Meca

Considerada a maior ameaça pelos calçadistas brasileiros, a China não compete com o Brasil apenas por mercados, mas também por mão-de-obra. Muitos dos profissionais brasileiros altamente qualificados demitidos aqui estão sendo contratados pelos chineses, revelaram industriais do setor à Agência Câmara, durante audiência no Congresso quarta-feira. José Antônio Mônaco, um dos 2 mil calçadistas gaúchos que viajaram 36 horas de ônibus até Brasília, contou que a filha e o cunhado foram contratados por uma empresa chinesa e já conseguiram guardar dinheiro e comprar bens.

Negócios digitais
A discussão sobre a TV digital mereceu duras críticas de Marcos Dantas, professor da PUC do Rio e que acaba de deixar o conselho da Anatel: “Chegamos, a este início de 2006, podendo mostrar à sociedade brasileira que nossas universidades e centros de pesquisa são capazes de pesquisar e desenvolver um sistema autóctone de televisão digital. Mal consigo crer que o governo, quando podia colher as glórias desse resultado extraordinário, possa estar sendo induzido a se desfazer de todo o trabalho já feito e a optar por soluções exógenas, em nome de uma pressa discutível. Não é tecnologia que estamos discutindo. Sob o véu da escolha de “padrões”, escondem-se disputas acesas a respeito do modelo de negócios que mais atende a diferentes interesses econômicos, disputas que também influenciarão os rumos da democratização da produção de conteúdos e do desenvolvimento industrial e tecnológico do país”, criticou, em seu discurso de despedida.
“As decisões a serem tomadas dirão, por um lado, se o nosso país seguirá, ou não, sendo centro de uma forte indústria audiovisual televisiva, de alta qualidade técnica, necessária à afirmação de nossa identidade nacional, à geração de milhares de empregos qualificados, ao fomento das vendas e dos negócios, e, não menos importante, à manutenção de saldos na balança comercial, além de levar a imagem do Brasil ao exterior, por exportar serviços e programas”, conclui Dantas.

Direito
O juiz federal Alberto Nogueira Júnior lança, dia 18, Segurança – nacional, pública e nuclear – e o direito à informação. O evento ocorrerá às 17h30m, no prédio da Justiça Federal no Rio de Janeiro.

Rochas que navegam
O setor de setor de rochas ornamentais, que movimentou cerca de US$ 2 bilhões, em 2005, com a comercialização de pedras, máquinas e equipamentos, pretende cavar novas oportunidades recorrendo à ferramenta da Internet. Na China, maior produtor mundial de rochas ornamentais, por exemplo, 32% dos negócios do setor têm a rede mundial como ponto de partida. Uma parceria entre o Ministério da Ciência e da Tecnologia e a USP, o projeto E-mine pretende ajudar o país a sair da quase estagnação nessa área, estimulando o uso do comércio eletrônico pelo setor mineral, começando pelo segmento de rochas ornamentais.

Esquinas de Brasília
O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal realizou, quarta-feira, ato no estacionamento da UniCeub, em Brasília, em protesto contra a censura sofrida pelo jornal-laboratório Esquina. Segundo o sindicato, o jornal dos alunos foi censurado pela reitoria da universidade por publicar matéria sobre o ex-governador do DF Joaquim Roriz (PMDB). “Trata-se de péssimo exemplo que essa universidade dá a seus alunos e à sociedade. Que liberdade de expressão defendem esses senhores proprietários do UniCeub? Que liberdade de imprensa existe no Distrito Federal? É preciso respeitar as opiniões divergentes e o direito à comunicação”, cobrou o sindicato.

Armadilha
O projeto de Lei de Conversão da Medida Provisória 283, cujo relator é o deputado José Pimentel (PT-CE), guarda uma armadilha para o trabalhador brasileiro, denuncia a Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras e Usuários de Vale-Transporte (Abravale). O texto determina que o empregador arque com apenas 6% do valor gasto pelo trabalhador para o deslocamento ao trabalho. Ou seja, exatamente o inverso do que acontece hoje: o empregado entra com 6% do valor do vale-transporte e o empregador com 94%.
Segundo pesquisas, um trabalhador gasta, em média, em transporte R$ 150 por mês. Se ganha, por exemplo, R$ 500, desembolsa em transporte R$ 30 (6% do valor). Se o projeto de lei for aprovado, passará a pagar R$ 120, ou quase 25% de sua renda.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAtivos da terceira idade
Próximo artigoPecado mortal

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Fome dói, adoece e mata!

Por Renata Abreu.

Prevenção contra o AVC

Por Ricardo Brizzi.

A Lei de Biossegurança em pauta no STF

Uso de transgênicos não é tarefa fácil. Qual será a medida menos onerosa para as futuras gerações?

Vendas em supermercados recuam 7,15% em 12 meses

Preço de produto da cesta básica pode variar até 180% em São Paulo.