Lá e cá

Mesmo sem fazer parte do comitê de campanha de Serra, o ministro do Desenvolvimento, Sérgio Amaral, sustentou que a taxa de desemprego no país está caindo. Mais: acrescentou que o nível de desemprego no Brasil seria um sonho para os países europeus. Igualmente um sonho, para os trabalhadores brasileiros que ainda mantêm seus empregos, seria receber os salários dos europeus; e para os desempregados – ao contrário do que disse o ministro, contingente que aumenta a cada ano de governo FH – cairia bem os mesmos benefícios sociais que a Europa oferece.

Mais do mesmo
Muitos analistas, e mesmo candidatos mais ingênuos, têm elogiado a cobertura da imprensa sobre as eleições. Boa parte desses salamaleques se sustenta no suposto espaço igualitário que a mídia estaria destinando aos quatro candidatos mais bem classificados nas pesquisas eleitorais. Longe de uma mudança de posição, trata-se de uma readaptação de estratégia.
Pela primeira vez desde 1989, o candidato favorito da imprensa “chapa branca” larga atrás – muito atrás – antes do início do horário eleitoral. Desde modo, diferentemente de 1994 e 1998, quando, somadas as duas eleições, FH participou de um único debate eleitoral, marcado antes de ele ultrapassar Lula nas pesquisas, o aumento da exposição dos candidatos é uma necessidade indispensável para tentar dar algum fôlego ao candidato oficial.
O desgaste produzido por distorções grosseiras, como a edição do debate Lula/Collor, obrigou a imprensa a deslocar seu enquadre da distribuição formal de tempo para os temas que pautam a campanha. Desde modo, todos candidatos têm o mesmo tempo, desde que destinados a reproduzir a mesma opinião, com variações irrelevantes, sobre a manutenção da essência da desastrosa política econômica, justamente a principal responsável pela claudicante posição do candidato oficial na disputa eleitoral.
Mais importante do que o futuro eleito é, portanto, a determinação da agenda que, parafraseando Ciro Gomes, o novo presidente terá de manejar. O que, na prática, torna as eleições assim praticadas pouco mais que uma formalidade destinada a naturalizar políticas econômicas de baixa densidade popular e eleitoral.

Agenda
O professor Joseph Stiglitz, Prêmio Nobel de Economia de 2001 e professor da Columbia University, fará uma conferência no Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) na quinta-feira, às 16h. Stiglitz, que foi economista-chefe do Banco Mundial (Bird), virou um crítico dos programas do Fundo Monetário Internacional (FMI). A palestra, com o tema “Reforming the Reformers: A New agenda for Latina America”, será no Salão Pedro Calmon, no Campus da Praia Vermelha (Av. Pasteur, 250 Urca – Rio de Janeiro/RJ). Mais informações através dos telefones (21) 3873-5237/5271 (Anna Lúcia e Maria José).

Debate
O Clube de Engenharia promove amanhã, às 17h30, debate com a governadora Benedita da Silva, candidata à reeleição pelo PT. O evento será realizado no auditório do 20º andar do Clube (Av. Rio Branco, 124, Rio de Janeiro-RJ). Já se apresentaram no mês de agosto os candidatos Solange Amaral (PFL), Jorge Roberto Silveira (PDT), e Rosinha Garotinho (PSB).

Oops
Na última sexta-feira esta coluna, ao mencionar nota distribuída pela Frente Trabalhista, colocou o deputado Walfrido Mares Guia na presidência do PTB; ele é coordenador da campanha de Ciro.

Terceira onda
Sem querer reivindicar lugar na diretoria do sindicato dos videntes, esta coluna lembra nota, publicada no dia 31 de julho, em que levantava a possibilidade de Ciro ter atingido sua melhor colocação nas pesquisas e cair, a partir das denúncias orquestradas pela mídia pró Serra; e completava, dizendo que ele poderia ceder espaço para Garotinho. Acrescenta-se agora um P.S.: as chances do ex-governador do Rio chegar ao segundo turno estão no mesmo grau que seu nome.

Artigo anteriorPetróleo em jogo
Próximo artigoPorcaria perigosa
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

ISM Manufacturing teve a maior leitura desde fevereiro de 2018

Expectativa é de melhora continuada dado o avanço da vacinação, bem como o estímulo fiscal projetado para ser aprovado em meados de março.

Rede estadual de ensino do Rio volta hoje às aulas

Alunos terão aulas remotas e presenciais, com turmas em sala de aula em dias alternados em função da pandemia.

Mercado interno sobe seguindo bom humor global

Exterior avança após pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão ser aprovado pela Câmara dos Representantes dos EUA.

Aepet recomenda não migrar para o Plano Petros 3

Petros anunciou que começa em 2 de março o período de opção pelo PP3 para ativos e assistidos dos PPSP-NR e PPSP-R.

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.