Maquiagem

No apagar das luzes do governo, começa a vir à tona muita coisa errada. Não custa nada o Ministério Público exigir do Banco Central explicações sobre o desaparecimento de US$ 30 bilhões da dívida externa. Tudo indica que algo em torno de US$ 10 bilhões daquele montante referem-se a títulos da dívida externa das carteiras do Banco do Brasil e do próprio BC (camuflados em reservas cambiais) que forma nacionalizados e convertidos pelo governo em Notas do Tesouro Nacional (NTN) em troca dos créditos podres adquiridos das carteiras da CEF, Banco da Amazônia, Banco do Nordeste e do BNDES. Esses créditos foram repassados à Empresa Gestora de Ativos (Emgea), criada pela União com base no Programa de Fortalecimento das Instituições Financeiras Federais (Medida Provisória 2.196-3, de 24/08/2001).

Maquiagem – 2
O Ministério Público deveria exigir das instituições financeiras federais beneficiadas e da Emgea, na qualidade de compradora de “ativos podres”, que informassem ao público e à Receita Federal o nome (caloteiros beneficiados), o valor das dívidas e o CGC dos devedores contemplados pelo referido Programa de Fortalecimento. É bom lembrar que o processo de conversão da dívida para comprar os créditos podres só serve para onerar o contribuinte (aumento de impostos) e pressionar os meios de pagamento com reflexos diretos sobre a taxa de juros.

Quem dá mais
O mercado de comércio de carbono pode atingir US$ 20 bilhões/anuais. A projeção foi apresentada em reunião da Comissão de Meio Ambiente da Câmara de Comércio França-Brasil (CCFB). Atualmente, o carbono é negociado entre US$ 5 a US$ 10 a tonelada. As previsões para o aumento do preço do produto, porém, são extremamente disparatadas, variando de US$ 75 a US$ 305 a tonelada. A CCFB reúne cerca de 700 empresas no Brasil, que empregam 150 mil funcionários e faturam aproximadamente US$ 25 bilhões/ ano.

Estelionato eleitoral
A pretensão da Fiesp de cobrar de um virtual governo do PT uma coalização com o PSDB lembra aquela famosa história sobre Garrincha, que, depois de ouvir as instruções do treinador, perguntou-lhe se já tinha combinado com o adversário. Neste caso, com o eleitorado, que, em sua esmagadora maioria, ao votar em Lula deseja ver os tucanos pelas costas. Aliás, se quisessem manter o PSDB no poder, os eleitores votariam em José Serra.

Hora da verdade
A proximidade das eleições mostra que as pesquisas divulgadas três ou mais meses atrás pouco têm a ver com a realidade das urnas. Em São Paulo, por exemplo, Maluf periga ficar fora do segundo turno, suplantado por José Genoíno, do PT, que até poucas semanas atrás não chegava a dois dígitos nas pesquisas. Ainda em São Paulo, a reeleição dada como certa do senador Romeu Tuma já entrou para a lista das dúvidas: Mercadante já ultrapassou o ex-diretor geral da Polícia Federal e Quércia está no encalço.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAtentado
Próximo artigoAmigo dos amigos

Artigos Relacionados

Não, a Petrobras não quebrou

Na época em que os preços dos combustíveis não eram descontrolados, caixa da estatal era superior ao atual.

Hood Robin e o ICMS nos combustíveis

Reduzir impostos tira da sociedade para dar a poderosos.

Governo sabota emprego doméstico

Desconto no Imposto de Renda, que acabou, incentivava a assinatura da carteira.

Últimas Notícias

O cenário da construção civil para 2022

Por Victor Gomes.

Sai edital da primeira desestatização de portos no país

Em Vitória a capacidade de movimentação portuária é de 7 milhões de toneladas

‘Olhos de Água’, romance delicado e apaixonante

Por Paulo Alonso.

CoronaVac é incluída no plano de vacinação para crianças

Governo vai pedir informações a estados para saber quantas doses vão precisar

Receita abre segunda-feira consulta a lote residual do IR

Total das restituições atinge R$ 281,9 milhões