Manifestações na Europa crescem contra novas medidas de restrição

Número de mortes por coronavírus aumenta, mas população resiste a novo ‘lockdown’.

Internacional / 20:45 - 18 de nov de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Milhares de alemães fizeram ruidosa manifestação nesta quarta-feira, no Centro de Berlim, para protestar contra os planos da chanceler Angela Merkel de atribuir a seu governo poderes para impor restrições destinadas a conter a disseminação do coronavírus.

O protesto na Alemanha se soma a outras manifestações de descontentamento contra a possível volta da quarentena, com restrições à movimentação. Atos aconteceram na Itália, França e Reino Unido nas últimas semanas, depois que o aumento do número de casos de Covid-19 levou governos a voltarem a pensar no lockdown.

A Itália registrou nesta quarta-feira 753 mortes relacionadas à doença e vê novamente a falta de recursos – humanos e materiais – nos centros de tratamento intensivo.

Embora a maioria dos alemães aceite o mais recente lockdown para enfrentar uma segunda onda do coronavírus, críticos dizem que a lei dá ao governo muito poder e põe em risco os direitos civis dos cidadãos sem a aprovação do Parlamento.

A Alemanha, maior economia da Europa, foi amplamente elogiada por manter as taxas de infecção e mortalidade abaixo das de muitos de seus vizinhos na primeira fase da crise, mas agora está no meio de uma segunda onda, como grande parte da Europa.

O número de casos de coronavírus aumentou em 17.561, subindo para 833.307, mostraram dados do Instituto Robert Koch nesta quarta-feira. O número de mortos é de 13.119.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor