Made in Mexico

Noventa por cento dos televisores de plasma ou cristal líquido vendidos nos Estados Unidos são fabricados no México, calcula o Ministério mexicano da Economia. Dados da consultoria Snapshots mostram que os estadunidenses compram 32 milhões de televisores anualmente; 18% são dos modernos aparelhos de plasma ou LCD. A vantagem mexicana no mercado dos EUA foi obtida graças às isenções tarifárias e ao menor custo do frete em relação aos televisores produzidos na Ásia. O México consegue vender com preços 5% abaixo dos asiáticos. Lucros e royalties, claro, vão das maquiladoras mexicanas para os Estados Unidos.

A nova derrama
O desastroso episódio da MP 232 fornece possibilidade ímpar de abordar a questão tributária brasileira mais pelo aspecto qualitativo do que por sua relação com o produto interno bruto (PIB). Embora este último seja a unidade de medida favorita de setores tradicionalmente esquivos a pagamento de impostos, é a forma de aplicação do que o governo arrecada que deve ser questionada com maior vigor.
Estudo recente dos economistas José Roberto Afonso e Érica Amorim Araújo revelou que, do aumento de 7,9 pontos percentuais da carga tributária imposta ao país pelo tucanato entre 1995 e 2002, 67,5% foram esterilizados no pagamento de juros. Além disso, do aumento da carga tributária nesse período, de 34,43% para 42,36%, apenas 2,5% foram convertidos em bens e serviços para a sociedade.
Os dados indicam que, se aumentar impostos leva a um movimento que culmina na maior derrota da equipe econômica de Lula, arrancar o couro dos brasileiros para cevar rentistas e especuladores deveria levar a uma nova Inconfidência.

Esquizofrenia
A imagem mais emblemática do enterro da Medida Provisória 232 foi a do novo líder do governo na Câmara dos Deputados, Arlindo Chinaglia (PT-SP), rasgando o texto da MP. Seu simbolismo mais forte representa o isolamento da política econômica do ministro da Fazenda, Antônio Palocci, que resistiu até a undécima hora a reajustar, mesmo parcialmente, a tabela do Imposto de Renda. Embora episódio isolado, ele encerra o nível de incompatibilidade da política fiscal com as aspirações do Congresso e da sociedade.

Executivas
As mulheres representam mais de 40% do total de alunos dos cursos de pós-graduação em áreas de gestão de empresas, que reúnem profissionais da faixa dos 24 aos 31 anos. Atento a essa tendência, o Ibmec-SP vai realizar o debate “Os desafios da mulher no mercado de trabalho”, no próximo dia 7, às 20h. Estarão presentes a consultora de carreiras Karin Parodi, diretora da empresa Career Center, a diretora de Desenvolvimento Organizacional do Ibmec São Paulo, Sula Vasconcellos, o vice-presidente da Fesa, Francisco Ramirez, e o professor José Valério Macucci. Inscrições e informações: (11) 3253-0344 ou pelo contactcentersp@ibmec.br

Café pequeno
O produtor fica cada vez com uma fatia menor no negócio do café. Dados do presidente da Unctad, Rubens Ricupero, em artigo na Folha, mostram que o valor total da cadeia do café passou de US$ 30 bilhões para US$ 70 bilhões de 1990 a 2000. Os agricultores ficavam com US$ 12 bilhões dos US$ 30 bilhões; agora, mal chegam a US$ 5,5 bilhões dos US$ 70 bilhões. Em resumo, a participação de quem planta e corre o maior risco desabou de 36 % a 38% para 6% a 8%. Os países mais dependentes da exportação de café (entre 60% e 80% da pauta de vendas externas) estão entre os mais pobres do mundo: Burundi, Etiópia, Ruanda, Uganda, acrescenta o ex-ministro brasileiro.

Portugal
A relação comercial entre Brasil e Portugal é tema de seminário nesta segunda-feira, das 14h às 19h, na Confederação Nacional do Comércio (Av. General Justo 307, 9º andar, Centro do Rio). Participam o secretário de Desenvolvimento do Rio de Janeiro, Humberto Mota, o embaixador extraordinário de Portugal, Francisco Seixas da Costa, o secretário de Assuntos Internacionais do Ministério do Planejamento, José Carlos Miranda, e o presidente da Câmara de Portuguesa de Comércio e Indústria do Rio, Arlindo Catoia Varela, entre outros.

Artigo anteriorNome
Próximo artigoEsteio
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preço do diesel avança pelo quarto mês consecutivo

Combustível ultrapassou R$ 4 em fevereiro e os dois tipos, comum e S-10, registraram valores acima de todos os meses de 2020.

Antítese da véspera

Ontem o dia foi completamente diferente da terça-feira, em que começamos o dia raivosos, suavizando mais tarde.

Rio fecha bares à noite e adota toque de recolher

Bares e restaurantes agora só podem funcionar das 6 às 17h; em SP, diretor do Butantan defende que estado seja colocado em fase mais restritiva.

PEC emergencial e pedidos por seguro-desemprego

Mercados europeus fecharam mistos na quarta-feira; indicadores da Zona do Euro tiveram desempenho acima do esperado.

Setor de eventos terá parcelamento e isenção de impostos

Projeto foi aprovado pela Câmara e segue para o Senado.