Lucro certo

A manutenção da Taxa Selic não chegou a ser uma surpresa – o que não quer dizer que deve ser aceita passivamente. A decisão dos tecnocratas do BC pode atender a vários interesses, mas não aos do país. Como disse a Fiesp nesta quarta-feira, os juros excessivos são responsáveis pela atração de dólares em busca de lucro certo e fácil, principal insumo do real anabolizado. Ou, como disse o presidente da Fecomércio-Rio, Orlando Diniz, “manter a Selic no lugar de reduzi-la em 0,50 ponto percentual significa que o governo deixa de economizar cerca de R$ 3 bilhões, bem acima do programado pelo PAC para urbanização de favelas no Estado do Rio de Janeiro, R$ 1,7 bilhão”.

Dano à vista
Acidentes oculares no trabalho cresceram 51% em dois anos. De janeiro a agosto deste ano o país já gastou cerca de R$ 132 milhões em benefícios com acidentes laborais. De acordo com o oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto, para cada real gasto pela Previdência Social podem ser acrescidos R$ 4 de custos não segurados. O especialista diz que o crescimento dos acidentes oculares acima da média demonstra que muitos trabalhadores não usam óculos de proteção.
O computador também tem sua parcela de culpa neste tipo de acidente: dois estudos feitos por Queiroz Neto demonstram que o uso do equipamento por mais de duas horas ininterruptas causa a síndrome da visão no computador (CVS) em 75% dos usuários com até 40 anos e 90% dos que têm idade superior. Os sintomas são ardência, visão embaçada, sensação de areia nos olhos e dor de cabeça.

Pérolas
A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) organiza uma missão empresarial à China. O grupo, que será liderado pela Prefeitura de São Paulo e terá apoio da Secretaria estadual de Desenvolvimento, visitará a nação asiática de 1 a 15 de dezembro. O objetivo é explorar uma das principais regiões de desenvolvimento econômico no Sul da China, o delta do Rio das Perólas, responsável por 31,3% do total das exportações do país. Informações e inscrições pelo telefone (11) 3244-3182 ou e-mail [email protected]

Na hora agá….
Um em cada dez candidatos desiste da vaga almejada quando chega à etapa final ou até depois de ser aprovado para o cargo. A informação é de pesquisa da Divisão Executive Search da Korum, realizada entre agosto de 2006 e agosto de 2007 em 330 empresas, a maioria do Estado de São Paulo. O diretor da Divisão Executive Search da Korum, Benê Marques, observa que, depois de serem bem sucedidos, muitos candidatos ficam indecisos: “O que era objetivo e desafio torna-se, surpreendentemente, dúvida e até pesadelo”, explica, acrescentando que, geralmente, o funcionário renegocia a relação de trabalho na empresa atual e alguns, de acordo com a pesquisa, aproveitam-se dessa oportunidade para tentar negociar aumentos entre 30% e 35% mais altos.

Relação abalada
De acordo com Marques, se o funcionário ocupar cargo chave poderá ter sucesso na negociação, mas a iniciativa tende a abalar a relação de confiança com a empresa, que, segundo o estudo, se rompe menos de um ano após esse episódio. A pesquisa informa ainda que o perfil do profissional desistente é: homem, entre 25 e 30 anos e com cargo de especialista ou supervisão: “A desistência demonstra insegurança e falta de preparo para sair da zona de conforto e aceitar novos desafios, o que faz com que esse profissional arranhe sua imagem perante o mercado de trabalho”, avalia o diretor da Korum, acrescentando que o medo de correr novos riscos, conhecer outra cultura e construir uma imagem profissional diante do novo empregador, além de comodismo, são os principais fatores a explicar a desistência de ocupar a vaga conquistada.

Inovação
Entre os dias 23 e 24 de outubro, começa o III Congresso Mato-Grossense de Propriedade Intelectual e Inovação Tecnológica 2007, em Mato Grosso. Durante o evento, que é uma iniciativa da Sociedade Brasileira Pró-Inovação Tecnológica (Protec), da Comissão de Propriedade Intelectual e Direito Autoral OAB/MT e da Secretaria de Ciência e Tecnologia, serão abordados temas como mecanismos de apoio à inovação tecnológica, gestão da Propriedade Industrial e financiamentos à inovação. Mais informações: www.protec.org.br

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorErrata
Próximo artigoBeber na fonte

Artigos Relacionados

Petrobras também foi ao mercado em Londres

Estatal criou subsidiária na década de 80 para atuar nas Bolsas.

Petroleiras ganham dinheiro no mercado, não com produção

Desde a década de 1980, companhias viraram empresas financeiras.

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Últimas Notícias

África tem potencial inexplorado de exportação de US$ 21,9 bilhões

Área de livre comércio da África pode proporcionar um crescimento econômico inclusivo considerável.

Prédio da Editora Três vai a leilão

Com quase 130 mil m², lance mínimo é de R$ 40 milhões.

Diálogo entre China e Reino Unido fortalece cooperação bilateral

O vice-primeiro ministro chinês Hu Chunhua realizou um diálogo via telefone nesta terça-feira, com o chanceler do tesouro britânico Rishi Sunak, sobre o avanço da cooperação prática bilateral.

TingHua cria experiência de degustação multissensorial de baijiu

A produtora de cachaças chinesas TingHua, localizada na cidade de Yibin na Província de Sichuan no sudoeste da China, lançou recentemente seu produto novo TingHua baijiu (um tipo de cachaça chinesa), que é caracterizada pela sua experiência única de degustação de cinco etapas.

Oportunidades vistas em maior recuperação produtiva após corte de RRR

O corte do coeficiente de reserva exigida (RRR, sigla em inglês) do Banco Central da China com início do 15 de dezembro deve oferecer um melhor apoio à economia e pode estimular oportunidades de investimento a partir de uma maior recuperação da lucratividade dos fabricantes listados, relatou a Xinhua Finance citando a China Merchants Fund Management Co., Ltd. na terça-feira.