Lições

A opção do Governo Dilma Rousseff e sua equipe econômica por ampliarem a drenagem de recursos da economia para gastar com juros – perversão social batizada de superávit primário pelos economistas – aponta grave retrocesso no enfrentamento dado pelo Governo Lula à crise de 2008. Naquela época, ao flexibilizar o torniquete fiscal, o governo conseguiu sair da crise que até hoje paralisa os países desenvolvidos. Como integrante da administração anterior, na qual teve papel-chave, a presidente Dilma não pode, apenas três anos depois, trocar a receita vitoriosa por políticas bolorentas e recessivas, apenas para obedecer aos condicionamentos ideológicos e financeiros do “mercado”.

Unidos do pré-sal
Se o veto do ex-presidente Lula à mudança na distribuição de royalties do pré-sal for derrubado, as bancadas de deputados do Rio de Janeiro, São Paulo e do Espírito Santo não irão mais votar nenhum projeto de interesse do Governo Federal. Este é o prognóstico do governador do Rio, Sérgio Cabral, que, porém, aposta num acordo no Congresso, patrocinado pela União.
Cabral, que foi ao Espírito Santo reunir-se com o governador Renato Casagrande, disse que, se a conciliação falhar, irão recorrer ao STF, o que pode “atrasar a contratação do novo modelo de exploração do petróleo, uma vez que o Supremo pode levar até um ano para votar a matéria”, disse Casagrande.

Fome
O faturamento do setor de franquia de alimentação cresceu 16,8% em 2010, segundo pesquisa da Associação Brasileira de Franchising (ABF) e da consultoria ECD junto a 40% do segmento. Para este ano, a WebSoftware, empresa de TI que produz soluções digitais para franquias, prevê crescimento de 30% sobre o ano passado. A empresa participa do Rio Franchising Business 2011, em setembro, no Riocentro.

Pró-banca
Não somente extemporânea, a proposta da vereadora carioca Andrea Gouvêa Vieira (PSDB) de conceder a Medalha Pedro Ernesto ao Proer – Programa de Estímulo à Reestruturação e Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional é uma ofensa aos cidadãos que pagam impostos. Diz a vereadora que “o ajuste do sistema financeiro privado e público (bancos estaduais) possibilita ao Brasil enfrentar hoje, com menos sobressaltos, as sucessivas crises internacionais.”
Menos, por favor, menos. O que possibilita aos bancos aqui instalados passar com relativa tranquilidade pela crise financeira é o fato de que eles não precisam correr riscos; amealham bilhões de reais simplesmente aplicando nos seguros títulos do governo – esta, sim, herança do governo tucano recebida e mantida pelo governo petista.

Imagem arranhada
Não se pode dizer que a concessão da maior honraria da Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro ao Proer – a cerimônia será nesta quarta-feira – é uma novidade no que toca à Medalha Pedro Ernesto. O deputado federal cassado Roberto Jefferson (PTB) também recebeu a sua.

Não merecia
Pedro Ernesto, se tivesse condições, pediria que o incluíssem fora dessa. O baiano que fixou residência no Rio no início do século passado sempre foi um progressista. Apoiou os movimentos de 1922 e 1924 por democracia; fez da casa de saúde de sua propriedade refúgio e ponto de encontro dos revolucionários, enquanto a Coluna Prestes corria o interior; participou da campanha de Getúlio Vargas – do qual tornou-se médico particular.
Foi nomeado por Vargas interventor no Distrito Federal, mas em um momento revolucionário no país, que varria as elites, especialmente paulistas. Liderou a campanha pela autonomia da cidade do Rio de Janeiro. Com o sucesso, foi eleito pela Câmara de Vereadores prefeito da cidade. Marcou seus governos por uma atenção especial às áreas de saúde e educação, essa última dirigida pelo educador Anísio Teixeira.
Em 1935, aproximou-se da Aliança Nacional Libertadora (ANL), organização de caráter antifascista e anti-imperialista, que reunia comunistas, socialistas, “tenentes” de esquerda. Acabou preso, acusado de comunista. Solto, em setembro de 1937, foi saudado por calorosas manifestações populares, relata o Cpdoc da Fundação Getúlio Vargas. Foi preso pouco antes da instauração do Estado Novo Libertado três meses depois, afastou-se das atividades políticas.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorA culpa é da mãe
Próximo artigoDuopólio

Artigos Relacionados

Suíça é ponte para exportações à Rússia

Vendas do País que lava mais branco aos russos cresceram mais de 80% desde fevereiro.

Homens pintam melhor que mulheres?

Não, mas recebem 10 vezes mais por obra.

Rio tem opções de áreas para termelétricas

Estado tem as melhores características na Região Sudeste, diz Wagner Victer.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.