Malhação de Judas

Quase coincidiu com o Sábado de Aleluia. O vazamento que obrigou à divulgação oficial da delação da Odebrecht superfaturou a lista de candidatos a Judas, para a malhação que é tradicional. Pode-se escolher entre presidente e ex, ministros, senadores, deputados, governadores. Pode-se generalizar, de forma injusta, atacando os políticos em geral. Judiciário e Ministério Público ficaram de fora, mas só ingênuos acreditariam que empreiteiras também não atuam nas sombras junto a estas duas instituições.

Esta sexta é dia de penitência. Mas domingo vem a Ressurreição. Que inspire o Brasil. Feliz Páscoa para todos.

Naftalina

Manifesto assinado por algumas entidades do comércio, do serviço e da indústria revela uma visão retrógrada que, pensava-se, manuais de moderna administração haviam enterrado. Pior, revelam uma dificuldade de enxergar que a consolidação do mercado interno, a partir de distribuição de renda, permitirá a recuperação das vendas.

Para empresários que cobram de seus empregados “proatividade”, “atitude positiva”, “focar no resultado” e “performar”, o manifesto parece obra de quem “não acredita em si mesmo” e não encara a dificuldade como “um novo desafio”.

A carta aberta bate na tecla das reformas. Sobre a da Previdência, diz que a população envelhece, a taxa de natalidade cai, e que é “pura aritmética: se nada for feito, em breve nossos filhos e netos não terão direito a qualquer benefício”. Que tal “pensar fora da caixa” e estimular a formalização de empregos, acumulando contribuições previdenciárias das dezenas de milhões de trabalhadores que estão à margem do sistema?

Ao contrário, defendem a atualização da “velha CLT”. Propostas até aqui sobre a mesa só contribuem para reduzir os repasses à Previdência, indo de encontro ao que pretendem no parágrafo acima.

O final do manifesto é a única parte que mostra acerto, mas sem coerência com o restante: “Só com desenvolvimento econômico e criação de empregos teremos a redução da pobreza e os avanços sociais que tanto desejamos.”

200 por dia

Se não fizermos o que é necessário em relação ao trânsito no país, até 2020, um filho de cada família brasileira será enterrado. E nessa guerra não há vencedores”, protestou a deputada federal Christiane Yared (PR-PR), que cobrou mais atenção às políticas públicas para redução de acidentes no trânsito no Brasil.

Aqui nesta Casa, a grande maioria dos parlamentares demonstra a sua preocupação com a questão da morte de pessoas com febre amarela. Nós perdemos ontem um brasileiro exatamente por causa da febre amarela, mas perdemos ontem quase 200 brasileiros no trânsito, que não para de matar e de causar sequelas”, comparou, em discurso no Congresso.

Christiane perdeu o filho Gilmar Rafael Souza Yared em maio de 2009, vítima de um acidente provocado pelo então deputado estadual Fernando Ribas Carli Filho (PSB).

Privilégios

Na minha opinião, há três grupos privilegiados no Brasil: o grupo dos rentistas, que vivem de juros e recebem quase 7% do PIB, quando deviam receber no máximo 2%. Tem 4%, 5% do PIB, uma barbaridade de dinheiro, que é roubado do patrimônio público e entregue a rentistas e financistas. O segundo grupo é o dos altos burocratas, que têm salários altos demais e aposentadorias excessivas. E o terceiro é o grupo dos interesses estrangeiros, porque tudo é feito aqui no Brasil em função dos interesses estrangeiros, e vamos nos transformando aos poucos em meros empregados dos países ricos”, acusou o ex-ministro Bresser Pereira.

Cobiça internacional

Ameaça à Soberania Nacional é a palestra que o geólogo Lynce Navieira fará dia 18, no Clube de Engenharia. Ex-diretor técnico da Schelita Mineração, trabalhou quase dez anos em pesquisa na região Amazônica, talvez a província mineral mais rica do mundo. O evento começa às 18h. O Clube fica na Av. Rio Branco, 124, 22º andar, Rio, RJ.

Rápidas

De 18 a 20 de abril, a Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Portugal, sediará a quinta edição do Seminário Luso-Brasileiro de Direito, realizada em parceria com o Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP) e a Fundação Getulio Vargas. Entre os participantes, o já arroz de festa João Doria, o idem Gilmar Mendes, seu colega Dias Toffoli, entre outros *** A mesa-redonda “As questões climáticas e os impactos nos negócios de energia”, que a FGV Energia realiza dia 19, reunirá especialistas como Marcio Cataldi (UFF) e José Roberto Moreira (USP). O evento acontecerá no auditório sede da FGV, em Botafogo. Informações: http://www.fgv.br/eventos/?P_EVENTO=3138&P_IDIOMA=0 *** Estão abertas as inscrições para o Edital de Inovação para Indústria da Fiesp, de apoio ao desenvolvimento de ideias inovadoras, com investimento de R$ 53,6 milhões. Informações em www.sp.senai.br/noticias/27/11357/edital-de-inovacao-para-industria-seleciona-projetos-inovadores-de-empresas-de-todos-os-portes.html#sthash.wArgvbL4.dpuf

Artigo anteriorFratura consolidada
Próximo artigoPetróleo forte em 2040
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Chile, Paraguai, Colômbia… e o Brasil?

Crises políticas e sociais nos países vizinhos acendem alerta.

Na pandemia, BNDES vendeu ações que agora valem o dobro

Em nove meses, banco perdeu R$ 8 bi só em 1 operação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Conteúdo online voltado para o ensino e para ganhar dinheiro

Cada vez é mais possível aproveitar o conteúdo online para avanços desde a fluência do inglês das crianças a até aprender a operar como trader na bolsa.

Queda de faturamento atinge 82% dos MEI

Em Minas, 60% dos microempreendedores individuais formalizados na pandemia abriram o negócio por oportunidade.

Inflação oficial fica em 0,31% em abril

Grupo com alta relevante no mês foi alimentação e bebidas (0,40%), devido ao comportamento de alguns itens.

Manhã de hoje é negativa em quase todo o mundo

Em Nova Iorque, Dow Jones e S&P futuros cediam 0,10% e 1,04%, respectivamente.

Projeção da Selic é de 5% no final deste ano

Para o ano que vem, analista projeta 6,5%, dado o alerta do Copom sobre o ritmo de normalização após reunião de junho.