Mapa da mina

Ao prever que a reeleição de Lula é quase favas contadas, o jornalista Carlos Heitor Cony, definiu, na sua coluna de terça-feira, na Folha de São Paulo, como seria o perfil da sua segunda presidência: “Um ditador eleito democraticamente e aceitando críticas, esculhambações até do Ronaldo, e contestações, mas confiante em que o povão o aprova e o admira pelo que é e pelo que não é. Um ditador que achou o mapa da mina: torça pelo Corinthians, beba sua pinga, fale mal dos ricos e deixe o país se danar.”

Otimismo latino
A primeira edição do Latin America Business Monitor (LABM), pesquisa feita com 500 executivos de pequenas e médias empresas para a companhia de entregas expressas UPS, identificando as oportunidades e os desafios para os negócios da região, mostra um quadro otimista para 2006 e 2007. Aproximadamente três quartos (72%) dizem que o crescimento do Brasil será o mais expressivo e existe expectativa de prosperidade para a Argentina (65%) e o Chile (64%). O estudo também relata que 96% dos participantes pesquisados acreditam que o Lazer & Turismo, assim como TI & Telecomunicações, serão os dois setores com o maior impacto na América Latina nos próximos anos. A construção também seria destaque, de acordo com 94% das pequenas e médias empresas da região e aproximadamente 99% dos entrevistados brasileiros.

Empregadores
Em relação às suas próprias empresas, os líderes empresariais são ainda mais entusiasmados. Ampla maioria (74%) afirma que as tendências de crescimento em suas companhias nos últimos 12 meses se repetirão no próximo ano. Mais da metade (53%) relatam planos de contratar mais funcionários. No Brasil, 76% dos entrevistados dizem acreditar que a situação de sua empresa melhorará nesse período.
A pesquisa foi realizada em cinco países latino-americanos (Brasil, México, Argentina, Costa Rica e República Dominicana); em companhias com menos de 200 trabalhadores; 60% das empresas pesquisadas são exportadoras. Segundo a UPS, esse tipo de empresa é responsável por aproximadamente 20% a 40% dos empregos gerados na região.

Meca
Os executivos entrevistados pelo LABM da UPS também prevêem um aumento no comércio internacional: 72% esperam um crescimento comercial com a China, seguido de perto pela Europa (68%) e, em menor escala, pelos Estados Unidos (65%) e pelo restante da América Latina (61%). A maior parte dos empresários brasileiros entrevistados (65%) espera aumentar seu comércio com a China.
A implementação de acordos de livre comércio dentro da América Latina é considerada importante para sustentar a prosperidade econômica da região, de acordo com 92% dos líderes empresariais entrevistados. Enquanto um número significativamente menor (83%) indica a necessidade de pactos similares entre a região e os Estados Unidos.

Copa
Oito em cada dez empresas disseram que vão permitir que seus funcionários acompanhem as partidas mais importantes da Copa do Mundo. Quase dois terços (61%) disseram que instalariam aparelhos de TV no escritório e um terço (32%) permitirão que os empregados acompanhem os jogos pela Internet ou pelo rádio durante o expediente. E a maioria dos executivos entrevistados (54%) crava o Brasil como favorito à taça do mundo.

Mais baratos
Reduzir os preços das matérias-primas para a produção de anti-retrovirais (ARV) e dos próprios medicamentos para tratamento da Aids é o objetivo de acordo entre o Ministério da Saúde e a Fundação Clinton, assinado ano passado e que será ratificado nesta sexta-feira, quando o diretor da Farmanguinhos – fábrica de medicamentos da Fiocruz – Eduardo de Azeredo Costa participa de rodada de discussões acerca do fornecimento internacional de drogas contra a Aids. A fundação dará apoio técnico ao governo brasileiro. O acordo também prevê que o Brasil poderá adquirir testes de diagnóstico e de monitoramento.

Ponto de leitura
A Câmara de Vereadores de Fortaleza aprovou, por unanimidade, esta semana, projeto propondo a criação do programa “Terminal de Leitura”, que consistiria no funcionamento de bibliotecas nos terminais de ônibus da cidade, em espaço reservado e climatizado, com acervo de livros e monitores para orientar o público. Como a Câmara não tem poder para legislar sobre a matéria, para ele seja efetivado precisa ser sancionado pela prefeita Luizianne Lins (PT) para entrar em vigor.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSó para cima
Próximo artigoVerdadeiro “Eixo do mal”

Artigos Relacionados

Suíça é ponte para exportações à Rússia

Vendas do País que lava mais branco aos russos cresceram mais de 80% desde fevereiro.

Homens pintam melhor que mulheres?

Não, mas recebem 10 vezes mais por obra.

Rio tem opções de áreas para termelétricas

Estado tem as melhores características na Região Sudeste, diz Wagner Victer.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.