Medíocre

Apesar da revisão inusitada do PIB, que afetou anos anteriores, o reinado tucano registra um dos mais medíocres índices de crescimento do país. Entre 1995-2000, o PIB brasileiro  cresceu 15,3%, uma média de apenas 2,55% ao ano. A realidade fria dos números mostra que apenas aquilo o que sociólogo polonês Peter Sloterdijk batizou de razão cínica ao definir o exercício da hipocrisia do bom-mocismo pela ideologia oficial para dissimular seu caráter perverso pode explicar o blá-blá-blá malaniano, repetido pelo presidente FH, sobre os decantados anos de mel que o neoliberalismo traria ao país.

Deus dará
No último dia 25, mesma data em que o Banco Central admitia que os investimentos externos diretos no país até agosto recuaram 34,5%, em relação ao mesmo período do ano passado, o chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes, garantiu que a instituição não alterara a previsão para investimentos diretos estrangeiros para este ano: US$ 20 bilhões, contra US$ 32,779 bilhões em 2000. “Não será fácil, mas é factível”, disse Lopes. Ontem, menos de uma semana depois, o diretor de Política Monetária do mesmo BC, Luiz Fernando Figueiredo, admitiu que os investimentos diretos não devem passar de US$ 18 bilhões. Ou seja, em menos de uma semana, o BC mudou de convicção e deu cabo de US$ 2 bilhões. E ainda tem gente que defende um BC, oficialmente, independente.

Robôs
Adiada após o atentado no World Trade Center, foi remarcada a “Guerra dos Robôs”, promovida pela Unicamp. Será nesta quinta-feira, às 15h30, no teatro de Arena da universidade, rebatizada de 1ª Competição de Robôs no Brasil. Neste novo formato, será dividida em duas partes: Competição de Habilidades e Prova de Resistência e Força (a guerra propriamente dita).

Terrorismo de Estado
O jornalista Thomas Nagy publicou na revista Progressive trechos de relatórios da Agência de Inteligência da Defesa dos Estados Unidos, nos quais o governo norte-americano admite ter consciência que o boicote imposto ao Iraque provocaria a morte de crianças com menos de cinco anos por diarréia. “Os iraquianos são muito dependentes de equipamentos especializados e alguns produtos químicos para purificar os seus suprimentos de água. Com a falta desses produtos e equipamentos, provocada pelo embargo da ONU, o país entrará em uma escassez de água potável para a maioria da população. Isso levará a incidentes graves, de epidemia e doença, particularmente as crianças são vítimas de diarréia, giardia, rotavírus e salmonella”, diz um dos trechos de relatório, de 22 de janeiro de 1991, reproduzido por Nagy. A íntegra do artigo da Progressive por ser lida no sítio www.portoalegre2002.org.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorParanóia
Próximo artigoO meu primeiro

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Conversa com Investidor: BrasilAgro (AGRO3)

Por Felipe Cavalcanti, analista da Trade Machine

Eleitores brasileiros no exterior

Por Bayard Boiteux

‘Vices’ assumem e dão show de competência

Por Sidney Domingues e Sérgio Braga.

PEC 05, verdadeiro ataque à independência do MP

Por Paulo Alonso.

Como começar um negócio alinhado com a pauta ESG

Por Jandaraci Araújo.