Mais de 70% da população depende do SUS

Planos de saúde atendem quem ganha mais de 5 salários mínimos.

Os dados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) sobre 2019, divulgados pelo IBGE nesta sexta-feira, confirmam que a maioria absoluta da população depende do Sistema Único de Saúde (SUS) – criado pela Constituição de 1988 – para ter atendimento médico, hospitalar ou dentário.

A PNS 2019 revela aquilo que já vínhamos dizendo há tempos”, diz Elgiane Lago, secretária de Saúde da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB). “Acabar com o SUS significa deixar sem atendimento médico a maioria absoluta das brasileiras e brasileiros”.

A pesquisa mostra que 74% das pessoas não possuem plano médico de saúde, e somente 28,5% (59 milhões de pessoas) têm plano médico ou odontológico. Entre os 26% que têm plano médico, 46,2% eram titulares que pagavam os custos sem auxílio do patrão, enquanto 45,4% dependiam parcial ou integralmente do empregador para pagar os custos, “são trabalhadoras e trabalhadores que ainda têm carteira assinada”, acentua Elgiane.

Apenas 2,2% dos trabalhadores com rendimento mensal de até ¼ do salário mínimo tinham plano de saúde médico, enquanto entre os que ganham mais de cinco salários mínimos, 86,8% tinham plano. De acordo com a pesquisa, em 2019, 69,8% das pessoas procuraram atendimento em estabelecimentos públicos de saúde.

A PNS 2019 revela também a importância de mais investimentos em educação, porque as pessoas sem escolaridade ou com ensino fundamental incompleto representavam apenas 16,1% dos que tinham plano de saúde; por outro lado, 67,6% tinham ensino superior completo.

Além disso, no ano passado, mostra a PNS, 6,6% da população (13,7 milhões) ficaram internados em hospitais por 24 horas ou mais, sendo 64,6% (ou 8,9 milhões) no SUS e somente 35,4% em hospitais da rede privada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Dia dos Pais: shoppings preveem crescimento de 16% nas vendas

Setor deve movimentar R$ 4,4 bilhões entre os dias 8 e 14 de agosto.

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

São Paulo teve a cesta básica mais cara de julho: R$ 760,45

Já no Rio, custo da cesta na capital apresentou queda de 1,28% em relação a junho.

Últimas Notícias

Real pode se beneficiar da queda do dólar ante moedas emergentes

Em NY, os índices futuros acionários operam no positivo, assim como as principais Bolsas europeias; alta também na Ásia.

Dia dos Pais: shoppings preveem crescimento de 16% nas vendas

Setor deve movimentar R$ 4,4 bilhões entre os dias 8 e 14 de agosto.

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano