Lojas de shopping, com menos presença, vende mais que as de rua

O saldo foi levemente positivo (0,36%), enquanto no comércio de rua queda de 4,4%.

Empresas / 21:26 - 6 de jan de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Em dezembro de 2019, o movimento de consumidores no varejo físico brasileiro como um todo caiu 2,1% em relação ao mesmo mês de 2018, de acordo com a Seed Digital, empresa de coleta e análise de dados do varejo.

Apesar da presença de consumidores ter crescido apenas 0,36%, as vendas nos shopping centers haviam crescido 9,5% neste Natal em relação a 2018, segundo a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), resultado que provocou contestação das lojas menores. A Associação Brasileira dos Lojistas Satélites (Ablos) divulgou nota afirmando não haver base para sustentar tais dados de crescimento.

Por trás das divergências está mais do que uma discussão em torno do faturamento, em cima do qual as lojas remuneram os shoppings. Está também em jogo o clima político, com o governo divulgando o que seriam números positivos para começar 2020 com otimismo.

Diferentemente do período do Natal, entre 17 e 24 de dezembro, o mercado varejista no mês acompanhou o comportamento de todos os meses de 2019, ou seja, de queda no fluxo de pessoas, que estão se deslocando menos até os estabelecimentos e usando cada vez mais o meio online”, diz Sidnei Raulino, CEO da Seed Digital.

As lojas de shopping tiveram saldo levemente positivo (0,36%), enquanto as lojas de rua registraram queda de 4,4% no movimento. “O desempenho das lojas de shopping está alinhado com a expectativa do setor como um todo em 2020, de ficar no campo positivo”, afirma Raulino.

Em relação a novembro, o fluxo de consumidores no varejo físico nacional saltou 16,6% em dezembro em função da sazonalidade (Natal). Os crescimentos nas lojas de shopping e de rua foram de 27,4% e de 8,1%, respectivamente.

Os índices são fundamentados em pesquisa realizada no varejo ampliado, em três mil pontos, entre shopping centers e lojas, distribuídos em 23 estados e 149 cidades do Brasil. As amostras de shopping e rua têm pesos diferentes.

 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor