Mas afinal, o que é realmente a geopolítica?

Exploração da geopolítica como disciplina humanística, revelando sua complexidade e influência nas relações internacionais. Por Edoardo Pacelli

62
mapa mundi circular
Foto: reprodução/Freepik

Hoje em dia, falamos cada vez mais sobre geopolítica. Mas o que ela é, realmente, e em que difere de outras ciências que falam de política internacional?

Com a invasão russa na Ucrânia, o termo “geopolítica” entrou na vida quotidiana de todos. No entanto, não está muito claro do que se trata. Palavras como geopolítica, ciência política, relações internacionais e estratégia militar são às vezes consideradas sinônimas. Não é assim. A geopolítica, para começar, estuda conflitos de poder em espaços e tempos específicos. Não se limita à dimensão militar do conflito. Na verdade, tenta rastrear as causas mais profundas que o geram.

A geopolítica tem a ver tanto com história como com geografia, porque parte do pressuposto de que os espaços físicos pelos quais os Estados lutam entre si estão impregnados de história. Muitas vezes, de fato, as potências lutam por territórios, não só pela sua posição geográfica, mas também, e sobretudo, porque acreditam ter direitos históricos sobre essas terras. Na verdade, tal atitude está cada vez mais presente.


O que a geopolítica não é

Antes de entrar em detalhes, é preciso entender o que não é geopolítica.

Espaço Publicitáriocnseg

A geopolítica não é ciência política: a ciência política tenta frequentemente encontrar modelos para explicar as relações entre Estados, que possam então ser aplicados a todos os casos individuais. A geopolítica defende exatamente o oposto: cada caso é diferente do outro, porque as psicologias e culturas dos países envolvidos num conflito de poder são sempre diferentes e não podem ser reduzidas a um modelo único.

A geopolítica é diferente das relações internacionais, porque não estuda apenas as relações diplomáticas entre os Estados, mas ao mesmo tempo a percepção que cada Estado tem de si próprio. Muitas vezes, de fato, as relações que um país mantém com os seus vizinhos são em grande parte influenciadas pela autoimagem que esse país tem.

Finalmente, a geopolítica não pode ser reduzida à estratégia militar: a geopolítica estuda as comunidades, também e sobretudo em tempos de paz. O principal objeto da geopolítica, na verdade, é o “fator humano”, ou seja, as características culturais e antropológicas da população em questão. Em vez de estudar esta ou aquela batalha, a geopolítica prefere compreender se uma nação está disposta a ir para a guerra ou não, se o seu objetivo é o bem-estar econômico ou a glória.

Em resumo, a geopolítica estuda os conflitos precisos, rejeitando qualquer generalização, na consciência de que as relações internacionais são muitas vezes determinadas pela autopercepção dos países envolvidos. Além disso, a geopolítica coloca o “fator humano” no centro, o que significa que não são apenas os líderes que contam, mas a mentalidade de toda a população.

Embora a palavra “geopolítica” signifique literalmente “política da terra” (do grego “ghé-politiké”), ela é essencialmente uma disciplina histórica. Em dois sentidos: por um lado, porque para compreender um conflito é importante conhecer a história dos países que o combatem; por outro lado, porque é precisamente através de toda uma série de conflitos que os países mudam o curso da história. Os espaços contestados são, essencialmente, lugares onde as pessoas lutam para estabelecer o seu espaço na história. Os espaços, na verdade, nunca são neutros. Todos têm significados simbólicos para as pessoas, que vão muito além da sua importância geográfica.


A invenção da história

O passado das nações é, portanto, crucial para a compreensão dos seus objetivos geopolíticos. Mas é evidente que muitas vezes o passado a que se referem está muito longe da realidade. O problema é que as grandes potências tendem a contar a si mesmas a história que preferem e que lhes é conveniente, recuperando pedaços do passado para justificar as operações presentes. Tomemos como exemplo a China (mas poderíamos fazer o mesmo com os Estados Unidos e a Rússia).

Após a revolução de 1948, Mao decidiu que com o advento do comunismo era necessário esquecer o passado imperial da China. A China era, então, um satélite da URSS, e Mao teve de legitimar o seu regime em oposição ao passado imperial, que foi demonizado. Hoje, a situação é completamente diferente: a China quer tornar-se a principal superpotência mundial e deve, portanto, voltar a ser um Império, e o presidente Xi Jinping recupera a história imperial do país, também porque – quando era um império, sob o reinado Qing dinastia – a China era proprietária de Taiwan, a qual, hoje, deseja recuperar.

Onde está a verdade histórica? De quem é o herdeiro da China comunista? De Mao ou do Império Qing? A geopolítica não responde a esta questão, simplesmente afirma que neste momento a China está a recuperar o seu passado imperial porque quer voltar a ser um Império. Para a análise geopolítica, não é importante estabelecer a verdade histórica, mas sim compreender a quais histórias um país está ligado, para compreender as suas intenções futuras.


Uma não-ciência?

Em resumo, podemos dizer que a geopolítica é uma disciplina profundamente humanística. No centro estão os homens com suas histórias, suas vontades de poder e, às vezes, com suas loucuras. A geopolítica não está interessada em estabelecer a verdade absoluta, porque sabe perfeitamente que cada país age com base em princípios relativos ao seu conceito de verdade. A tarefa da geopolítica é, portanto, conhecer estas verdades relativas, compreender que espaço no mundo as várias comunidades pensam que ocupam. Basta se colocar no lugar dos atores que a geopolítica poderá compreender como estes pensam, tentando ir além das notícias quotidianas dos conflitos – embora necessárias – para compreender as tendências de longo prazo que norteiam a ação das superpotências.

Concluindo, portanto, a geopolítica não é uma ciência exata, porque não conduz a uma verdade objetiva, mas oferece uma chave para interpretar o que há de mais imprevisível: os homens e suas histórias, que sempre se encontram e se entrelaçam.

Edoardo Pacelli é jornalista, ex-diretor de pesquisa do CNR (Itália), editor da revista Italiamiga e vice-presidente do Ideus.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui