Mais firme

Pesquisa da Edelman mostra que a população deseja que os governos regulamentem mais (opção de 48% dos entrevistados). E 22% acham que deve ficar como está enquanto 19%, defende a redução da regulação. Por país, 37% dos estadunidenses acham que os governos deveriam regulamentar mais, opção de 54% dos argentinos, 52% dos brasileiros, 44% dos alemães, 47% dos franceses, 59% dos russos, 48% dos ingleses e – claro – 75% dos chineses.

Regular o quê, ou quem
A pesquisa parece estar em conflito com o Barômetro de Confiança 2012, da mesma Edelman, que mostra o maior declínio na confiança nos governos em todas as edições da enquete, realizada desde 2007. Mas é apenas uma primeira impressão. Olhando o Barômetro com mais calma, vê-se que a opinião captada da população em 25 países pesquisados caminha na direção do descrédito com os dirigentes das grandes corporações e na contínua perda de confiança no setor financeiro – entende-se então o que representa “mais regulação”.
A desconfiança nos governos cresceu especialmente entre os países mais desenvolvidos – examinando a situação dos EUA e da Europa, não é difícil entender porquê. Mas em grande queda está também a confiança nos líderes das empresas (CEOs), que voltou aos níveis de 2009. Por setores, as empresas de tecnologia são as mais “confiáveis” (79% dos entrevistados), enquanto na parte mais baixa da tabela estão bancos e serviços financeiros (47% e 45%, respectivamente). Em países como França, Alemanha e Espanha, a confiança no setor financeiro desabou de 2011 para 2012. De 52% para 20%, no primeiro; de 32% para 14%, no segundo. Entre os espanhóis, o índice caiu de 45% para 29%.

E, aí, Alckmin?
O deputado Ivan Valente (PSOL-SP) protocolou, quarta-feira, pedido de informações ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), sobre as denúncias de violações de direitos humanos praticadas pela PM na desocupação de Pinheirinhos. O parlamentar participou, esta semana, de audiência pública que lotou o plenário da Assembléia Legislativa de São Paulo que debate o tema.

Sustentável
As empresas e instituições que têm iniciativas sustentáveis em execução há três anos, no mínimo, podem se inscrever na edição nacional do Green Project Awards (GPA), uma certificação de reconhecimento internacional. A candidatura a uma das quatro categorias do prêmio deve ser feita pelo site www.gpabrasil.com.br/formularios/ até 30 de março. As indústrias podem indicar seus projetos na modalidade de produtos e serviços, nas áreas de desenvolvimento social, ambiental, economia e ética. O julgamento dos projetos nesta categoria caberá à Confederação Nacional da Indústria (CNI). As outras três são iniciativa jovem, pesquisa e desenvolvimento e campanha de mobilização.

Gestão
O Departamento de Sociologia e Política da PUC-RJ abriu inscrições para mais uma edição do mestrado latu sensu em Gestão Governamental e Avaliação de Políticas Sociais. As aulas têm início em 20 de março. “A proposta é refletir sobre a atuação governamental e elaboração, implementação e avaliação das políticas sociais, contribuindo para a formação e a atuação qualificada de gestores públicos, terceiro setor e empresas com ações em responsabilidade social”, explica o coordenador do curso, Ricardo Ismael.
As inscrições vão até 2 de março. Informações no endereço www.cce.puc rio.br ou pelo telefone 08009709556.

Antes que acabe
Ao participar da posse da nova diretoria da Associação de Engenheiros da Petrobras (Aepet), o engenheiro Ildo Sauer, professor da Universidade de São Paulo (USP), chamou a atenção para a importância de o Brasil investir desde já nas alternativas ao petróleo, mesmo que este recurso natural não acabe nas próximas décadas: “A idade da pedra não acabou por falta de pedra”, comparou.

Aquecimento gelado
Contrariando os que anunciam que o fim dos tempos virá pelo aquecimento global, esta semana, na Catalunha, na Espanha, 260 mil alunos tiveram as aulas suspensas devido à onda de frio que se abate sobre o país. A Espanha registra temperatura de até 14,5 graus negativos, a terceira menor desde 1956.

Artigo anteriorVale tudo
Próximo artigoVárias Europas
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Produção industrial de janeiro teve variação acima do esperado

Números foram em linha com o mercado, avançando 0,4% no mês, mas nota-se evidente perda de momento no índice ao longo dos últimos meses.

Volatilidade permanece com juros externos

Hoje é dia de encerramento em queda nos principais mercados da Ásia, Europa operando no campo negativo.

Preço do diesel avança pelo quarto mês consecutivo

Combustível ultrapassou R$ 4 em fevereiro e os dois tipos, comum e S-10, registraram valores acima de todos os meses de 2020.

Antítese da véspera

Ontem o dia foi completamente diferente da terça-feira, em que começamos o dia raivosos, suavizando mais tarde.

Rio fecha bares à noite e adota toque de recolher

Bares e restaurantes agora só podem funcionar das 6 às 17h; em SP, diretor do Butantan defende que estado seja colocado em fase mais restritiva.