Madrasta

A Eletrobrás aumentou em 35% as mensalidades do plano de saúde de seus funcionários aposentados. Nos últimos dez anos, o reajuste foi de 752%, muitas vezes superior ao IGP-DI do período (162%) e maior até do que a estratosférica Taxa Selic (600%). Para os trabalhadores da ativa, a estatal arcou com 30 pontos percentuais do aumento. É a única empresa federal que não contribui para o plano de saúde dos aposentados.

Desindustrialização
Mais relevante que a exibição isolada de números é buscar interpretá-los para capturar as tendências que apontam. A informação de que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil cresceu 3,4%, no primeiro trimestre de 2006, em relação ao mesmo período do ano passado, e 1,4%, sobre os últimos três meses do ano passado, deve ser decomposta para que indique suas raízes. Pelo lado do consumo, os números do IBGE trazem embutidos duas informações preocupantes e a confirmação do óbvio interditado.
Começando pela boa notícia: a influência positiva sobre o PIB do crescimento de 1,6% no consumo do governo reafirma a contemporaneidade dos princípios keynesianos sobre o papel chave do Estado para a reativação da economia. Infelizmente, esse movimento, longe de ser consequente, se esgota nos limites do eleitorelismo vulgar e é insuficiente para neutralizar os efeitos deletérios que a prolongada valorização do câmbio já causa nos alicerces da economia.
Com o real forte, pela primeira vez desde a cessação dos desastrosos efeitos do populismo cambial do tucanato, a balança comercial voltou a impactar de forma negativa o PIB. As consequências estruturantes do neopopulismo cambial, porém, são mais profundas. Por trás do crescimento de 9% dos investimentos não se encontra apenas a necessária renovação do parque industrial nacional, mas a progressiva e persistente desindustrialização do Brasil.
Dados da Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex) dão a dimensão do alarmante descompasso entre o aumento da importação de máquinas e equipamentos e a produção da indústria local. Enquanto o primeiro teve incremento de 34%, a segunda avançou apenas 9,2%. Para além de querelas eleitorais, a leitura qualitativa dos números permite antever a marcha batida do país para a República Velha conduzida pelo condomínio PT/PSDB.

Um só Peru
Seja quem for o eleito nas eleições no segundo turno do Peru, estará fadado a promover mudanças profundas. Se o vencedor for Ollanta Humala, as expectativas despertadas por sua plataforma de aberta oposição ao neoliberalismo não lhes deixarão outra alternativa que não a de levá-la a cabo, ainda que respeitados ritmos e nuanças inerentes aos jogos do poder. Se o ex-presidente Alan Garcia for o eleito também será fortemente impulsionado pelas mudanças. Se optar pelo continuísmo medíocre, enfrentará violentas manifestações sociais tão fortes, que dificilmente conseguirá concluir um mandato fruto de virtual estelionato eleitoral.

Aperitivo
A soma de festas juninas com Copa do Mundo deve ter como resultado alta de 45% nas vendas de amendoim em junho, projeta a associação do setor (Abicab). A entidade prevê um crescimento de 5% a 20% na produção dos diversos tipos de doces e salgados com amendoim em 2006.
Um dos entraves ao crescimento é a contaminação por aflatoxinas, produzidas por fungos, que causam doenças graves. A associação garante que, desde 2001, a contaminação caiu de 40% das amostras para 5% e recomenda que o consumidor só compre o produto com o selo Amendoim de Qualidade Abicab.

Homenageado
O presidente da Comissão Européia, José Manuel Durão Barroso – ex-primeiro-ministro de Portugal – receberá nesta sexta-feira, às 15h, a Medalha do Mérito Pedro Ernesto. A cerimônia será realizada na sede da Prefeitura do Rio de Janeiro, no Palácio da Cidade (Rua São Clemente, 360, Botafogo) e contará com a presença do prefeito Cesar Maia.

Isenção
O governo mexicano interrompeu, até 7 de julho, a distribuição do boletim eletrônico semanal Buenas Noticias. A causa da suspensão é a proximidade das eleições presidenciais, em 2 de julho.

Artigo anteriorBrega chique
Próximo artigoNeoudenista
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Taxação sobre heranças reflete desigualdade

Apenas 0,5% da receita vem de impostos sobre bens deixados ou doados.

Chile, Paraguai, Colômbia… e o Brasil?

Crises políticas e sociais nos países vizinhos acendem alerta.

Na pandemia, BNDES vendeu ações que agora valem o dobro

Em nove meses, banco perdeu R$ 8 bi só em 1 operação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Aprovado projeto que asfixia o direito da minoria em sessões da Câmara

Mudanças começam a valer a partir desta quinta-feira.

Confiança da indústria está maior em maio

'Em meio à crise gerada pela pandemia, Estado tem que ser indutor do crescimento econômico', afirma presidente da CNI.

EUA: CPI teve variação acima do esperado

Foi o maior avanço mensal da leitura subjacente desde a década de 80 do século passado.

Latino-americanos viajam aos EUA em busca de imunização

Um anúncio de uma agência de viagens oferece promoções para que mexicanos viajem aos EUA a fim de receber a vacina contra a Covid-19....

Comportamento é misto na Europa nesta manhã

Nesta manhã, Paris opera em queda de 0,10%.