Lucros das megapetrolíferas disparam com alta dos combustíveis nos EUA

Exxon, Chevron, Shell, BP e outras lucraram um total de US$ 174 bilhões este ano.

A Petrobras não é a única que aumenta o preço dos combustíveis para “engordar” os lucros. Outras megapetrolíferas, como Chevron, BP, Shell e Exxon fazem o mesmo. Para se ter uma ideia, 24 petrolíferas tiveram nos primeiros nove meses do ano lucro total de US$ 174 bilhões.
Segundo o jornal britânico The Guardian, somente os lucros do terceiro trimestre de 2021, 24 grandes empresas de petróleo e gás obtiveram mais de US$ 74 bilhões em receita líquida.
Apenas a Exxon registrou lucro líquido de US$ 6,75 bilhões no terceiro trimestre, seu maior lucro desde 2017, e viu sua receita saltar 60% em relação ao mesmo período do ano passado. A empresa creditou o aumento do custo do petróleo para impulsionar esses lucros, assim como a BP, que obteve US $ 3,3 bilhões no lucro do terceiro trimestre. O presidente-executivo da BP, Bernard Looney, explica aos investidores, no último relatório de lucros, que o aumento dos preços das commodities ajudou.
Os preços da gasolina atingiram uma alta em sete anos nos Estados Unidos devido ao aumento do custo do petróleo, com os americanos pagando cerca de US$ 3,40 por um galão de combustível, em comparação com cerca de US$ 2,10 em 2020. A população reclama do aumento da gasolina.

No Brasil, o combustível já passou os R$ 7,00 e o gás de cozinha custa R$ 120,00. E com isso, a Petrobras obteve um lucro líquido de R$ 31,1 bilhões (cerca de US$ 5,4 bi) no terceiro trimestre deste ano.

A estatal brasileira mantém a política do Preço de Paridade de Importação (PPI) e desde que o novo presidente da Petrobras, general Silva e Luna, assumiu o posto, houve alta de 9,3% no preço médio do diesel, 7,2% no da gasolina comum e 8,2% no do gás de cozinha, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Assim como ocorre com as grandes petrolíferas, os acionistas da Petrobras também ganham com essa escalada do preço dos combustíveis.

Em outubro, a Petrobras anunciou uma distribuição de dividendos aos seus acionistas referentes ao exercício de 2021. A estatal aprovou o pagamento de R$ 31,8 bilhões (cerca de US$ 6 bilhões). O valor é equivalente a R$ 2,437865 bruto por ação preferencial e ordinária em circulação. Essa distribuição se soma aos R$ 31,6 bilhões anunciados em 4 de agosto de 2021, totalizando R$ 63,4 bilhões (cerca de US$ 12 bilhões) em antecipação aos acionistas relativa ao exercício de 2021. O valor adicional será pago em dezembro, junto com a parcela já aprovada em 4 de agosto de 2021.

Da Redação com The Guardian, FUP e Aepet

Leia também:

Criação de empregos nos EUA decepciona, e ouro sobe

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Mais de um terço das famílias relata queda da renda mensal

Estudo destaca comportamento das pessoas sobre gastos e dívidas no primeiro trimestre; mais impactados são famílias de menor renda.

Saques extraordinários já somam 20% do patrimônio do FGTS

Para deputado, 'a nobreza do gasto não justifica o desvio do seu uso'.

Projeção do governo mostra inflação rumo a 2 dígitos

Ministério de Guedes eleva estimativa para 8%.

Últimas Notícias

Diesel: novo reajuste pode afetar preço do frete

Já gasolina subiu 1% e fechou quinzena a R$ 7,599; valor médio do combustível no Brasil foi de R$ 7,599 nos primeiros 15 dias de maio.

SP é o segundo estado com maior potência de energia solar em telhados

Geração própria de energia solar no Rio ultrapassa 49,8 mil conexões em telhados e pequenos terrenos.

Mais de um terço das famílias relata queda da renda mensal

Estudo destaca comportamento das pessoas sobre gastos e dívidas no primeiro trimestre; mais impactados são famílias de menor renda.

Despesas de planos médicos atingiram R$ 206 bi na pandemia

Estudo mostra que aumento de 24% durante um ano está relacionado com a retomada de procedimentos médicos a partir de 2021.

Tunisianos investem em azeite orgânico para entrar no Brasil

Segundo executivo, Tunísia está em primeiro lugar no ranking global de azeites orgânicos.