Menos, Temer, menos

As eleições municipais terminaram, mas o discurso despolitizado continua. Candidatos a prefeito, agora eleitos, aceitaram ser síndicos, não de condomínio, o que já seria triste, mas de massas falidas. Deixaram de fora as grandes questões que afetam os cidadãos, como a recessão prolongada e os sucessivos e ineficazes cortes de gastos, que aprofundam a crise econômica. O economista Mauro Rochlin, professor da Fundação Getulio Vargas (FGV), alerta para a acentuada redução das receitas das Prefeituras, especialmente o ISS, com a queda expressiva no setor de serviços. No caso do Rio de Janeiro, os números para 2017 indicam uma receita 4,5% inferior à de 2016.

Portanto, o discurso oficial de que as urnas aprovaram o Governo Temer tem tanta validade quanto uma nota de R$ 14. A redução dos gastos em saúde e educação, o garroteamento dos aposentados, a redução real do salário mínimo não foram trazidos à discussão nem no primeiro, nem no segundo turnos. Só reverberam a tese do apoio empresas de comunicação pré-falimentares, que enxergam nos caraminguás da publicidade federal uma sobrevida.

A derrota do PT não constitui novidade. Bombardeado há dois anos, o destino era esperado. Enquanto isso, seus parceiros no consórcio – especialmente PMDB e PP – eram poupados ora pela mídia, ora por Moro, ora pela Polícia Federal, ora pelo Supremo; na maioria das vezes, por todos estes. Da mesma forma, as visíveis mutretas tucanas – o trensalão e o escândalo da merenda são apenas dois exemplos – eram deixadas de lado. Confundir isso com um cheque em branco é um erro que nem mesmo os ocupantes do governo ousam; apenas utilizam para seguir implantando sua política. Por quanto tempo?

Novo

Alguém está comemorando o crescimento do PSD, do PP, do PRB? Ou a eleição de Alexandre Kalil em Belo Horizonte?

Voz crítica

Faz sucesso no meio acadêmico estadunidense o livro The Rise and Fall of American Growth: The U.S. Standard of Living since the Civil War (Ascensão e queda do crescimento norte-americano: o padrão de vida dos EUA desde a Guerra Civil, tradução da coluna), lançado pelo Princeton Economic History of the Western World no início do ano. Robert J. Gordon questiona se a era de crescimento sem precedentes nos cem anos após a Guerra Civil chegou ao fim.

O autor coloca em xeque alguns dogmas do pensamento liberal e procura demonstrar que o crescimento da produtividade será afetado pela alta desigualdade, estagnação da educação, envelhecimento da população e aumento do débito dos estudantes universitários e do governo.

Ideologia e morte

Eu entendo a necessidade de ajuste fiscal e defendo a aprovação da PEC dos gastos e da reforma da previdência. Porém, precisamos de algum elemento que reanime a economia. Caso contrário, quanto maior o ajuste fiscal, menor será a arrecadação do governo”, admite o presidente-executivo da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib), Venilton Tadini.

Não colou

É cada vez menor a presença de comemorações do Halloween no Brasil.

Rápidas

O Denatran lança nesta terça o Sistema de Notificação Eletrônica, através do qual promete redução de 40% nas multas de quem recebê-las e pagá-las por meio eletrônico. Não é benesse: além de previsto em lei, é uma forma de transferir para o motorista a responsabilidade por receber o aviso de multa *** O Centro de Medicina Nuclear da Guanabara registrou crescimento de 25% na procura pela mamogarfia em outubro, que foi Rosa. Ano passado, no mesmo período, o aumento foi de 17% *** A Federação Internacional dos Contadores (Ifac) realizará sua assembleia anual, em Brasília, de 15 a 18 de novembro *** O Instituto Masan apoia o concurso de redação Almanaque da Rede 2016 (ADR), que visa incentivar o desenvolvimento da escrita em estudantes da rede estadual de ensino do Rio de Janeiro. Para concorrer, os alunos precisam baixar gratuitamente o aplicativo do ADR ou enviar suas redações pelo site www.almanaquedarede.com.br, até 4 de novembro *** O ex-presidente do BC Armínio Fraga conversa no próximo dia 9, às 19h30, com empresários, no Sheraton da Avenida Niemeyer (RJ). O tema do encontro vai abordar as “Perspectivas para o Brasil”. A realização é do Instituto Desiderata. Mais informações: (21) 2540-0066 *** O estúdio Alquimia Fotográfica, do fotógrafo Nando C.R.Guimarães, realiza dia 19, às 9h, oficina gratuita de fotografia. O curso será na Praia Vermelha (RJ), e a inscrição pode ser feita pelo site www.fernando.fot.br *** O Natal desembarca no Passeio Shopping (RJ) dia 12 próximo, com o “Piquenique do Papai Noel” e a inauguração da decoração natalina *** Acusar os adversários de caixa 2 para defender o financiamento das campanhas pelas empresas é oportunismo do prefeito eleito de Porto Alegre, Nelson Marchesan Jr. *** A Citadel Editora lança dia 8 a edição brasileira do livro de Donald Trump que cedeu o slogan à campanha republicana: América Debilitada – Como tornar a América grande novamente (208 páginas, R$ 39,90).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Os EUA lavam mais branco

Lavagem de dinheiro através de imóveis tem poucos obstáculos na pátria de Tio Sam.

Apagão já foi tragédia, volta como farsa

Modelo de mercantilização da energia é o culpado.

Volume de reservatórios pode cair a 6% em novembro

Quadro crítico poderá ser alcançado em 2 meses, mesmo com tarifaço.

Últimas Notícias

Reforma do IR trará impacto negativo para o caixa das empresas

O projeto de reforma tributária do Imposto de Renda aprovado na Câmara no início de setembro merece atenção especial do setor produtivo. O alerta...

A paz é o caminho

Por Paulo Alonso.

Setor farmacêutico ganha aliado para agilizar contratações

Farmácias e drogarias passaram a integrar o aplicativo Closeer, responsável por conectar empresas e trabalhadores autônomos. Oportunidades de trabalho no segmento devem crescer até...

Taxa de desemprego entre os mais pobres é de 36%

Queda em renda indica aumento na desigualdade durante a pandemia; jovens já são 42% dos empregos temporários no primeiro semestre.