Média da exportação de carne de frango está maior

Brasil fez embarques mensais médios de 431,4 mil toneladas no primeiro semestre deste ano contra 428,2 mil no ano passado

90
Abate de frangos (Foto: EBC/arquivo)
Abate de frangos (Foto: EBC/arquivo)

A média mensal de embarques de carne de frango do Brasil está maior neste ano do que em 2023, indicando resultados positivos para o ano, de acordo com nota divulgada ontem pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). No ano passado, as vendas ficaram em 428,2 mil toneladas, em média, ao mês. Neste ano até junho a média mensal subiu para 431,4 mil toneladas.

Em junho, individualmente, porém, houve queda nas exportações brasileiras de carne de frango, considerando o produto in natura e processado. Elas totalizaram 435,9 mil toneladas, número 2,3% menor do que em junho do ano passado. A receita ficou em US$ 793,6 milhões, queda de 10,6%.

“A oscilação levemente negativa nos embarques comparativos de junho não é suficiente para comprometer o momento positivo vivido pelas exportações de carne de frango. O fato da média do primeiro semestre superar a média geral de 2023, aliada ao fato de que o segundo semestre é, tradicionalmente, o melhor período para as exportações, apontam para novos resultados positivos para o ano de 2024”, disse o presidente da ABPA, Ricardo Santin, em nota divulgada.

No primeiro semestre deste ano, as exportações de carne de frango totalizaram 2,588 milhões de toneladas, número 1,6% menor que o total registrado nos seis primeiros meses de 2023. A receita ficou em US$ 4,636 bilhões, saldo 10,3% menor que o acumulado no ano anterior.

Espaço Publicitáriocnseg

A China, principal destino das exportações, importou 276,1 mil toneladas no primeiro semestre, número 29% menor que o total registrado no mesmo período do ano passado. Em seguida estão os Emirados Árabes Unidos, com 240,1 mil toneladas (20%), Japão, com 214,2 mil toneladas (-3%) e Arábia Saudita, com 206 mil toneladas (17%). Em seu comentário sobre as exportações, o diretor de Mercados da ABPA, Luis Rua, destacou a elevada demanda pelo produto brasileiro no Oriente Médio.

Já a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) sustenta, em nota, que a desoneração das carnes na cesta básica não comprometerá a alíquota padrão do IVA. De acordo com os dados da entidade, as proteínas de origem animal representam 10,3% das vendas totais nos supermercados. Na proposta de cesta básica nacional isenta sugerida pela entidade, as carnes e os peixes juntos correspondem a 8,5% das vendas totais. Os estudos indicam que a eliminação da alíquota para as proteínas resultaria em um aumento de apenas 0,18 ponto percentual, elevando a alíquota de 26,5% (PLP 68/24) para 26,68%.

“A Abras argumenta que o país e a sociedade só têm a ganhar ao isentar carnes e peixes. A pequena renúncia de arrecadação fiscal se justifica pelo ganho em saúde geral da população. Especialmente para as famílias de média e baixa renda, que compõem cerca de 90% da população, a isenção de tributos sobre as proteínas de origem animal será crucial. Além disso, a arrecadação total com o novo imposto (IVA) corresponderia exatamente ao que se arrecadou em 2023 com a soma dos impostos de consumo, ou seja, R$ 1,2 trilhão, incluídos todos os tributos a serem pagos pelos demais produtos vendidos no varejo alimentar.”

Com informações da Agência de Notícias Brasil Árabe

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui