Manias

Centenas de investidores subscrevendo ações; seis vezes mais ofertas de compra do que papéis à venda; preço das ações subindo 10% em poucas horas; companhias recém-fundadas obtendo milhões em poucas horas. Não é, como pode parecer à primeira vista, uma descrição do movimento da Nasdaq em plena euforia, como em 10 de março do ano passado, quando o cassino eletrônico atingiu seu pico de 5.048,62 pontos (ontem fechou em 2.014,65 pontos). As cenas relatadas no início do parágrafo aconteceram entre 1716 e 1720, em Paris e Londres, em duas das “bolhas especulativas” mais famosas da História. Não foram as primeiras, porém. Charles Poor Kindleberger, professor e historiador econômico, em seu livro mais famoso, Manias, Pânico e Crashes, relata que a primeira crise financeira ocorreu entre 1618 e 1623, no Sacro Império Romano, seguida pela “Mania das Tulipas” (1636-37), na Holanda.
Esta coluna não quer se transformar em aula de História, mas vai lembrar, ao longo da semana, fatos pitorescos que mostram a que ponto chega a cegueira daqueles que acham que se pode criar riqueza do nada. Fatos como o da nota abaixo.
Pontocom
O sucesso inicial da Companhia dos Mares do Sul, que tomou conta de Londres em 1719, motivou o surgimento de novas companhias acionárias, que pipocavam como “bolhas”. A Exchange Alley, centro do comércio financeiro londrino, se viu tomado por multidões que disputavam os lançamentos de ações (os IPOs da época) a ponto de um banqueiro holandês observar que a rua se assemelhava a algo como que “quase todos os lunáticos tivessem escapado do hospício de uma só vez”. No auge da especulação, surgiu – e angariou milhões de libras esterlinas – uma companhia que planejava construir o moto perpétuo. Outra, também de grande sucesso, tinha um nome sugestivo: Companhia para Lançar um Empreendimento de Grande Vantagem, mas Ninguém Sabe o que É.

Intactos
O Congresso Nacional precisa disciplinar, o mais breve possível, o financiamento público de campanha e a fidelidade partidária, defendeu o senador Amir Lando (PMDB-RO). Projeto do senador regulamentando o financiamento público está paralisado no Congresso Nacional desde 1992, quando ele relatou a CPI do PC Farias. Ao lembrar a idéia implícita de corrupção montada no Governo Fernando Collor de Mello, o senador desabafou: “A justificativa e a realidade são muito conhecidas; rouba-se para se eleger e se elegendo rouba-se, porque a eleição está ganha e aí é preciso pagar as dívidas”. E acrescentou: “Aquele esquema não foi único, nem exclusivo; os mecanismos estão aí, intactos, e uma minoria que detém as rédeas do poder se locupleta sempre que pode, e quase sempre pode”. O senador reiterou a necessidade da criação de um sistema eleitoral “capaz de evitar o tanto quanto possível essa interferência de interesses que comprometem o processo eleitoral”. Citou os principais: empreiteiras, sistema financeiro e prestadores de serviços diversos.

Garantia
O contrato para os projetos das usinas termelétricas previstas para o Estado do Rio de Janeiro será assinado hoje, na Secretaria estadual de Energia, Indústria Naval e Petróleo, entre a Petrobras (Gaspetro) e a CEG, que garantirá o fornecimento de gás. Participam do evento o secretário Wagner Victer, o diretor de energia da Petrobras, Delcídio do Amaral Gomez, e o presidente da CEG e CEG Rio, Andrés Membrillo Bonilla. “Este é um passo decisivo para a consolidação do parque de geração de energia do estado, que já possui nove projetos de termogeração em desenvolvimento. Sendo assim, reduziremos a possibilidade de racionamento, pois pelos menos dois projetos entrarão em operação ainda neste ano”, comentou Victer.

Mundo real
As novas rebeliões nos presídios paulistas e as explosões de violência em áreas carentes do estado dissiparam, antes mesmo da missa de sétimo dia de Mário Covas, a cortina cor de rosa com que a mídia “chapa branca” esforçou-se em colorir as conseqüências do desastroso ajuste fiscal promovido pelo tucano.

Cortes
“Foram os ingleses que forçaram o encerramento do programa europeu de vacinação contra a febre aftosa e vejam onde estamos agora.” O desabafo foi feito por um inspetor veterinário belga e publicado no respeitado jornal londrino The Guardian, no final do mês passado. Os cortes orçamentários e a desregulamentação reduziram drasticamente programas de imunização e de controle sanitário, especialmente na Inglaterra durante o Governo Thatcher. Esses cortes, sem dúvida, contribuíram para as epidemias na Europa, que começaram justamente em animais ingleses.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAdiado
Próximo artigoCorcunda

Artigos Relacionados

Deputado bolsonarista: servidor não pode ser sacrificado

‘Sociedade acha que não é o momento da reforma administrativa’.

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Prorrogação da concessão sem pagamento de outorga.

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Últimas Notícias

Pitch Night Mulheres no Comando

Grupo de mulheres investidoras anjo autofinancia startup de tecnologia lideradas por elas mesmas.

Limite de R$ 1 mil para saques entre 20 h e 6h deve dividir opiniões

Crescimento de golpes obriga BC a adotar medidas restritivas Na tentativa de evitar fraudes, o Banco Central adotou esta semana duas medidas restritivas: limite de...

Brasileiros começam a descobrir a Mesa proprietária

No Brasil o conceito ainda é desconhecido para a maioria das pessoas, mas é possível ganhar dinheiro trabalhando como trader no mercado financeiro e...

China: US$ 1,47 tri em aeronaves nos próximos 20 anos

O mercado de aviação da China criará uma demanda de novas aeronaves comerciais avaliada em US$ 1,47 trilhão nos próximos 20 anos, informou uma...

Cerca de 51% das ações ordinárias da ES Gás serão vendidas

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o governo do Estado do Espírito Santo e a Vibra Energia (antiga BR Distribuidora) assinaram,...