Mais de 62 milhões de brasileiros possuem compras parceladas

Cartão de crédito foi a principal modalidade de crédito utilizada nos últimos 12 meses; 52% admitem não controlar gastos de compras parceladas.

Levantamento realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em parceria com o Sebrae, aponta que 39% dos consumidores entrevistados tinham prestações de compras no cartão de crédito, cartão de lojas, crediário ou cheque pré-datado a pagar no mês anterior à pesquisa, resultando na estimativa de 62,3 milhões de brasileiros com contas parceladas. Os resultados mostram que o percentual de consumidores que recorreram ao cartão de crédito no ano anterior ao estudo foi de 75%.

A pesquisa também indica que no mês anterior à coleta de dados, 14% pagaram ao menos uma parcela de empréstimo, sendo que o número médio de prestações pagas foi de 2,5. Além desses, 70% relatam que não tiveram parcelas vencendo naquele mês e 16% dizem não se lembrar. Com relação aos financiamentos, os números são parecidos: 71% não tiveram parcelas e 13% tiveram ao menos uma, enquanto 16% não souberam informar.

A forma preferida de parcelar compras da maioria dos entrevistados é através do cartão de crédito, citado por 71%. Em seguida, aparecem o crediário (6%) e o cartão de loja (6%). Menos de 1% dos entrevistados citou o cheque pré-datado.

Considerando os três meses anteriores à pesquisa, 45% dos respondentes afirmam que evitaram pelo menos alguma forma de crédito, o que representa uma queda de 15 pontos percentuais com relação a 2019 (60%), principalmente o cartão de crédito (21%) e o financiamento (16%). Entre os que evitaram fazer o pagamento de compras a crédito nos últimos três meses, os principais motivos são o medo de se desorganizar com os pagamentos e extrapolar o orçamento (49%), já ter muitos compromissos financeiros a pagar (46%) e ter dívidas em atraso (17%).

A opção pelo pagamento à vista ou a prazo, por meio de alguma forma de crédito, depende em grande medida do tipo de bem considerado. Para a maior parte dos bens e serviços considerados pela pesquisa, os consumidores demonstram preferência pelo pagamento à vista. No caso dos mantimentos e compras de supermercado, 67% dizem que na maioria das vezes quita na hora, sendo que 32% optam pelo cartão de débito; 20% usam o dinheiro e 10% recorrem ao vale refeição ou alimentação. O pagamento à vista também se destaca na maioria das vezes: nas compras de remédios (60%), sendo que 31% usam o cartão de débito e 25% usam dinheiro; nos serviços de beleza (65%), seja através de dinheiro (30%), de cartão de débito (20%) ou mesmo PIX (14%); e no pagamento de comida fora de casa (62%), sendo que 31% usam cartão de débito para esse consumo e 19% adotam o dinheiro.

Duas categorias de bens mostraram maior preferência pelo pagamento a prazo: é o caso de roupas e acessórios, que 52% dos consumidores preferem deixar para pagar utilizando crédito e eletroeletrônicos (60%).

Os dados da pesquisa mostram que quase a metade dos entrevistados (47%) realiza algum tipo de controle de parcelamentos das compras do cartão de crédito, crediário, empréstimos ou financiamentos. O modo mais frequente é no papel, agendas ou cadernos, meios citados por 24%. As planilhas apareceram em seguida, mencionadas por 14%, enquanto os aplicativos foram lembrados por 9%. Porém, cerca de metade dos respondentes (52%) não realiza um controle efetivo desses gastos, limitando-se a olhar a fatura (29%), alegando controle de cabeça (13%) ou mesmo admitindo nenhum tipo de controle (10%).

A pesquisa aponta os riscos da contratação de crédito pelo consumidor, já que 25% dos entrevistados admitem que foram negativados nos últimos 12 meses devido a compras parceladas não pagas. O principal vilão foi o cartão de crédito, citado por 19%, seguido do crediário (5%); dos empréstimos (4%); e dos financiamentos (3%). Outro risco apontado pela pesquisa é a compra por impulso, muitas vezes motivada pelo crédito fácil. Questionados sobre a compra de itens que não precisavam e não tinham planejado comprar, 46% admitiram que acabaram cedendo a essa tentação no mês anterior a pesquisa, justamente pela facilidade de crédito. Roupas, calçados e acessórios foram os principais alvos dessas compras, citados por 16%. As compras de supermercado apareceram em seguida, mencionadas por 11%. Cerca de metade (51%) respondeu que não comprou nada por impulso devido à facilidade de crédito.

Já o Indicador de Demanda do Consumidor por Crédito da Serasa Experian revelou que a busca pelo recurso financeiro teve alta de 14,2% no comparativo de setembro deste ano e o mesmo mês de 2020. Na análise anual, os consumidores de menor renda foram o que mais procuraram por crédito. Aqueles que recebem até R$ 500 por mês registraram alta de 21,3% e os que ganham de R$ 500 a R$ 1.000 cresceram 14,9%.

De acordo com o índice, o Nordeste foi um dos principais responsáveis pelo aumento, marcando 21,8%. Em sequência está o Norte, que registrou alta de 21,2%. As demais regiões brasileiras também apontaram crescimento. No Centro Oeste (15,3%), Sudeste (11,8%) e Sul (9,7%).

Leia também:

Intenção de consumo das famílias fica estável em outubro

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Atividade do comércio cai 1,2% em abril

Retração foi liderada pelo setor de Veículos, Motos e Peças, com baixa de 4,2%.

Gasolina registra terceira alta seguida e inicia maio a R$ 7,55

Etanol fecha o período a R$ 6,15, alta de 3,69% em relação a abril, e não registra recuo em nenhuma região do país.

Leme é o bairro com aluguel mais caro no Rio; em São Paulo, Itaim Bibi

Depois de quase dois anos, a taxa de imóveis vazios disponíveis para aluguel no Rio e à espera de um inquilino voltou ao patamar...

Últimas Notícias

Criação de mais um monopólio privado regional

Recurso de petroleiros contra decisão do Cade sobre venda da Reman

Restrição do Fed pode impulsionar a saída de capital dos países da AL

Sinalizou uma política monetária mais restritiva em meio às expectativas de inflações mais altas

Setores fortemente impactados com a pandemia reagem na Bolsa

Alta é influenciada pelo anúncio da reabertura gradual da China

China está confiante na recuperação econômica

Produção de carvão bruto, petróleo bruto e gás natural aumentou 10,7%, 4% e 4,7%, respectivamente, ano a ano

B3 lança fundo para investir em startups

Nova frente nasce com capital de R$ 600 milhões