Maquiagem

No apagar das luzes do governo, começa a vir à tona muita coisa errada. Não custa nada o Ministério Público exigir do Banco Central explicações sobre o desaparecimento de US$ 30 bilhões da dívida externa. Tudo indica que algo em torno de US$ 10 bilhões daquele montante referem-se a títulos da dívida externa das carteiras do Banco do Brasil e do próprio BC (camuflados em reservas cambiais) que forma nacionalizados e convertidos pelo governo em Notas do Tesouro Nacional (NTN) em troca dos créditos podres adquiridos das carteiras da CEF, Banco da Amazônia, Banco do Nordeste e do BNDES. Esses créditos foram repassados à Empresa Gestora de Ativos (Emgea), criada pela União com base no Programa de Fortalecimento das Instituições Financeiras Federais (Medida Provisória 2.196-3, de 24/08/2001).

Maquiagem – 2
O Ministério Público deveria exigir das instituições financeiras federais beneficiadas e da Emgea, na qualidade de compradora de “ativos podres”, que informassem ao público e à Receita Federal o nome (caloteiros beneficiados), o valor das dívidas e o CGC dos devedores contemplados pelo referido Programa de Fortalecimento. É bom lembrar que o processo de conversão da dívida para comprar os créditos podres só serve para onerar o contribuinte (aumento de impostos) e pressionar os meios de pagamento com reflexos diretos sobre a taxa de juros.

Quem dá mais
O mercado de comércio de carbono pode atingir US$ 20 bilhões/anuais. A projeção foi apresentada em reunião da Comissão de Meio Ambiente da Câmara de Comércio França-Brasil (CCFB). Atualmente, o carbono é negociado entre US$ 5 a US$ 10 a tonelada. As previsões para o aumento do preço do produto, porém, são extremamente disparatadas, variando de US$ 75 a US$ 305 a tonelada. A CCFB reúne cerca de 700 empresas no Brasil, que empregam 150 mil funcionários e faturam aproximadamente US$ 25 bilhões/ ano.

Estelionato eleitoral
A pretensão da Fiesp de cobrar de um virtual governo do PT uma coalização com o PSDB lembra aquela famosa história sobre Garrincha, que, depois de ouvir as instruções do treinador, perguntou-lhe se já tinha combinado com o adversário. Neste caso, com o eleitorado, que, em sua esmagadora maioria, ao votar em Lula deseja ver os tucanos pelas costas. Aliás, se quisessem manter o PSDB no poder, os eleitores votariam em José Serra.

Hora da verdade
A proximidade das eleições mostra que as pesquisas divulgadas três ou mais meses atrás pouco têm a ver com a realidade das urnas. Em São Paulo, por exemplo, Maluf periga ficar fora do segundo turno, suplantado por José Genoíno, do PT, que até poucas semanas atrás não chegava a dois dígitos nas pesquisas. Ainda em São Paulo, a reeleição dada como certa do senador Romeu Tuma já entrou para a lista das dúvidas: Mercadante já ultrapassou o ex-diretor geral da Polícia Federal e Quércia está no encalço.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAtentado
Próximo artigoAmigo dos amigos

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

Eve desenvolverá modelo de operação de Mobilidade Aérea Urbana

A Eve Urban Air Mobility, empresa da Embraer, e a Bristow Group Inc. (NYSE: VTOL), líder mundial em soluções de voo vertical, anunciaram, nesta...

China: Ampliar apoio à energia verde agrada banco de investimento

O Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (BAII) declarou que dá as boas-vindas ao anúncio da China de aumentar o apoio à energia verde...

XP: Preços de ativos podem sofrer na atual turbulência de mercado

Um dia depois do aumento de 1 ponto percentual da taxa básica de juros, a Selic (agora em 6,25% ao ano), pelo Comitê de...

Projetos de energias renováveis em substituição ao uso do diesel

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Eletrobras firmaram um Pacto de Energia para atuarem conjuntamente na busca de soluções...

Proposta atualiza regulamentação sobre as cooperativas de crédito

Texto em análise na Câmara dos Deputados promove uma série de modificações na Lei do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC), abordando o Projeto...