Lula sai em defesa de Gilmar

Para ex-presidente, 'Bolsonaro é responsável pelo grande número de infectados e pela quantidade de pessoas que morreram'.

Política / 11:44 - 16 de jul de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, que criticou a postura do Exército diante da situação do Ministério da Saúde, ocupado interinamente há mais de 60 dias pelo general Eduardo Pazuello, que não tem experiência na área. Lula participou na tarde de ontem do painel "Conjuntura, democracia brasileira e desafios da esquerda", na abertura do 18º Congresso Nacional da Federação Única dos Petroleiros (FUP), que se estende até o próximo domingo.

"Você precisa colocar na coordenação alguém que entenda de saúde. Não tenho nada contra ter um general (à frente do Ministério da Saúde). Mas ele (Jair Bolsonaro) colocou um general que não entende nada de saúde. E ficaram bravos com o ministro Gilmar Mendes quando ele disse que o Exército pode estar contribuindo com um genocídio provocado por Bolsonaro. E o Gilmar está certo. Ele não culpou o Exército, ele disse que o Exército, participando como está do governo, sem cobrar um comportamento adequado do presidente da República, vai contribuir com os erros do presidente da República. Essa é a mais pura verdade. E eles se ofendem com isso.

O ex-presidente mencionou os números da Covid-19 no Brasil e no mundo e as incertezas que a pandemia trouxe às pessoas. Mas, no Brasil, a doença se tornou ainda mais grave, disse Lula, pela ausência de um comando único que tomasse as medidas necessárias para impedir o avanço do novo coronavírus e pela postura negacionista do atual presidente.

"Em vez de ser maestro, escolheu brigar com o coronavírus e disputar narrativa com a ciência. E um presidente da República, em qualquer país do mundo, não tem o direito de brigar com a ciência. Não se brinca e não se duvida de uma coisa na qual você não é especialista. Você precisa ouvir aqueles que entendem para seguir os conselhos. É através do conhecimento que você evitar que uma doença se prolifere muito mais no país. Ele não levou em conta. Não existe médico, não existe ciência", reforçou Lula.

"O dado concreto é que o comportamento de Bolsonaro não só é responsável pelo grande número de infectados, mas pela quantidade de pessoas que morreram, porque grande parte dessas pessoas estariam vivas se a gente tivesse feito as coisas certas no tempo certo. Esse é o papel de um presidente da República: coordenar, criar uma equipe estratégica de cientistas, de médicos, de secretários de Estado, de governadores, e ter uma orientação única para este país. E não ficar receitando cloroquina, dizendo que cura, quando não há nenhuma prova científica de cura. Ele agora está com o coronavírus, espero que tenha aprendido que o vírus não tem ideologia. Não precisa estar de camisa amarela ou camisa vermelha, o vírus pega em quem se colocar na frente dele".

 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor