Lucro do Banco do Brasil cai 20% no primeiro trimestre

Banco destaca que, apesar da queda, a geração de negócios permaneceu forte, com crescimento de 15,4%.

O Banco do Brasil registrou lucro líquido de R$ 3,2 bilhões no primeiro trimestre deste ano, queda de 20% em relação ao mesmo período de 2019. O resultado foi divulgado hoje pelo Banco Central. Em relação ao quarto trimestre do ano passado, a retração chegou a 43,7%.

O lucro ajustado (que não considera eventos extraordinários) ficou em R$ 3,4 bilhões no primeiro trimestre, decréscimo de 20,1% em relação ao mesmo período do ano passado. "Em virtude do atual cenário desafiador para todo o sistema, o resultado do trimestre teve impacto da antecipação prudencial que resultou no reforço de provisões em R$ 2,04 bilhões, sendo: R$ 1,17 bilhão no segmento pessoa física, R$ 824 milhões no segmento pessoa jurídica e R$ 46 milhões no agronegócio", diz o BB.

O banco destaca que, apesar da queda do lucro, a geração de negócios permaneceu forte, evidenciada pelo crescimento de 15,4% do resultado estrutural na comparação com o primeiro trimestre do ano passado. "Esse cálculo é composto pelo produto bancário e pelas despesas operacionais totais, não sofre os efeitos das provisões. Os principais vetores desse resultado foram o crescimento da carteira de crédito e o incremento nas rendas com prestação de serviços"

O BB destaca ainda a colaboração dos avanços da estratégia digital para os impactos positivos no desempenho.

A carteira de crédito ampliada (empréstimos mais as operações com títulos, valores mobiliários privados e garantias) totalizou R$ 725,1 bilhões, crescimento de 5,8% em 12 meses. No mesmo período, a carteira pessoa física ampliada cresceu 9%, a pessoa jurídica ampliada cresceu 5,9% e a carteira rural ampliada apresentou desempenho positivo de 2,5%.

A carteira de pessoa física cresceu em função do desempenho positivo em crédito consignado (R$ 84,5 bilhões), que evoluiu 16,4% em 12 meses, e na linha empréstimo pessoal, que cresceu 36% no período e alcançou R$ 11,6 bilhões.

A carteira de crédito ampliada para pessoa jurídica cresceu 5,9% na comparação anual e totalizou R$ 273 bilhões. A carteira para micro e pequenas empresas (R$ 65,964 bilhões) cresceu 12% em 12 meses, com destaque para o crescimento de 26,8% no capital de giro.

A carteira rural ampliada apresentou desempenho positivo de 2,5% na comparação anual, totalizando R$ 173,3 bilhões. O BB destacou a carteira para produtores pessoas físicas, que cresceu 7,2%.

O índice de inadimplência superior a 90 dias sofreu redução de 0,1 ponto percentual frente a dezembro de 2019, alcançando 3,17% em março.

No primeiro trimestre, as receitas com prestação de serviços cresceram 4% na comparação com o mesmo período de 2019, alcançando R$ 7,1 bilhões. O BB destacou o desempenho das linhas de consórcios (19,2%); seguros, previdência e capitalização (15,3%); e administração de fundos (13,3%).

As despesas administrativas seguem sob controle, diz o BB. Apresentaram crescimento de 2,7% na comparação de 12 meses.

O índice de Basileia atingiu 17,8% em março de 2020. O BB diz que mantém o compromisso de atingir um patamar mínimo de 11% de capital principal em janeiro de 2022. Esse percentual indica a capacidade do banco de emprestar, levando em consideração os recursos próprios e a ponderação de riscos de perdas. O índice é um conceito internacional definido pelo Comitê de Basileia.

 

Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Indústria de fundos está pronta para investimentos sustentáveis

É hora de a própria indústria de fundos, por meio de iniciativas de autorregulação, preencher o gap regulatório que ainda existe em torno dos...

Índice da B3: Empresas com melhores práticas no mercado de trabalho

A B3, bolsa do Brasil, e a consultoria global, Great Place to Work, anunciaram nesta terça-feira a criação de um novo índice com foco...

CVM: Acordo de R$ 300 mil após autodenúncia de infração

O Colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) analisou, em reunião nesta terça-feira, propostas de Termo de Compromisso dos seguintes Processos Administrativos (PA) e...

Últimas Notícias

Lei de Melhoria do Ambiente de Negócios no Brasil

Por Letícia Luzia de Sousa Ramos e Renata Homem de Melo.

Para 48%, recém-formados são os mais afetados no mercado de trabalho

Pesquisa feita com mais de 9 mil pessoas descobriu que 25% fazem parte da Geração Nem Nem, que não trabalha nem estuda.

SP registra queda de 13% em mortes de trânsito ante setembro de 2020

Número de óbitos caiu de 455 em setembro do ano passado para 396 no mesmo período de 2021.

Supermercados tiveram queda de 7,15% em vendas

Período avaliado em São Paulo foi de 12 meses, já Rio registra expansão de 41,5% de novas unidades no primeiro semestre.