Mais de um terço das famílias relata queda da renda mensal

Estudo destaca comportamento das pessoas sobre gastos e dívidas no primeiro trimestre; mais impactados são famílias de menor renda.

Quatro em 10 brasileiros indicaram que a renda familiar diminuiu no primeiro trimestre de 2022; no entanto, muitos ainda estão otimistas com o potencial de ganhos futuros, com 71% indicando que esperam que sua renda aumente nos próximos 12 meses. É o que aponta estudo da TransUnion intitulado Consumer Pulse Study referentes ao período. O destaque é como as finanças pessoais das pessoas entrevistadas mudaram e quais são as expectativas para o futuro. Embora a pesquisa tenha mostrado algum otimismo em relação ao futuro financeiro de consumidores, isso foi afetado pelo impacto financeiro contínuo da pandemia que continua presente na população brasileira.

O estudo foi baseado em um levantamento de 1.056 pessoas adultas brasileiras, realizado entre 14 e 22 de fevereiro de 2022.

Percentual significativo de pessoas consumidoras vê queda em sua receita mensal; famílias de baixa renda ainda são as mais atingidas

No primeiro trimestre de 2022, enquanto 34% falaram que ela permaneceu a mesma e 26% citaram aumento. Os principais fatores de perda de receita foram o desemprego e a redução do salário. No entanto, houve algumas melhorias em relação ao trimestre anterior, com 24% da população dizendo que alguém em sua casa perdeu o emprego no primeiro trimestre, abaixo dos 32% dos últimos três meses de 2021, e ainda com 22% de brasileiros mencionando que alguém em sua família teve o salário reduzido, abaixo dos 29% no quarto trimestre de 2021. De forma encorajadora, 13% das pessoas entrevistadas indicaram que alguém em sua casa havia começado um novo negócio, além dos 11% que relataram um aumento salarial e 7% iniciaram um novo emprego no último mês.

Como visto em pesquisas anteriores, as famílias de menor renda (receita mensal inferior a R$ 1.000) continuaram sendo as mais impactadas, com mais da metade (53%) desse grupo indicando que a renda familiar havia diminuído no último trimestre. Isso se compara a 38% das famílias de classe média (receita mensal entre R$ 1.000 e R$ 5 mil) no mesmo tópico. Enquanto 35% das famílias de renda média-alta (receita mensal entre R$ 5 mil e R$ 10 mil) e 24% das pessoas de classe mais alta (acima de R$ 10 mil) reportam a diminuição de renda familiar no mesmo período.

Embora tenha havido uma leve melhora em relação ao trimestre anterior, a preocupação com a capacidade de pagar contas e empréstimos integralmente permaneceu alta. Com 77% de todas as pessoas consumidoras expressando atenção ao tema, abaixo dos 79% no quarto trimestre de 2021. Entre a população pesquisada que indicou que sua renda havia diminuído nos últimos três meses, 90% manifestaram apreensão para a realização do pagamento e 60% esperavam não conseguir pagar, integralmente, pelo menos uma de suas obrigações financeiras atuais.

Quase metade (49%) das pessoas pesquisadas esperavam reduzir suas despesas extras (como jantar fora, viagens, entretenimento, entre outros) para lidar com as mudanças orçamentárias. Além disso, 43% indicaram que diminuiriam as despesas com grandes compras, como eletrodomésticos e carros. Já 43% indicaram que gastariam menos em compras no varejo para itens como vestuário, eletrônicos e bens duráveis nos próximos três meses.

Além disso, 84% disseram que estão fazendo mudanças nos gastos devido à inflação, e 97% de todas as pessoas entrevistadas estavam pelo menos um pouco preocupados com a inflação. Além disso, mais da metade das pessoas pesquisadas (56%) indicou que o aumento das taxas de juros teve um grande impacto sobre a decisão de solicitar crédito nos próximos 12 meses, e outros 31% disseram terem tido um efeito moderado em seus planos de solicitar crédito. Para as pessoas que consideraram solicitar novos créditos ou refinanciamentos já existentes, mas decidiram não o fazer, a principal razão para abandonar seus planos foi acreditar que o custo seria muito alto.

Apesar dessas preocupações, 38% da população brasileira disse que solicitará um novo crédito ou refinanciamento nos próximos 12 meses, o que representa um aumento de três pontos percentuais em relação ao quarto trimestre de 2021. Dentro deste número, os Millennials (ou Geração Y, nascidos entre 1981 e 1995) e a Geração X (de 1965 a 1980) foram as gerações com maior intenção de buscar novos créditos, ambas com 42%, seguidas de perto pela Geração Z (de 1995 a 2010) com 40%. Já os Baby Boomers (nascidos entre 1946 e 1964) estão menos propensos do que as outras gerações a terem planos de pedir um novo crédito, com 30%.

Leia também:

Desemprego não cede e renda desaba quase 9%

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência

Comércio varejista tem prazo até 30 de junho de 2023 para continuar vendendo os produtos com a etiqueta antiga.

Mercado pet deve crescer 14% em 2022

Chile é o país que mais importou produtos pets brasileiros no primeiro trimestre; setor prevê novas exportações neste ano.

FGTS vira moeda do governo para movimentar a economia

Atualização monetária das contas do Fundo não acontece e trabalhador continua no prejuízo.

Últimas Notícias

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência

Comércio varejista tem prazo até 30 de junho de 2023 para continuar vendendo os produtos com a etiqueta antiga.

Mercado pet deve crescer 14% em 2022

Chile é o país que mais importou produtos pets brasileiros no primeiro trimestre; setor prevê novas exportações neste ano.

FGTS vira moeda do governo para movimentar a economia

Atualização monetária das contas do Fundo não acontece e trabalhador continua no prejuízo.

EUA: tiroteio em escola bate maior número em 20 anos

Segundo relatório, houve apenas 23 incidentes com vítimas fatais durante o ano letivo de 2000/2001.

Bebidas Online busca captar R$ 2 milhões com pessoas físicas

Com crescimento projetado de 19% para 2022, startup de delivery de bebidas usará recursos nas áreas de marketing, desenvolvimento de produtos e expansão do time