MEIs lideram percentuais de negócios abertos e de fechados na pandemia

Serviços e comércio de alimentação, alojamento e varejo representam a maior parte dos negócios abertos durante o período.

Das mais de 20 milhões de empresas ativas no Brasil atualmente, 5,2 milhões (25%) foram abertas desde o início da pandemia no Brasil. Por outro lado, mais de 2 milhões de companhias fecharam no país durante esse período. Os microempreendedores individuais (MEIs) são destaques nos dois cenários, pois representam 80% das que abriram e mais da metade das que encerraram suas operações.

Os setores de serviços e comércio, sobretudo o varejo, são responsáveis por, respectivamente, 52% e 30% das novas empresas. Das que foram baixadas, 63% atuavam com serviços e 25% no comércio. As informações são da Neoway, empresa de big data analytics e inteligência artificial.

A Região Sudeste foi a que teve mais empresas abertas durante a pandemia. Com aproximadamente 1,5 milhão de novos CNPJs, São Paulo é o estado com maior índice, seguido de Minas Gerais e Rio de Janeiro com cerca de 500 mil cada. As áreas de alojamento, alimentação, serviços técnicos e varejo de vestuário, bebidas e produtos alimentícios são os destaques no período analisado.

Dados divulgados recentemente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que o setor de serviços registrou um avanço de 1,1% em julho, a quarta alta seguida, e atingiu o maior nível em cinco anos. Os dados mostram ainda que, com o resultado, o volume de serviços prestados no país superou em 3,9% o patamar pré-pandemia. Além disso, uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Franchising (ABF) traz índices semelhantes, com variação positiva de 28,8% no faturamento do segundo trimestre de 2021. Na comparação do segundo trimestre de 2021 contra o segundo trimestre de 2019, o segmento de serviços e outros negócios já aparece com sinais positivos. Observando-se o desempenho do segmento nos 12 últimos meses, houve um crescimento de 9,7%.

Por conta de medidas como a reabertura das atividades econômicas não essenciais e o avanço da vacinação, além de forte demanda reprimida, o maior funcionamento e movimento nos shoppings, bem como a retomada da vida social, concorreram para este desempenho. O segmento de limpeza e conservação, por exemplo, obteve uma recuperação nos meses pesquisados, com variação positiva de 61,9% no faturamento do segundo trimestre deste ano, observando-se também o desempenho do segmento nos 12 últimos meses, houve um crescimento de 9,6%.

Leia também:

MPEs: 51% relatam piora na economia nos últimos seis meses

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Após dois meses de queda, confiança volta a ter resultados positivos

Sudeste e Sul seguem um pouco mais confiantes, enquanto o Centro-Oeste e Norte mais pessimistas.

Manguinhos e Ambev lideram dívidas ao Fisco estadual

Estudo da Fenafisco aponta que os maiores devedores também recebem isenções fiscais em suas áreas de atuação.

Receita Federal abre consulta a lote residual de Imposto de Renda

A Receita Federal abriu nesta última sexta-feira consulta a lote residual de restituição do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) relativo ao mês...

Últimas Notícias

Após dois meses de queda, confiança volta a ter resultados positivos

Sudeste e Sul seguem um pouco mais confiantes, enquanto o Centro-Oeste e Norte mais pessimistas.

Rede estadual de ensino retorna a aulas 100% presenciais

No ano passado, as aulas foram remotas por causa da Covid; na rede municipal da capital, retorno sem rodízio de alunos começou no dia 18.

Manguinhos e Ambev lideram dívidas ao Fisco estadual

Estudo da Fenafisco aponta que os maiores devedores também recebem isenções fiscais em suas áreas de atuação.

Investidores monitoram Campos Neto

Mercados externos negociam, em sua maioria, no positivo; na Europa é aguardada a decisão de política monetária do BCE.

Semana começa com estresse pós-traumático

Na sexta, mercados domésticos ficaram por conta da sensação de desmanche da equipe econômica de Paulo Guedes.