Maquiagem

No apagar das luzes do governo, começa a vir à tona muita coisa errada. Não custa nada o Ministério Público exigir do Banco Central explicações sobre o desaparecimento de US$ 30 bilhões da dívida externa. Tudo indica que algo em torno de US$ 10 bilhões daquele montante referem-se a títulos da dívida externa das carteiras do Banco do Brasil e do próprio BC (camuflados em reservas cambiais) que forma nacionalizados e convertidos pelo governo em Notas do Tesouro Nacional (NTN) em troca dos créditos podres adquiridos das carteiras da CEF, Banco da Amazônia, Banco do Nordeste e do BNDES. Esses créditos foram repassados à Empresa Gestora de Ativos (Emgea), criada pela União com base no Programa de Fortalecimento das Instituições Financeiras Federais (Medida Provisória 2.196-3, de 24/08/2001).

Maquiagem – 2
O Ministério Público deveria exigir das instituições financeiras federais beneficiadas e da Emgea, na qualidade de compradora de “ativos podres”, que informassem ao público e à Receita Federal o nome (caloteiros beneficiados), o valor das dívidas e o CGC dos devedores contemplados pelo referido Programa de Fortalecimento. É bom lembrar que o processo de conversão da dívida para comprar os créditos podres só serve para onerar o contribuinte (aumento de impostos) e pressionar os meios de pagamento com reflexos diretos sobre a taxa de juros.

Quem dá mais
O mercado de comércio de carbono pode atingir US$ 20 bilhões/anuais. A projeção foi apresentada em reunião da Comissão de Meio Ambiente da Câmara de Comércio França-Brasil (CCFB). Atualmente, o carbono é negociado entre US$ 5 a US$ 10 a tonelada. As previsões para o aumento do preço do produto, porém, são extremamente disparatadas, variando de US$ 75 a US$ 305 a tonelada. A CCFB reúne cerca de 700 empresas no Brasil, que empregam 150 mil funcionários e faturam aproximadamente US$ 25 bilhões/ ano.

Estelionato eleitoral
A pretensão da Fiesp de cobrar de um virtual governo do PT uma coalização com o PSDB lembra aquela famosa história sobre Garrincha, que, depois de ouvir as instruções do treinador, perguntou-lhe se já tinha combinado com o adversário. Neste caso, com o eleitorado, que, em sua esmagadora maioria, ao votar em Lula deseja ver os tucanos pelas costas. Aliás, se quisessem manter o PSDB no poder, os eleitores votariam em José Serra.

Hora da verdade
A proximidade das eleições mostra que as pesquisas divulgadas três ou mais meses atrás pouco têm a ver com a realidade das urnas. Em São Paulo, por exemplo, Maluf periga ficar fora do segundo turno, suplantado por José Genoíno, do PT, que até poucas semanas atrás não chegava a dois dígitos nas pesquisas. Ainda em São Paulo, a reeleição dada como certa do senador Romeu Tuma já entrou para a lista das dúvidas: Mercadante já ultrapassou o ex-diretor geral da Polícia Federal e Quércia está no encalço.

Artigo anteriorAtentado
Próximo artigoAmigo dos amigos
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Na pandemia, BNDES vendeu ações que agora valem o dobro

Em nove meses, banco perdeu R$ 8 bi só em 1 operação.

Desigualdade, Big Tech e EUA são maiores ameaças à democracia

7 em 10 chineses avaliam que seu país vai bem na questão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Inflação oficial fica em 0,31% em abril

Grupo com alta relevante no mês foi alimentação e bebidas (0,40%), devido ao comportamento de alguns itens.

Manhã de hoje é negativa em quase todo o mundo

Em Nova Iorque, Dow Jones e S&P futuros cediam 0,10% e 1,04%, respectivamente.

Projeção da Selic é de 5% no final deste ano

Para o ano que vem, analista projeta 6,5%, dado o alerta do Copom sobre o ritmo de normalização após reunião de junho.

Dia começando ruim nos mercados globais

Ontem, os mercados abertos na parte da tarde desaceleraram, com o Dow Jones fechando em queda de 0,10%.

Shoppings: menos sacolas e mais entretenimento e serviços

Shopping não será mais um destino de aquisição de produtos e sim uma nova forma de usufruir dos serviços.