Lula reinveste na indústria naval para alavancar setor

Desassoreamento do Canal de São Lourenço, em Niterói, vai gerar cerca de 20 mil empregos

192
Complexo Industrial e Portuário de Niterói
Iniciativa amplia acesso da infraestrutura aquaviária ao Complexo Industrial e Portuário de Niterói (foto: divulgação Antaq)

Retomar os investimentos na indústria naval brasileira como forma de alavancar o setor e gerar empregos e tecnologia no País. Essa é a iniciativa que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu nesta terça-feira durante o início das obras de dragagem do Canal de São Lourenço, em Niterói (RJ).

Segundo Lula, o desassoreamento de trecho da Baía de Guanabara, entre a Ilha da Conceição e a Ponte Rio-Niterói, vai aumentar de sete para 11 metros a profundidade (calado) do local, permitindo o aumento da função operacional dos estaleiros, o estímulo a novas construções de embarcações e a movimentação do setor de reparos e manutenção. A previsão é que sejam gerados cerca de 20 mil empregos diretos e indiretos.

“Quero que vocês tenham certeza que a gente vai recuperar a indústria naval brasileira, porque não é possível um país do tamanho do Brasil, [onde] 90% de todo o comércio é feito através do mar, não tem sentido a gente ter déficit comercial na balança, por conta de que nossos produtos são exportados e comprados em navio de bandeira estrangeira. É verdade que pode ser mais barato alguns centavos, pode ser mais barato alguns dólares, mas o fato da a gente alugar um navio lá fora, a gente não vai gerar emprego aqui, a gente não vai criar pequenas e médias indústrias, a gente não vai ter componentes nacionais. Significa que a gente vai trazer um produto mais barato, mas o povo vai estar desempregado e não vai poder comprar o produto que vai vir pra cá. Por isso, é necessário gerar emprego, porque a renda gera consumo e o consumo gera desenvolvimento”, disse Lula.

Os ministros Silvio Costa Filho (Portos e Aeroportos) e Márcio Macêdo (Secretaria-Geral da Presidência), além do ministro da Pesca e Aquicultura substituto, Carlos Mello, acompanham o presidente.

Espaço Publicitáriocnseg

A obra soma R$ 157 milhões em investimentos, sendo R$ 137 milhões provenientes da Prefeitura de Niterói e R$ 20 milhões da Companhia Docas do Rio de Janeiro, empresa pública ligada ao Governo Federal.

Navio em estaleiro na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro
Navio em estaleiro na Baía de Guanabara (foto de Claudia Martini, Xinhua)

Lula ainda lembrou que, durante os dois primeiros mandatos, entre 2003 e 2010, o setor saltou de 3 mil empregos para 86 mil, com a reabertura de estaleiros nos estados do Rio de Janeiro, do Espírito Santo, na Bahia e em Pernambuco.

O Porto de Niterói prevê mais de 30% de aumento nas atracações e nos serviços portuários após a dragagem do Canal de São Lourenço. Seus terminais oferecem suporte completo para módulos de plataformas e equipamentos de produção de petróleo e gás.

Terminal Pesqueiro

Outro projeto será desenvolvido na mesma região: a revitalização do Terminal Pesqueiro de Niterói, por meio de acordo para a municipalização do espaço. Após a conclusão da dragagem do Canal de São Lourenço, a intenção é que o terminal se torne um entreposto de pesca, também beneficiando o setor marítimo e gerando emprego e renda.

O ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, junto com o presidente da PortosRio, Francisco Martins e o prefeito do Niterói, Axel Grael, assinartam o contrato de compra e venda de imóvel do antigo Terminal Pesqueiro.

O novo terminal vai atender a indústria da pesca de todo o Rio de Janeiro, bem como irá colocar a cidade de Niterói entre as principais, no país, em captura, exportação e distribuição em grande escala de pescado industrial.

Lula durante cerimônia de obras do Canal de São Lourenço, Niterói
Lula durante cerimônia de obras do Canal de São Lourenço, Niterói (foto de Ricardo Stuckert, PR)

Investimentos

O Governo Federal vem ampliando os investimentos nos portos do país para fortalecer o setor. A meta para este ano é alcançar a marca de R$ 2 bilhões.

“Importante destacar que saímos de 2022 de R$ 690 milhões de investimentos e, nesse ano de 2024, nossa perspectiva é chegar a R$ 2 bilhões em investimentos públicos, a exemplo de dragagens, requalificação de moles, estruturando nossos portos públicos e os delegados”, explicou Silvio Costa Filho.

A carteira de investimentos previstos em portos entre 2024 e 2026 é de R$ 78,5 bilhões. Além disso, há a previsão de R$ 6 bilhões em investimentos no Túnel de Santos-Guarujá.

Com informações da Agência Brasil e do Planalto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui