Lulalá também

Ontem, durante reunião do comando de campanha de José Serra, ouviram-se gritos de “Lula, Lula, Lula!”. Prontamente, a candidata a vice de Serra, deputada Rita Camata (PMDB-ES), começou a gritar “Serra, Serra!” para espantar a suposta infiltração petista no reduto tucano. A confusão foi esclarecida: eram fotógrafos que pediam a um colega, homônimo do candidato do PT, para mudar de posição para não atrapalhar a cobertura do evento. Pelo visto, as últimas pesquisas de intenção de votos aumentaram a quantidade de fantasmas que rondam o comitê tucano.

Mãos ao alto
O setor de segurança eletrônica movimentou US$ 750 milhões (R$ 2,25 bilhões) no país, em 2001. Nos últimos cinco anos, o crescimento médio anual foi de 20%. Os dados são da Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança (Abese), que atribui ao aumento da criminalidade e da violência papel-chave no crescimento do setor. Segundo a Abese, as empresas chegam a investir cerca de 2% do faturamento na tentativa de proteger seus negócios. No transporte de carga e lojas de joalheria esta percentagem chega a até 12%.

Cidadão do Rio
O vereador da Câmara Municipal do Rio de Janeiro Ricardo Maranhão (PSB) recebeu ontem o título de Cidadão do Estado do Rio de Janeiro. A iniciativa foi do deputado Edmilson Valentim (PCdoB). Pernambucano, Maranhão chegou ao Rio de Janeiro em 1955, acompanhado de seu pai, Jarbas Maranhão, Constituinte de 46, o mais jovem senador na ocasião. Foi justamente o Palácio Tiradentes, hoje sede da Alerj, o cenário da promulgação da Carta Magna de 46. Formado em Engenharia Mecânica pela Nacional, com especialização em petróleo, Ricardo Maranhão dedicou 30 anos de sua vida profissional à Petrobras. O amor pelo Brasil e a convicção de que a soberania nacional é fundamental o levaram a ser um dos fundadores e vice-presidente do Modecom, juntamente com Barbosa Lima Sobrinho. Foi deputado federal em 99. “O povo do Rio já considera nosso homenageado como sendo um de nós, carioca e fluminense”, destacou Edmilson Valentim.

Músculos em alta
Enfraquecida pela transferência dos negócios para Nova York e pela crise financeira, que esvaziou seus negócios e provocou uma debandada de sócios, a Bovespa estuda abrir uma academia de ginástica em sua sede, em pleno Centro velho de São Paulo. A idéia foi apresentada pelos funcionários. O projeto já tem um forte entusiasta: o presidente da bolsa, Raimundo Magliano Filho, praticante da ioga.
A instalação de academias dentro das empresas é uma tendência mundial ainda pouco adotada no Brasil. Nos EUA, estima-se que 93% das 1 mil maiores companhias já montaram um espaço do tipo para seus funcionários. O Tribunal de Justiça do Rio inaugurou este mês uma academia em sua sede. Por R$ 50 por mês, os funcionários podem fazer musculação e hidromassagem, entre outras atividades.

Artigo anteriorRevoada
Próximo artigoOlho vivo
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

ANS determina que planos cubram novos remédios, exames e cirurgias

Novos exames e tratamentos passaram a fazer parte da lista obrigatória de assistência, que deverá ser observada a partir de abril.

Ibovespa futuro sobe no momento, mas com muita cautela

No exterior, Bolsas globais recuam em meio a preocupações com a inflação nos EUA.

IPC-S sobe em seis capitais brasileiras em fevereiro

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) subiu em seis das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV), na...

Trava política impede recuperação mais forte

Nesta segunda, mercados aqui foram na mesma direção do exterior em recuperação, mas sem mostrar maior tração. 

Sony deixará de vender áudio e vídeo no Brasil

Multinacional japonesa venderá aqui apenas consoles de games importados.