Mais humildade

A insistência do presidente do Banco Central, Armínio Fraga, e do ministro Pedro Malan em impor condições a um futuro governo da oposição equivale a um retorno de Edward J. Smith, o comandante do Titanic, ao convés de um desses navios modernosos exigindo, aos berros, a perpetuação dos fundamentos do seu jeito de navegar. Com cerca de 80% do eleitorado tendo votado na oposição no primeiro turno, o melhor que Fraga, Malan e que tais têm a fazer é seguir o estilo oriental e pedir desculpas aos brasileiros pela desastrosa herança que deixam às próximas gerações.

Insegurança
A governadora eleita do Rio de Janeiro, Rosinha Matheus, deveria deixar de lado a idéia fixa de se demarcar do governo de Benedita da Silva. Além de demonstração de insegurança, a estratégia já está rendendo muita dor de cabeça à futura governadora. As declarações precipitadas sobre a devolução do dirigível e sobre a possibilidade de retirar os bloqueadores de celular do presídio de Bangu (esta depois desmentida) levam muitos moradores do estado – seus eleitores inclusive – a questionar se Rosinha quer melhorar a segurança do Rio ou voltar ao tempo em que os chefetes do tráfico circulavam impunemente por seus domínios.

Rebanho
Rosinha tem a quem puxar. Seu marido, Anthony Garotinho, repete a estratégia ao fazer seguidas exigências, ainda que mais tarde atenuadas, para apoiar o PT. “Cacifado” por mais de 15 milhões de votos, Garotinho passou a ser um político de projeção nacional; daí a conseguir transferir esses votos para Lula há uma distância maior do que a que separa Rio de Brasília. Acostumado a igrejas evangélicas, o ex-governador do Rio parece confundir eleitor com seguidor fiel. Mais ainda se levarmos em conta que ele teve o voto mais conservador, ligado a igrejas como a Assembléia de Deus e a Igreja Universal (do “bispo” Macedo). A tendência a ficar com o candidato da situação é grande entre esse público.

Barreira
Tal qual os Estados Unidos, que fazem freqüentes exigências ao Iraque e, apesar de aceitas por Saddam Hussein, insistem em atacar o país rico em petróleo de qualquer maneira, Garotinho parece estar apenas criando barreiras para justificar a falta de apoio a Lula, tal qual Janio de Freitas denunciou na sua coluna de sexta-feira. A eleição do candidato petista não é exatamente favorável às aspirações do ex-governador do Rio, que poderia ter melhor chance na futura eleição se o escolhido dia 27 fosse o tucano José Serra.

Caminhão de votos
A ousadia de Enéas, ao ser o deputado federal mais votado do Brasil, provocou a ira dos jornais conservadores – colunistas que fingem entender de política à frente. Os “donos do mundo” (como gosta de os classificar o colaborador do MM e ex-candidato do Prona a prefeito do Rio Marcos Coimbra) usam adjetivos, em vez de argumentos, que podem ser resumidos em três categorias:
Preconceito – mulato, franzino, careca, com óculos grandes e barba maior ainda, Enéas vai contra o padrão cultuado pelas elites;
Antinacionalismo – as teses nacionalistas defendidas pelo deputado eleito causam enjôo a essa parte da imprensa, que tenta desqualificá-las classificando-as como “ultrapassadas” ou “direitistas”;
Cinismo – defendem a mudança nas regras da eleição agora que o beneficiado foi alguém de fora do “sistema”; não se ouvia críticas quando a legislação ajudava a eleger algum bispo ou pastor ou um deputado que votasse contra os direitos dos trabalhadores.

Expert
Enéas, aliás, merece o título de doutor honoris causa de qualquer faculdade de marketing.

Fauna paulista
Em São Paulo, o boato também chegou na frente do fato. Abertas as urnas, o candidato a deputado federal pelo PV Boato teve 10.163 votos, ficando em 216º lugar na lista geral do estado, seis posições à frente de Gesofato, do PPB e que teve o apoio de 9.631 eleitores.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPurgação eleitoral
Próximo artigoRapidez súbita

Artigos Relacionados

R5, a nova onda dos Brics

Paulo Nogueira Batista Jr. defende impulso a uso de moedas nacionais nas relações do bloco.

SUS poderia ter salvado 338 mil norte-americanos

Assistência à saúde universal pouparia 1/3 das vidas na pandemia.

Ricaços da indústria foram poupados de perdas

Ações de empresas de tecnologia derreteram.

Últimas Notícias

Cruzeiros marítimos estão em busca do tempo perdido

O setor quer recuperar o tempo que a pandemia atrapalhou

Fundos de investimento: R$ 8 bi de captação líquida

Renda fixa foi o destaque do primeiro semestre

Petrobras faz oferta de recompra de títulos globais

Interessados têm prazo até 12 de julho

Inscrições para Prêmio de Inovação em Seguros da CNseg

Premiação acontecerá em dezembro para três categorias

Abavt apresenta propostas para Dpvat

Ministério da Economia cria grupo de trabalho para discutir solução