Medo

Cerca de 70% dos cariocas não consideram violento o bairro onde moram, segundo a pesquisa “Violência e segurança no Rio de Janeiro: breves considerações sobre o medo”, do Databrasil (Universidade Candido Mendes), coordenada por David Morais. Segundo o professor, a sensação de medo aumenta à medida que o cidadão se afasta do seu próprio bairro, “seu território”. A pesquisa mostra que os que mais temem e mais sofrem com a violência são homens, não favelados, com nível de instrução elevado. O medo é maior na faixa de 30 a 39 anos, mas a maioria das vítimas tem entre 40 e 49 anos. Apesar da insegurança, a maioria dos cariocas não tem arma em casa e, entre os que pensam em se mudar do bairro onde moram – 67% dos não favelados e 53% dos favelados -, a cidade continua sendo ótima para morar. Os que pretendem aumentar a qualidade de vida sonham com a Barra da Tijuca. Copacabana e Tijuca foram escolhidos os bairros mais violentos e Campo Grande e Urca os mais tranquilos.
Preconceito
Ainda segundo o estudo de David Morais, os mais pobres são os que mais temem o aumento da violência – não necessariamente vinda de assaltantes. O preconceito transforma o pobre em “principal suspeito”. As estatísticas justificam o medo: no Brasil 95% dos presos estão entre as classes menos abastadas da população e 75% não possuem o primeiro grau completo. No Rio, 77% não têm instrução básica, 70% são pretos ou pardos e nada menos que 96% trabalhavam antes da prisão.
Responsabilidade
O estudo não poupa os meios de comunicação. Segundo David Morais, 64% dos entrevistados creditam aos órgãos de imprensa responsabilidade na onda de violência.

Gestão
Começa nesta segunda-feira a II Feira de Informática da Faculdade de Administração e Ciências Contábeis da UFRJ. Destinada a administradores, analistas financeiros, auditores, contadores, economistas e estudantes dessas áreas, a feira mostrará instrumentos de apoio à gestão, administração e controle das empresas. Serão exibidos softwares de última geração para apoio à decisão, análise de mercado de capitais, controle de gestão e ferramentas de auditoria, como produtos das linhas ERP, CRM etc. Nos três dias da feira haverá palestras e demonstrações de produtos e sistemas, em diversos horários. Entre os temas estão também o Imposto de Renda de Pessoa Jurídica 2001 e certificação digital, segurança em e-commerce, controle para pequena e média empresa. A exposição reúne empresas como Módulo, Apligraf, Nasajon, Audit, Microsiga, Ernst & Young, Arthur Andersen, Trevisan, KPMG e o MONITOR MERCANTIL. A II Feira de Informática será realizada no Campus da Universidade do Brasil (a volta do antigo nome da UFRJ), que fica na Avenida Pasteur, 250, no Salão da Congregação e Auditório Pedro Calmon. A exposição vai até quarta-feira, de 12h a 20h. Entrada franca, aceitando-se doação de 1kg de alimentos não perecíveis para entidades filantrópicas presentes.

Auxílio
A  Fundação Ruben Berta, em parceria com a Varig, presta um serviço de caráter humanitário na compra de medicamentos não fabricados no Brasil. Não são cobrados os serviços de compra e transporte, ficando a cargo do solicitante somente o custo do medicamento. Os contatos devem ser feitos com o Setor de Medicamentos, no prédio administrativo da Varig, próximo ao Aeroporto Santos Dumont.

A voz do dono
Quem decidiu, mesmo?

Três mais um
A pequena reforma tributária que o governo federal pretende implementar não irá mais unificar o ISS, o ICMS e o IPI, mas sim criar um novo imposto, o IVA. Com a manutenção do ISS no âmbito municipal, o governo desistiu da idéia de criar o IVV. A decisão do governo atende uma das reivindicações da Confederação Nacional do Comércio, da Federação Nacional do Fisco Municipal e do Fórum Nacional do Fisco. O professor de Direito Tributário da Uerj, Alexandre da Cunha Ribeiro, disse que a arrecadação do ISS e do ICMS ficarão do mesmo jeito que está sendo feito atualmente, ou seja, o ISS na esfera municipal e o ICMS na estadual.

Artigo anteriorCheques aceitos
Próximo artigoAuditoria
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preço do diesel avança pelo quarto mês consecutivo

Combustível ultrapassou R$ 4 em fevereiro e os dois tipos, comum e S-10, registraram valores acima de todos os meses de 2020.

Antítese da véspera

Ontem o dia foi completamente diferente da terça-feira, em que começamos o dia raivosos, suavizando mais tarde.

Rio fecha bares à noite e adota toque de recolher

Bares e restaurantes agora só podem funcionar das 6 às 17h; em SP, diretor do Butantan defende que estado seja colocado em fase mais restritiva.

PEC emergencial e pedidos por seguro-desemprego

Mercados europeus fecharam mistos na quarta-feira; indicadores da Zona do Euro tiveram desempenho acima do esperado.

Setor de eventos terá parcelamento e isenção de impostos

Projeto foi aprovado pela Câmara e segue para o Senado.