Local

     
          Que destino levou a “multinacional verde-amarela?” Quem acreditou na propaganda da AmBev sobre a internacionalização após a fusão com a belga InBev vai ficar decepcionado. O anúncio da volta da Budweiser ao Brasil, agora fabricada aqui (no interior de São Paulo) já dá uma pista. Uma olhada no site da AB-InBev (nome assumido após a compra da norte-americana Anheuser-Busch, fabricante da cerveja mais vendida no mundo) tira qualquer dúvida. As marcas mundiais da cervejaria são a Stella Artois e Beck”s, além da Bud. Aparecem como “marcas transnacionais” a Hoegaarden e a Leffe . A Brahma, que ganharia o mundo após a criação da InBev, contenta-se com o rótulo de “campeã local”, junto com as “famosas” Chernigivske (da Ucrânia), Harbin (China), Jupiler (Bélgica) e mais 60 marcas.

Imagem
A fabricação da Budweiser no Brasil só irá fazer bem para os cofres da InBev lá fora, com a remessa de royalties. A cerveja é muito similar à nossa velha Antarctica, mas custará 15% mais, apostando no fascínio com as marcas – ainda que nos EUA seja consumida pela classe trabalhadora – que vêm de fora.

Repetro
A Receita Federal realiza a partir desta terça-feira o seminário Repetro – Perspectivas para um novo modelo de controle aduaneiro, no Hotel São Francisco Rua Visconde de Inhaúma,95 – Centro, Rio de Janeiro, RJ). O Repetro é um regime que permite a importação de equipamentos específicos, para serem utilizados diretamente nas atividades de pesquisa e lavra das jazidas de petróleo e gás natural, sem tributos federais.

Privatizar é…
Em 1996, quando o Governo FH iniciou a privatização do sistema elétrico, críticos da transferência de patrimônio público para mãos privadas advertiram os empresários que apoiavam a mudança que, num futuro não muito distante, ele pediriam ao governo que retomasse o controle do setor. Cerca de 15 anos depois, algumas das principais entidades da indústria, como Fiesp e Firjan, lançam campanha nacional contra a renovação automática das concessões para os grupos que dominam o setor. O objetivo é criar alguma concorrência que retire o Brasil da incômoda posição de conviver com as mais altas tarifas de energia do mundo.

Um risco
O risco da ação da Fiesp é que, por trás de boas intenções, escondam-se interesses de grupos que desejam assumir a geração elétrica brasileira, cujo controle, na maior parte (75%) permanece na mão do Estado. Seria uma forma de completar o quadro de privatização, como desejavam os tucanos, à época no poder, mas não conseguiram emplacar. O resultado, todos sabemos: a promessa de maior eficiência e custos menores foi substituída por apagões e tarifa dez vezes mais cara.

Choque de realidade
A estrondosa vitória obtida pela presidente Cristina Kirchner nas eleições primárias da Argentina abertas ao público confirma antigo alerta que órgãos de comunicação decadentes, tupiniquins e estrangeiros, costumam desconsiderar: nunca se deve confundir desejo com realidade.

Excluídos
Um cadeirante que pegou, quinta-feira passada, o ônibus A72085, da linha 014 (antiga 214) Castelo-Paula Matos, da empresa Transurb passou por maus momentos. Por volta das 17h40, o motorista parou o veículo em um ponto da Avenida Gomes Freire, no Centro do Rio, para o passageiro desembarcar. Depois de esperar, em vão, por dez minutos, que o elevador para deficientes funcionasse, o condutor, com a ajuda de passageiros e transeuntes, carregaram a cadeira com o rapaz até a calçada. Como efeito colateral da ausência de funcionamento do equipamento, o trânsito, normalmente já intenso naquele horário, tornou-se ainda mais caótico. Em meio a  mais uma demonstração da falta de infra-estrutura para os deficientes do país, restou, ao menos, a boa vontade do motorista e dos que o ajudaram.

Alô, Moreira
Que destino será dado ao Plano Brasil 2022, elaborado pelo embaixador Samuel Pinheiro Guimarães com metas para o ano em que se comemorará o bicentenário da Independência do Brasil?
     
     

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVítimas da crise
Próximo artigoResponsabilidade social

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Confiança de serviços recupera parte da queda de setembro

Já índice de confiança do comércio se mantém estável em outubro, ficando em 94,2 pontos, após dois meses de queda.

Mercados operam mistos no exterior

No Brasil haverá resposta ao Copom.

Elevação na Selic deve repercutir no mercado

EUA: divulgação de PIB do terceiro trimestre e balanços de grandes empresas são o foco das atenções no cenário internacional.

TSE forma maioria contra cassação da chapa Bolsonaro-Mourão

PT, PCdoB e PROS pedem cassação da chapa por cometimento de abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação.

IGP-M acumula inflação de 21,73% em 12 meses

Alta da taxa de setembro para outubro foi puxada pelos preços no atacado.