Menos que o necessário

A prévia do PIB divulgada nesta sexta-feira demonstrou o óbvio que ninguém quer acreditar: a economia brasileira não tem fundamentos para crescer mais do que 1% ao ano. As projeções de incremento da economia de 2% e até 3% são mais torcida do que realidade, tecla que tem sido batida nesta coluna há muito tempo. O ministro da Economia, Paulo Guedes, há poucos meses, falava que o crescimento seria lento, porém persistente! Mas a palavra lento parece até um eufemismo para lerdo, visto que o país parece não conseguir atravessar a fronteira da crise. Fica ali, engatinhando.

Segundo o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) do Banco Central, indicador que dá uma espécie de prévia do desempenho do PIB brasileiro, o crescimento do ano passado foi de 0,89%. Se confirmado pelo IBGE, o desempenho do ano passado representará uma desaceleração na tímida retomada da economia pós-crise de 2015-2016. Nos dois anos anteriores (2017 e 2018), o incremento tinha ficado em 1,3%.

Não adianta mais dizer que a culpa é do PT. O impeachment é notícia velha. O fato é que não foram tomadas medidas necessárias para que a economia brasileira tenha fundamentos que levem ao crescimento. Na verdade, pouco foi feito, além de discursos mirabolantes e a Reforma da Previdência, que, por si só, não leva ao milagre da multiplicação do PIB.

Além disso, fatores atípicos impactaram diretamente na economia brasileira, como a crise da Argentina e a guerra comercial entre China e EUA. Houve ainda a tragédia do rompimento da barragem em Brumadinho. De acordo com a estimativa do presidente do Bacen, Roberto Campos Neto, tais fatores consumiram 0,67% do aumento do PIB do ano passado.

Tais questões podem ter prejudicado o desempenho da economia, mas o maior problema não é esse. Derrapadas que consomem PIB acontecem todo ano, vide o Governo Temer com a greve dos caminhoneiros. Em essência, o debate não é se cresce 0,9%, 1% ou 1,5% e sim por que não crescemos mais de 2% de forma a recuperar o PIB destruído? A resposta é simples: não há política pública para a geração de renda. Pelo contrário, as medidas adotadas vão no sentido de reduzir a renda da população, vide a Reforma da Previdência.

Ao mesmo tempo em que a renda do brasileiro se contrai, há o aumento da desigualdade, o que também limita o crescimento econômico. Dados do IBGE, ainda referentes a 2018 demonstram que o rendimento médio mensal de trabalho da população 1% mais rica foi quase 34 vezes maior que da metade mais pobre em 2018. Isso significa que a parcela de maior renda arrecadou R$ 27.744 por mês, em média, enquanto os 50% menos favorecidos ganharam R$ 820. Já o Índice de Gini que mede a desigualdade de renda no rendimento domiciliar per capita obtido do trabalho subiu de 0,6279 em 2018 para 0,629 em 2019, segundo levantamento da FGV. Quanto mais perto de 1 o resultado, maior é a concentração de renda no país.

A falta de renda e a desigualdade limitam o consumo, e o PIB brasileiro é, pela ótica da demanda, bem dependente deste item. Na verdade, o consumo representa mais de 50% do produto. A propensão a poupar dos ricos é bem maior que a dos pobres. O indivíduo de mais baixa renda faz girar o dinheiro através do consumo e, desta forma, gira a economia. Sem medidas que vão nesta direção, a economia continuará crescendo menos que o necessário.

Ana Borges
Colunista.

Artigos Relacionados

Sem eira nem beira

Não seria o caso de buscar uma reforma tributária que privilegiasse a distribuição de renda?

A hora de os postes mijarem nos cachorros

Unidos, pequenos acionistas viram os donos do mercado.

Como fica a economia pós-vacina?

Demora no combate à pandemia já engoliu um percentual do PIB de 2021.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Quatro conselheiros da Petrobras decidem deixar o cargo

Eles são representantes da União no Conselho da empresa, petrolífera divulgou nota ontem à noite.

Biden quer estados priorizando vacinação de professores

Presidente americano pediu que educadores recebam pelo menos uma dose de vacina.

PEC fiscal e lockdown ficam no radar em dia de PIB

Em Nova Iorque, as pressões dos treasuries e a queda das companhias de tecnologia tiveram forte impacto nas Bolsas.

Planta da BRF é habilitada a exportar empanados para Omã

Companhia informou que sua unidade de Toledo foi habilitada pelo governo do país árabe a exportar empanados de frango.

Migrantes detidos no México sofrem com pobreza e violência

Cerca de 70 mil pessoas ainda estão em situação de vulnerabilidade extrema, segundo Médicos Sem Fronteiras.