McConnell: tumultos no Capitólio foram ‘provocados’ por Trump

O líder da maioria no Senado dos EUA, Mitch McConnell, disse na terça-feira que o ataque dos apoiadores do presidente Donald Trump no Capitólio foi “provocado pelo presidente”.

“A última vez que o Senado se reuniu, tínhamos acabado de recuperar o Capitólio de criminosos violentos que tentaram impedir o Congresso de cumprir nosso dever. A máfia foi alimentada com mentiras. Eles foram provocados pelo presidente e outras pessoas poderosas”, disse McConnell sobre a multidão que invadiu o Capitólio em 6 de janeiro, interrompendo a certificação do Congresso da vitória eleitoral do presidente eleito Joe Biden e deixando cinco pessoas mortas.

“Eles tentaram usar o medo e a violência para impedir um processo específico do Governo Federal, que eles não gostaram”, acrescentou McConnell.

McConnell se tornará o líder da minoria no final deste mês, quando o Partido Democrata efetivamente assumir o controle do Senado após a posse de dois senadores democratas eleitos da Geórgia.

Aqui no Brasil, o professor Márcio Coimbra, coordenador da Pós-graduação em Relações Institucionais e Governamentais da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Brasília, cientista político e mestre em Ação Política pela Universidad Rey Juan Carlos (na Espanha), disse que depois de Jair Bolsonaro ter apoiado a equivocada tese de Trump sobre fraudes nas eleições dos EUA e ante posições políticas conflitantes do governo brasileiro, este terá de fazer grande esforço para recompor sua imagem perante o novo presidente norte-americano, Joe Biden.

O especialista lembra que, no início de seu mandato, Bolsonaro anunciou que o Brasil passaria a ter uma relação mais próxima com os EUA, retomando uma relação tradicional de parceria. Mostrou, porém, ter muito mais afinidade com o populismo de Trump do que com os EUA como nação. “Isso foi sentido em Washington, onde existe o receio de que o Brasil se afaste dos EUA e procure países mais afinados com os valores trumpistas. Da mesma forma, este governo que chega não enxerga Bolsonaro com simpatia”, frisa Coimbra.

Para recompor sua imagem e não ficar atrás, nas relações bilaterais com os norte-americanos de países como Chile e Colômbia, que sempre mantiveram diplomacia ativa com Washington independentemente do partido que ocupasse a Casa Branca, o governo brasileiro precisará ajustar uma série de posturas, atualmente conflitantes com a plataforma de Joe Biden, a começar pela pauta ambiental. “O tema entra na pauta norte-americana de maneira determinante. Certamente, para avançar nesta frente, Washington pedirá demonstrações claras de cooperação de Brasília, um movimento que colide com a posição de confronto com as políticas de preservação ambiental adotadas pelo governo brasileiro”, pondera.

Biden retornará com força para a política internacional multilateral, reintroduzindo os americanos em uma agenda global de concertação. “Podemos esperar o retorno ao Acordo de Paris e maior participação em organismos desprezados por Trump, como Unesco e OMS. Uma agenda que também colide com a posição adotada por Bolsonaro, que inseriu a luta contra o globalismo dessas instituições como seu foco de enfrentamento”, ressalta Coimbra, concluindo: “Os desafios para o Brasil serão enormes, não apenas pela mudança política adotada pelos norte-americanos, mas pelos próprios erros de cálculo político do Palácio do Planalto. Uma conta que pode sair muito cara para os brasileiros”.

 

Com informações da Agência Xinhua

Leia mais:

Joe Biden assume em clima de tensão

Trump: ‘Nem pensar em derrubar esse muro’

Artigos Relacionados

Automóveis: falta de produtos faz venda despencar em fevereiro

Desestruturação na cadeia global de suprimentos, por conta da pandemia, obstrui fornecimento regular de produtos.

OCDE ensina gestão às estatais brasileiras

O Ministério da Economia participou nesta terça-feira do lançamento de um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) que traz recomendações...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

PEC fiscal e lockdown ficam no radar em dia de PIB

Em Nova Iorque, as pressões dos treasuries e a queda das companhias de tecnologia tiveram forte impacto nas Bolsas.

Planta da BRF é habilitada a exportar empanados para Omã

Companhia informou que sua unidade de Toledo foi habilitada pelo governo do país árabe a exportar empanados de frango.

Migrantes detidos no México sofrem com pobreza e violência

Cerca de 70 mil pessoas ainda estão em situação de vulnerabilidade extrema, segundo Médicos Sem Fronteiras.

ANS determina que planos cubram novos remédios, exames e cirurgias

Novos exames e tratamentos passaram a fazer parte da lista obrigatória de assistência, que deverá ser observada a partir de abril.

IPC-S sobe em seis capitais brasileiras em fevereiro

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) subiu em seis das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV), na...