Medindo o tempo

Por Edoardo Pacelli.

Se alguém lhe perguntar: quando faleceu a Santa Teresa Dávila? Qual seria a sua resposta? A resposta correta seria: à noite, entre 4 e 15 de outubro de 1582!

Parece um paradoxo, mas não é! Para explicar o mistério, temos que fazer um passeio no passado remoto. O homem sempre tentou dominar o tempo, é um impulso irrefreável que levou a várias formas de calculá-lo; basta pensar que ainda existem calendários diferentes hoje: o calendário etíope dura 13 meses e começa em 11 de setembro! Portanto, não é desde os temporibus illis que o início do novo ano corresponde a 1º de janeiro. Aliás, por muito tempo não foi assim.

Verdade ou lenda, o primeiro calendário romano é devido ao fundador da Cidade Eterna, Rômulo; começava em março e contava 295 dias espalhados por 10 meses lunares. Com o sucessor, Numa Pompilius, o início do ano permaneceu o mesmo, mas os dias aumentaram para 355, com a adição dos meses de janeiro e fevereiro: januárius era o mês de Jano, deus do “começo”; februarius, o das purificações, februar, isto é para purificar. Os meses tornaram-se então 12.

Uma mudança significativa ocorreu, muitos séculos depois, precisamente em 46 a.C., com a entrada em vigor do calendário juliano. Apesar das imperfeições, a reforma de Júlio César, refinada continuamente ao longo do tempo, fixou o início do ano no kalendae de janeiro, passou do ano lunar para o ano solar, estabelecendo a duração de cada um em 365 dias e 6 horas.

Esse superávit não deve ser subestimado, não é reportado por acaso, aliás, a cada quatro anos se constituía um dia inteiro que devia ser adicionado ao mês de fevereiro: o ano assim estendido, com 366 dias, era chamado de ano bissexto. Por fim, o calendário juliano fixou o equinócio da primavera em 25 de março: data fundamental para o cálculo da Páscoa da Ressurreição, feriado móvel que, sempre caindo no domingo, nos permite reconstruir os calendários passados.

Os problemas não param por aí, há mais uma complicação: o excedente do calendário juliano não era apenas 6 horas, muito conveniente, mas também, 11 minutos e 9 segundos que, a cada 128 anos perfaziam um dia inteiro. Com o tempo, esse resíduo fez com que o equinócio vernal retrocedesse para 21 de março, tanto que o Concílio de Nicéia, em 325, o fixou nessa data.

Outras tentativas corretivas foram feitas. A partir do século 14, os próprios papas promoveram os estudos contratando muitos matemáticos e escrevendo para imperadores, universidades e bispos para que não subestimassem a questão, mas a levassem a sério. Coube ao Papa Gregório XIII, com a bula Inter gravissimas, de 24 de fevereiro de 1581, iniciar a reforma do calendário juliano, substituindo-o, assim, pelo calendário gregoriano, o nosso.

Também neste caso, um dos problemas capitais a se enfrentar dizia respeito precisamente ao equinócio da primavera: de fato, com o passar dos anos foi rebaixado para 11 de março, portanto, para voltar a manter o equinócio no dia 21, dez dias foram retirados do mês de outubro 1582, de 5 a 14 inclusive. Se tivéssemos vivido em 1582, teríamos ido dormir na noite de 4 de outubro e despertado no dia 15! Santa Teresa d’Avila, mesmo que tenha expirado na noite e madrugada, ou seja, entre 4 e 5 de outubro, faleceu entre 4 e 15 de outubro!

Em 1582, apenas Itália, Lorena, França, Portugal e Espanha adotaram o calendário gregoriano. Nem todos os países aceitaram imediatamente a mudança. Alguns esperaram: em 1752, Inglaterra e Irlanda, o adotaram; em 1923, foi a vez de Rússia e Grécia. Outros, ainda hoje, preferem uma estrutura de tempo distinta: o calendário juliano sobrevive depois de mais de 2 mil anos; de fato, a Igreja Ortodoxa Grega o usa como próprio calendário litúrgico.

Qual é a curiosidade? Mesmo o calendário gregoriano não está isento de erros, os excedentes não devem ser subestimados: 24 segundos, parecem poucos, mas em 2 mil anos essa diferença formará um dia. Quem sabe que solução a posteridade encontrará, não estaremos aqui para ver, a menos que a gente não hiberne!

 

Edoardo Pacelli é jornalista, ex-diretor de pesquisa do CNR (Itália) e editor da revista Italiamiga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Brasil conduz maior iniciativa de Open Banking do mundo

Por Cristiano Maschio.

Planejamento sucessório e o patrimônio familiar

Por Luciana Gouvêa.

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Últimas Notícias

Cresce mercado de investimento em ações da China

O investimento em ações na China apresentou crescimento este ano, uma vez que o volume de fundos levantados e o investimento registraram um crescimento...

CVM alerta: Atuação irregular de Business Bank BNI Investiments S.A

A Comissão de Valores Mobiliários está alertando ao mercado de capitais e ao público em geral sobre a atuação irregular de Business Bank BNI...

Usina TermoCamaçari ficará com a Unigel até 2030

A Petrobras, em continuidade ao comunicado divulgado em 11/05/2021, informa que, após a retomada das negociações com a Proquigel Química S.A., subsidiária da Unigel...

STF é questionado sobre inconstitucionalidade de privatizações

O coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, defendeu nesta segunda-feira, em audiência pública na Câmara dos Deputados, que o Supremo Tribunal...

Mais um Fiagro na listagem da B3

Ocorreu nesta segunda-feira o toque de campainha que marcou o início de negociação do terceiro Fiagro na B3, o JGP Crédito FI Agro Imobiliário. As...