Maior conferência de tecnologia offshore do Brasil

30

Evento mostrará como a indústria está fazendo para ajudar a descarbonizar a economia

A Petrobras estuda o desenvolvimento de projetos de energia eólica offshore e hidrogênio verde, como alternativas à transição energética. Recentemente o presidente da companhia, Jean Paul Prates, afirmou que os parques eólicos offshore (marítimos) que serão construídos no Brasil deverão ser dedicados principalmente à produção de hidrogênio verde.

Estes e outros temas serão expostos na conferência “Tecnologias para o Offshore do Brasil Contribuindo para as Necessidades Energéticas Mundiais”, a OTC Brasil 2023 que começa nesta terça-feira no Expo Mag, na Rua Beatriz Larragoiti Lucas s/n, Cidade Nova, Rio de Janeiro. O evento – que termina na quinta-feira (26) – é organizado pelo Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP).

Maior conferência de tecnologia offshore do Brasil e uma das maiores do mundo, a OTC reunirá mais de 180 expositores, um público total estimado em 25 mil pessoas, distribuídos em uma área de 9.400m² que abrigará, além do congresso, a exposição e uma das grandes novidades: a Arena de Descarbonização e Tecnologia. Esta é uma das novidades desta edição, um espaço dedicado a iniciativas onde a indústria poderá se unir para construir e escalar soluções de descarbonização.

Espaço Publicitáriocnseg

“Essa arena, que terá a programação aberta a todos os visitantes e congressistas, tem como objetivo mostrar iniciativas atuais e inspirar a criação e a aceleração de programas nesta área, bem como compartilhar o que a indústria já está fazendo para ajudar a descarbonizar a economia, liderando projetos concretos e impactantes”, informou o IBP.

Um balanço dos resultados obtidos nos 10 anos de exploração produção do regime de partilha é o tema da palestra que a Pré-Sal Petróleo (PPSA) vai realizar no primeiro dia, terça-feira, às 16h. A palestra, que será realizada na Arena Offshore, abordará os principais marcos registrados nos contratos de partilha, incluindo as iniciativas tecnológicas e de descarbonização adotadas pelos consórcios. O tema será apresentado pelo coordenador de gestão de projetos e contratos, Cláudio Kuyven; pelo coordenador de Geociência, Carlos Eduardo Cardoso; e pela Assessora de Planejamento Estratégico, Leandra Ribeiro. A diretora Técnica e Presidente Interina, Tabita Loureiro, será a moderadora do debate.

“A OTC é um importante evento para compartilhar experiências e melhores práticas no setor offshore. Hoje, a produção da União é de aproximadamente 48 mil barris por dia de petróleo nos contratos de partilha de produção e nos acordos de individualização da produção. Porém, antes de 2030, teremos 500 mil barris por dia. A PPSA de amanhã será muito maior do que a PPSA de hoje e queremos mostrar a evolução dos contratos e os benefícios para a sociedade”, destaca Tabita.

Dentre as presenças confirmadas para os painéis, Roberto Ardenghy, presidente do IBP, Ricardo De Luca, Country Director da Corio Generation, e Fernanda Scoponi, Senior Business Developer Manager – Offshore Wind da TotalEnergies, vão explicar o que precisa ser feito para desbloquear o potencial eólico offshore do Brasil.

O papel dos gigantes offshore emergentes para atender a demanda global de energia será o foco de Maggy Shino, diretora de Assuntos Petrolíferos do Ministério de Minas e Energia da Namíbia; Clyde Griffith, consultor da Câmara de Energia do Suriname; Rudencio Morais, diretor de Exploração e Produção da Empresa Nacional de Hidrocarbonetos de Moçambique.

Pedro Brancante, Head de Minas e Energia da Embaixada Brasileira em Paris, irá moderar o painel sobre o papel da indústria offshore no futuro da energia e como os cenários globais Net Zero podem ajudar a atingir este objetivo, com a presença de Clarissa Lins, sócia fundadora da Catavento Consultoria, e Rafaela Guedes, sênior fellow do CEBRI.

Na série de palestrantes principais, Maurício Tolmasquim, diretor executivo de Transição Energética da Petrobras, irá compartilhar a visão da companhia sobre as oportunidades de energia eólica offshore, produção de hidrogênio e CCUS (captura, uso e armazenamento de carbono) e suas sinergias com a atual indústria offshore de petróleo e gás. Também na série de palestras de destaque, Décio Oddone, CEO da Enauta, abordará temas como as novas oportunidades e dificuldades para os produtores independentes no Brasil.

Sessões plenárias

As plenárias receberão nomes como Viviana Coelho, gerente executiva de Mudança Climática e Descarbonização da Petrobras; Wafik Beydoun, diretor da Associação Internacional de Produtores de Petróleo e Gás (IOGP, em Inglês); Alberto Ferrin, CEO da ExxonMobil Brasil; e José Firmo, CEO do Porto do Açu, para discutir o avanço e o progresso do Brasil nas prioridades energéticas. Serão analisadas as ações necessárias para atingir as metas climáticas em áreas de energias renováveis, infraestrutura, o papel dos combustíveis fósseis, captura de carbono, e outros temas da agenda de transição energética.

Diálogos executivos

Bruno Chabbas, CEO da SBM Offshore, e Guillhermo Martínez-Navas, diretor de novos mercados e Américas da Corio Generation, serão recebidos por Roberto Ardenghy, presidente do IBP, em uma conversa em que serão colocadas as perspectivas sobre o momento atual e o futuro do mercado eólico offshore no contexto da transição energética.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui