Mais de 60% adquiriram ao menos um genérico em 12 meses

Estoque, Farmácia Popular, facilidade de estacionar e bom atendimento também pesam na escolha da farmácia.

O mercado farmacêutico vem em um contínuo caminho de crescimento em uma comparação dos resultados dos últimos 12 meses em um período finalizados em março de 2021 com o mesmo período do ano anterior, os resultados apontaram uma alta de 16,2% dos valores vendidos, segundo dados da IQVIA.

Para analisar esse mercado foi realizada a Pesquisa Sobre o Comportamento do Consumidor em Farmácias no Brasil – Edição 2021, aplicada pelo Instituto Febrafar de Pesquisa e Educação Corporativa (Ifepec) em parceria com a Unicamp e que entrevistou 4 mil consumidores de farmácias em todo o país.

A pesquisa analisou quais o comportamento e os tipos de medicamentos que são adquiridos pelos consumidores e apontou que, entre os entrevistados, o gasto médio de compra foi de R$ 54,01.

Segundo as respostas dos consumidores, 62,6% compraram pelo menos um genérico dentre os produtos adquiridos, desses 25% compraram apenas genéricos. Já em relação aos produtos de marcas, ele fez parte das compras de 63,9% dos consumidores e 24,4% compraram apenas esses produtos. Já os não medicamentos participaram de 23,4% das cestas de compras e apenas 4,6% compraram apenas essa categoria.

Dos entrevistados, 75,4% afirmaram escolher os estabelecimentos pelos preços e 14,9% apontaram a localização como fator importante para a escolha. Além desses fatores, foram considerados também: o estoque (5,1%), possuir atendimento da Farmácia Popular (2,4%), a facilidade de estacionar (0,9%) e o bom atendimento (1,1%).

Ainda segundo o Febrafar, os consumidores das farmácias priorizam os preços baixos e programas de fidelidade nas compras nestes estabelecimentos e alteraram alguns hábitos em função da pandemia. A pesquisa também apontou a grande importância dos preços para o público frequentador de farmácias. Isso se observa na resposta à pergunta sobre o principal fator para a escolha de uma farmácia, 75,4% dos entrevistados afirmaram que o preço foi primordial na decisão.

Um dado importante apresentado no material é em relação às pesquisas de preços por parte dos consumidores, 88,4% dos entrevistados afirmaram que não costumam realizar essa ação antes das compras, 8,7% afirmaram que não pesquisaram preços naquele dia específico, mas que costumam pesquisar, 1,8% afirmaram que pesquisaram naquele dia e 1,1 pesquisaram através da internet.

Os consumidores foram questionados se ocorreram alterações nos hábitos de compra de medicamentos, 75% dos entrevistados afirmaram que sim.

A principal mudança no comportamento dos consumidores, citada por 49,7% dos entrevistados, foi a redução de visita às farmácias. Resultado esperado devido às restrições de locomoção vigentes na época da pesquisa. Em contrapartida, 21% dos entrevistados afirmaram terem comprado mais por WhatsApp no período.

Em relação ao comportamento dos consumidores nas farmácias, a pesquisa apontou que 81% dos consumidores tinham adquiridos todos os medicamentos que queriam. Porém, do 19% que não adquiriram totalmente ou parcialmente os produtos que queriam, o principal motivo para essa ruptura foi a falta de estoque do produto na farmácia (70,6%) e 25,2% deixaram de comprar por questões financeiras.

Essa foi a quinta edição da pesquisa que busca uma análise do perfil de consumo e que desta vez também buscou analisar os reflexos da pandemia para os frequentadores de farmácias.

Leia também:

Novo mínimo: R$ 1.100. Não dá para comprar duas cestas básicas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Fux suspende decisão que tornava Eduardo Cunha elegível

Com isso, ex-presidente da Câmara não poderá se candidatar.

Em um ano, Brasil perdeu 1,2 milhão de empresas

Entre abril de 2021 e o de 2022, Ltdas. e S/As foram as que mais fecharam; MEIs, apesar da proliferação, caíram 7,2% no período.

Preço dos medicamentos recuou 0,74% em julho

Após avançar 1,32% em junho, queda mensal observada foi inferior à variação do IPCA/IBGE.

Últimas Notícias

Produtos verdes e inteligentes são destaques na Expo da Rota da Seda

Uma variedade de produtos verdes e produtos inteligentes estão em exibição na Sexta Exposição Internacional da Rota da Seda em Xi'an,na China.

Delta do Rio Yangtzé impulsiona integração por meio de digitalização

O Delta do Rio Yangtzé da China, um dos centros econômicos do país, está acelerando a sua transformação digital e fazendo novos progressos com base nas redes 5G.

Fux suspende decisão que tornava Eduardo Cunha elegível

Com isso, ex-presidente da Câmara não poderá se candidatar.

Em um ano, Brasil perdeu 1,2 milhão de empresas

Entre abril de 2021 e o de 2022, Ltdas. e S/As foram as que mais fecharam; MEIs, apesar da proliferação, caíram 7,2% no período.

Rio restabelece parte dos serviços hackeados

Sistemas fazendários continuam fora do ar.