Marcas chinesas continuam a ser preferidas pelos consumidores

O 12º relatório (2022) de avaliação e análise de marcas do Índice de Poder da Marca da China (C-BPI, sigla em inglês), divulgado nesta quarta-feira pela Chnbrand, uma agência chinesa de classificação de marcas, mostra que as marcas chinesas continuam ocupando uma posição sólida dentre os consumidores, informou o jornal Diário de Informação Econômica.

Visitantes observam a área de exposição da Hisense na Consumer Electronics Show 2022 (CES, sigla em inglês) em Las Vegas, Estados Unidos, em 5 de janeiro de 2022. (Xinhua/Wu Xiaoling)

Xinhua - Silk Road

 

Beijing, 22 abr (Xinhua) — O 12º relatório (2022) de avaliação e análise de marcas do Índice de Poder da Marca da China (C-BPI, sigla em inglês), divulgado nesta quarta-feira pela Chnbrand, uma agência chinesa de classificação de marcas, mostra que as marcas chinesas continuam ocupando uma posição sólida dentre os consumidores, informou o jornal Diário de Informação Econômica.

O C-BPI é o primeiro sistema de avaliação de valor de marca da China, lançado em 2011 e apoiado por fundos especiais do Ministério da Indústria e Informatização por vários anos consecutivos.

Com 100 cidades em toda a China sob pesquisa, o C-BPI 2022 abrange 176 categorias e envolve mais de 10.300 marcas tradicionais avaliadas.

Ele mostra que as marcas chinesas representam 70,5% das principais marcas nas 176 categorias, enquanto as marcas internacionais representam 29,5% no mercado chinês.

Este é o quinto ano consecutivo em que as marcas chinesas ocupam mais de 70% das principais marcas desde 2018, o que indica que, após anos de consolidação, as marcas chinesas obtiveram uma posição sólida entre os consumidores.

Entre as 124 principais marcas chinesas, 27,4% estão na província de Guangdong e 21,8% estão em Beijing. Entre as 52 principais marcas internacionais, as marcas americanas são a maioria, seguidas pelas japonesas e alemãs.

Em 2022, o número médio de marcas de bens de consumo rápido (FMCG, sigla em inglês) usados pelos consumidores foi de 2,06, enquanto o de marcas de bens de consumo duráveis 1,28 e o de marcas do setor de serviços 1,56. A indústria de FMCG ainda é a indústria com a menor fidelidade do usuário.

Entre as marcas listadas na categoria tradicional do C-BPI 2022, havia mais de 30 novas, e 60% delas são marcas de FMCG envolvendo iogurte, bebidas energéticas e condimentos, etc. Fim

Leia também:

Empresa chinesa comprará ações de mineradora canadense de lítio

Xinhua Silk Road
Agência de notícias oficial do governo da República Popular da China.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Comércio da China com países do Cinturão e Rota registra crescimento

Os laços econômicos e comerciais da China com os países ao longo do Cinturão e Rota se fortaleceram significativamente na última década, afirmou Sheng Qiuping, vice-ministro do Comércio da China, nesta sexta-feira.

Produção de chá eletrificada impulsiona indústria de chá na China

A produção de chá eletrificada na Província de Hunan, na região central da China, um dos setores de eletrificação rural promovidos pela State Grid Hunan Electric Power Co., Ltd., está ajudando a indústria local de chá a prosperar em uma forma de produção mais verde e eficiente.

JD.com acompanha sua receita líquida crescer 18% no primeiro trimestre

A gigante do comércio eletrônico da China, JD.com, observou sua receita líquida aumentar 18% ano a ano no primeiro trimestre deste ano, informou o China Securities Journal.

Últimas Notícias

Câmara deve colocar em votação PL que desonera tarifas de energia

Em 2021, o Brasil passou pela pior crise hídrica em mais de 90 anos

Metodologia para participação de investidor estrangeiro

Serão considerados os dados de liquidação das operações realizadas no mercado primário nos sistemas da B3

Fitch eleva rating do Banco Sicoob para AA (bra)

Houve melhora do perfil de negócios e de risco da instituição

Petrobras Conexões para Inovação cria robô de combate a incêndio

Estatal: Primeiro no mundo adaptado para a indústria de óleo e gás

Brasil tenta ampliar diálogo com a UE

Debate da recuperação econômica nas duas regiões e discussão sobre as perspectivas das políticas fiscais