsidiária na década de 80 para atuar nas Bolsas.

Petroleiras ganham dinheiro no mercado, não com produção

Desde a década de 1980, companhias viraram empresas financeiras.

Recolhimento de contribuições atrasadas no INSS

Por Alexandre Triches.

Últimas Notícias

TingHua cria experiência de degustação multissensorial de baijiu

A produtora de cachaças chinesas TingHua, localizada na cidade de Yibin na Província de Sichuan no sudoeste da China, lançou recentemente seu produto novo TingHua baijiu (um tipo de cachaça chinesa), que é caracterizada pela sua experiência única de degustação de cinco etapas.

Oportunidades vistas em maior recuperação produtiva após corte de RRR

O corte do coeficiente de reserva exigida (RRR, sigla em inglês) do Banco Central da China com início do 15 de dezembro deve oferecer um melhor apoio à economia e pode estimular oportunidades de investimento a partir de uma maior recuperação da lucratividade dos fabricantes listados, relatou a Xinhua Finance citando a China Merchants Fund Management Co., Ltd. na terça-feira.

Primeiro lote de e-commerce transfronteiriço de Hainan FTP no exterior

Uma empresa chinesa do porto de livre comércio (FTP, sigla em inglês) de Hainan exportou recentemente o primeiro lote de mercadorias para seu depósito no exterior por meio do comércio eletrônico transfronteiriço.

Brasil é o 9º país que mais gastou com tarifa pré-paga

No Uzbequistão paga-se somente R$ 0,11 pelo mesmo benefício.

Faria: De R$ 9,7 bi de multas, só R$ 900 milhões foram pagos no setor

Menos de 10% das multas aplicadas são pagas.