30.1 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 17, 2021

Menos venda e mais faturamento

COMPORTAMENTO DAS EDITORAS BRASILEIRAS EM 2012
Menos venda e mais faturamento
Vendas para livrarias cresceram 6,36% e para o governo tiveram queda de 10,31%
As editoras brasileiras venderam 434,92 milhões de livros em 2012, redução de 7,36% em relação ao ano anterior, quando foram vendidos 469,46 milhões de exemplares. O fatu-ramento do setor, no entanto, foi maior: R$ 4,98 bilhões, o que representa crescimento de 3,04% na comparação com 2011, quando o resultado foi R$ 4,83 bilhões.
Os dados constam da pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro, divulgada nesta terça-feira, no Rio pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel). O levan-tamento anual é feito pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) da Universidade de São Paulo, sob encomenda da Câmara Brasileira do Livro (CBL) e do Snel.

Segmentos

A pesquisa abrange os dois segmentos básicos do setor livro: o mercado, formado pelas livrarias e outros pontos de venda, e o governo, que compra das editoras por meio de pro-gramas como o Plano Nacional do Livro Didático (PNLD).
No primeiro segmento, o setor registrou em 2012 o primeiro crescimento real de vendas desde 2008, com um total de R$ 3,66 bilhões, 6.36% a mais que os R$ 3,44 bilhões vendi-dos ao mercado em 2011. Ainda considerando as vendas ao mercado, o preço médio do livro cresceu 12,48% em 2012.
Já com relação às vendas ao governo, houve no ano passado uma queda de 10,31% no número de exemplares adquiridos – 185,48 milhões, contra 166,35 milhões em 2011 – e uma redução de 5,2% no faturamento. As editoras venderam ao governo em 2012 R4 1,31 bilhão, contra R$ 1,38 bilhão no ano anterior.
De acordo com a presidente do Snel, Sônia Jardim, o levantamento anual do desempenho do setor permite analisar tendências e resultados. “É importante conseguirmos visualizar qual dos segmentos está obtendo melhores resultados, qual o canal de distribuição que está crescendo, qual a área temática com tendência de crescimento ou de queda”, disse.

Novos títulos

Uma das tendências observadas em 2012 foi em relação à produção de novos títulos, que cresceu 1,89% em relação às reimpressões. Foram 20,79 mil novos títulos publicados no ano passado, contra 20,4 mil em 2011. As reimpressões, por sua vez, caíram quase 3%, passando de 37,78 mil em 2011 para 36,68 mil no ano passado.
A edição 2012 da pesquisa apurou pela primeira vez dados sobre a exportação de livros brasileiros. As editoras nacionais exportaram no ano passado 3,029 milhões de exemplares, no valor de R$ 56.99 milhões.
 

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.