‘Maracanazo’

Michel Temer incorre em sério erro se tentar varrer para debaixo do tapete as crescentes manifestações contra sua chegada ao poder. Pior ainda será se acreditar na ficção criada por alguns jornalistas de que houve vaias e aplausos no Maracanã, na abertura dos Jogos Paralímpicos, nesta quarta-feira. Ele estava lá, e viu que mais de 50 mil brasileiros interromperam o discurso de Carlos Arthur Nuzman quando este falou em Governo Federal – as vaias e os gritos de “Fora Temer” deixaram o presidente do Comitê Organizador dos Jogos calado por um minuto. Aplausos, só da primeira-dama Marcela, do “meu garoto” Rodrigo Maia, do sogrão Moreira Franco…

Temer já deve ter aprendido que menosprezar a insatisfação contra seu governo é um bumerangue: falou em “40 manifestantes” e colheu 100 mil; seu ministro viu apenas “uns 18” no protesto durante o desfile em Brasília e acabou soterrado por 500 mil na Marcha dos Excluídos e na quase unanimidade do Maracanã.

Com uma impopularidade similar à de Dilma Rousseff – isto antes de começar a mutilação na previdência e na CLT – Temer já deve ter percebido que não conseguirá seguir apenas com o apoio da Avenida Paulista. Sem legitimidade dos votos, ele terá que buscar diálogo com outros setores da sociedade. Isso implica desistir da política arrasa quarteirão que tentam lhe impor, tal qual incendiários combatendo fogo com gasolina. Se a economia e o emprego não melhorarem, não há mídia amiga que salve.

Desrespeito – 1

Michel Temer e senhora perderam mais da metade da entrada das delegações de atletas paralímpicos. O que se diz é que o presidente estava conchavando nos bastidores (não houve explicação oficial). O mínimo que se pode esperar é que a autoridade – ainda que contestada pelos espectadores no estádio – prestigiasse o evento e seus participantes.

Desrespeito – 2

Apenas SporTV e Canal Brasil transmitiram a abertura das Paralimpíadas. As demais emissoras poderiam tirar seu compromisso social do papel e dedicar aos paralímpicos pelo menos 10% do tempo e esforço que empregaram nas Olimpíadas.

Conselho do chefe

Merval Pereira – que viu nos minguados aplausos da Tribuna de Honra no Maracanã um apoio à “solução constitucional” (como ele considera o empoderamento de Temer) – poderia seguir o conselho de Roberto Marinho: “Matéria você não deturpa, melhor omiti-la.”

Acumulá-lo-ia

A palavra construção no latim significa erguer pelo acúmulo. Peço, então, esforço para edificarmos uma nova realidade para o nosso país”, disse, quando ainda interino, Michel Temer. Por enquanto, pouca construção e acúmulo de vaias. O caminho não é esse.

Delação

Levantamento realizado pela consultoria ICTS aponta que a Lei Anticorrupção e a Operação Lava Jato incentivaram o relato de irregularidades, com impactos positivos aos negócios. Em 2014, na primeira versão do estudo, a amostra da pesquisa envolveu 88 companhias, que apresentaram, naquele ano, uma taxa média de 15,3 denúncias por mês por empresa. Em 2016, este mesmo grupo apresentou uma taxa média de 22,3 denúncias por mês por empresa, um incremento de 45,7%.

A principal motivação dos relatos é ainda de cunho pessoal. Em relação ao tipo de situação denunciada, 44,3% refere-se a delações relativas a relacionamento interpessoal. Dentro desta fatia, as práticas abusivas ligadas a assédio moral, sexual, agressão física, discriminação ou preconceito apresentam-se como mais recorrentes, equivalendo a 27,8% das denúncias. Delação de ilícitos e de má intenção somam 32,8%. Situações como violações às leis, favorecimento ou conflito de interesses, fraude, roubo, furto ou desvios de materiais representam 28,1%.

Mensalão

O artigo publicado por Mario Sabino chega a ser cômico de tão ruim, mas o título é preciso: “A propaganda governamental é o mensalão da imprensa”

Rápidas

Os avanços e desafios da contabilidade estarão no Congresso Brasileiro de Contabilidade, que será inaugurado neste domingo, no Centro de Eventos Ceará, em Fortaleza *** Será neste sábado a Feira Mística Anjos da Luz, com tendências do setor místico, esotérico e da área da espiritualidade – um segmento que cresce aproximadamente 20% ao ano. Das 11h às 20h, na Rua Domingo de Moraes, 1.581, próximo ao Metrô Vila Mariana, São Paulo(SP) *** A Associação Niteroiense dos Deficientes Físicos (Andef) continua com a exposição “Gigantes Paralímpicos: A História do Esporte no Brasil e no Mundo” até 22 de setembro na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). O evento, que tem o apoio do Instituto Masan, apresenta ao público medalhas e peças utilizadas por paratletas *** O Instituto de Administração do Rio de Janeiro realiza o Curso de Desenvolvimento de Consultores, 10 e 17 de setembro, com o objetivo de capacitar os profissionais da área. Com durança de todo o sábado, será ministrado pelo professor e consultor Luiz Affonso Romano, presidente da Associação Brasileira de Consultores (ABCO). Mais informações: (21) 2224-7939 e (21) 2224-8332.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNovos ídolos
Próximo artigoBrasil sem Ginga

Artigos Relacionados

Ainda é a economia

Redução dos preços coloca algum combustível na campanha de Bolsonaro.

Suíça é ponte para exportações à Rússia

Vendas do País que lava mais branco aos russos cresceram mais de 80% desde fevereiro.

Homens pintam melhor que mulheres?

Não, mas recebem 10 vezes mais por obra.

Últimas Notícias

Armazém Cultural: Câmara debate veto do prefeito do Rio

.Comissão de Justiça e Redação recomenda rejeição ao veto

Plataformas da Bacia de Campos tem hotéis flutuantes

Petrobras estuda investir US$ 220 milhões até 2023

Ações do setor de saúde puxam Ibovespa

Destaque também para Petrobras, que celebrou novo aditivo ao contrato de compra de gás natural com a YPFB

Governo de MG conclui leilão de 627,4 km de rodovias

Investimentos de R$ 3,2 bi, sendo R$ 1,4 bi nos oito primeiros anos da concessão

Bancos chineses: mais empréstimos para empresas privadas

No final de junho aumento de 11,4% em relação ao ano anterior