Mais da metade dos moradores de favelas perderam emprego

Informalidade é alta: só 1 em cada 4 tinha carteira assinada.

A falta de água fez parte da rotina de 37% dos moradores de favelas no Rio de Janeiro; 63% ficaram sem água em algum momento da pandemia. Apenas 26% possuem emprego com carteira assinada, e 54% perderam o emprego no período.

Os dados são da pesquisa “Coronavírus nas favelas: a desigualdade e o racismo sem máscaras”, lançada nesta segunda-feira. O estudo foi realizado pelo coletivo Movimentos, formado por jovens de diferentes favelas da cidade, com apoio do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESeC).

O relatório, divulgado pela Agência Brasil, revela que a média de pessoas por cômodo das casas das favelas é de 3 moradores, o que amplia a possibilidade de contágio dentro das residências e dificulta o isolamento social. Além disso, 54% não conseguiram fazer isolamento, principalmente pela necessidade de sair para trabalhar, o que foi relatado por 55% dos respondentes.

O estudo apontou que, no Brasil, pessoas de baixa escolaridade têm taxas de mortalidade três vezes maiores (71,3%) do que das pessoas com nível superior (22,5%). Nas favelas analisadas na pesquisa, apenas 16% dos participantes disseram ter ensino superior. Sobre o desemprego, a situação foi relatada por 26,8% da população não branca, e 30% estão em trabalhos informais.

Entre os respondentes, 62% solicitaram o auxílio emergencial, mas apenas 52% receberam o benefício; 50% solicitaram doações e, dentre esses, 56% receberam ajuda; 36% das pessoas ajudaram arrecadando ou fazendo doações.

Para o coordenador do Movimentos Ricardo Fernandes, morador de Cidade de Deus, na zona oeste do Rio de Janeiro, a situação durante a pandemia só não foi mais grave devido às redes de solidariedade que ser formaram.

“Além de construir uma potente rede solidária para suprir a ausência do Estado, os jovens das favelas discutem impactos da política de drogas em seu cotidiano, e produzem dados para que a sociedade conheça a realidade que vivemos sob a perspectiva de quem nasce, cresce e mora nesses lugares, que são alvo de várias violências do poder público.

Com Agência Brasil

Leia também:

Quase 50% das empresas fecham em até três anos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Fed lista prós e contras da moeda digital do Banco Central

Meio de pagamento seguro para empresas e famílias, mas pode representar ameaça à estabilidade financeira.

Criptomoedas derretem; para FMI, ameaça à estabilidade financeira

Bitcoin negociado abaixo de US$ 40 mil; após pandemia, criptos acompanham movimento de ações.

Consultoria em que Moro trabalhou ganhou 75% com empresas da Lava Jato

Segundo revista, Alvarez & Marsal faturou R$ 42,5 milhões com honorários de companhias investigadas.

Últimas Notícias

Electrolux lança desafio para arquitetos e designers de interiores

A Archademy, primeiro Market Network de Arquitetura e Design de Interiores do Brasil, abre inscrições para a edição do seu Archathon Electrolux 2022. O...

Gestão do Hopi Hari ganha na justiça e se mantém no parque

A gestão do Parque Temático Parque Hopi Hari acaba de obter decisão favorável, proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, para...

Bancos chineses registram compra líquida de divisas em 2021

Os bancos chineses registraram uma compra líquida de divisas em 2021, pois a taxa de câmbio do iuan permaneceu geralmente estável e os fluxos...

RNI: Plano de negócio tem o melhor resultado dos últimos 7 anos

Prévia do 4T21 da construtora e incorporadora RNI, do grupo Empresas Rodobens, indica resultados superiores aos últimos sete anos. A empresa, que completou 30...

Chile quer renacionalizar cobre e bens públicos estratégicos

A campanha pela renacionalização do cobre e dos bens públicos estratégicos entregues às transnacionais durante o governo de Augusto Pinochet (1973-1990) tem sido impulsionada...