RJ: mercadinhos de condomínios podem gerar R$ 1,1 bi/ano

Segundo presidente do Sebrae, hoje são mais de 7,5 milhões de MPEs e 13 milhões de MEI que produzem 30% do PIB.

Dados da Roda, operadora de mercadinhos do Rio de Janeiro, apontam que este conceito tem muito potencial de crescimento: atualmente, apenas 1,4% desse nicho está sendo explorado. Mesmo assim, o faturamento é alto e pode girar em torno de R$ 1,1 bilhão apenas na capital fluminense.

Em termos nacionais, esses valores podem chegar a R$ 35 bi. Para o gerente de Operações e Negócios da Cipa, administradora de condomínios e imóveis, Bruno Queiroz, os últimos dois anos mudaram por completo a vida nos condomínios, que precisaram apresentar soluções diferenciadas para o dia a dia dos moradores.

“A expansão dos minimercados nos condomínios aconteceu nos últimos dois anos e foi acelerada pela pandemia e pelo trabalho remoto. Os condomínios tiveram que mudar suas relações com os moradores, e esse conceito de oferecer a comodidade de compras dentro dos prédios deve continuar, pois estamos falando de uma solução boa para os moradores com custo zero para o condomínio. Alguns formatos ainda preveem a possibilidade de ações que revertam em outros benefícios para o próprio condomínio”, explica.

Ainda segundo ele, “a grande vantagem é a disponibilidade, pois funciona 24 horas por dia, sete dias por semana. A ideia não é criar uma concorrência com os hiper e supermercados ou com as empresas de delivery, mas atender à necessidade mais imediata do morador. O acesso fica mais fácil, rápido e seguro”, acrescenta.

Para Queiroz, o crescimento desse tipo de investimento deve, com o passar do tempo, mudar também o perfil do negócio.

“Acredito que um ponto de minimercado em um condomínio possa, por exemplo, funcionar como uma dark store (local de armazenamento e distribuição de mercadorias) para atender outros condomínios da mesma região com um sistema de delivery. Isso seria fazer um mix de duas soluções concorrentes dentro do mesmo conceito, otimizando a operação”, alega.

“Pequenos negócios são a base da economia”, reconhecue o presidente Jair Bolsonaro, em encontro com a Frente Parlamentar Mista da Micro e Pequena Empresa (MPE),

“O Auxílio Emergencial, que liberou R$ 50 milhões por mês, injetou fôlego e as micro e pequenas empresas foram fundamentais nisso”, disse.

A reunião, promovida com apoio do Sebrae, contou com a presença de diversos parlamentares envolvidos na agenda prioritária das MPE no Congresso Nacional.

Para Bolsonaro, “com o Pronampe, serão mais de R$ 112 bilhões girando para micro e pequenas empresas”, frisou.

Presidindo a Frente Parlamentar Mista da MPE, o senador Jorginho Mello (PL_SC) agradeceu o apoio do Executivo para as pautas aprovadas no Legislativo. Segundo ele, graças ao trabalho em conjunto, foi possível garantir crédito, auxílio e novas legislações que beneficiam as micro e pequenas empresas.

“Aprovamos a criação das Empresas Simples de Crédito. Já são mais de mil ESCs pelo Brasil, emprestando dinheiro aos pequenos negócios. Sem falar de medidas como o Pronampe, que já injetou mais de R$ 62 bilhões e vai emprestar mais R$ 50 bilhões”, relembrou, ao comentar que os empreendedores são bons pagadores com taxa de inadimplência de apenas 2,6%.

Já os 15 anos da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa foram celebrados pelo presidente do Sebrae, Carlos Melles, como uma das medidas que tiraram milhões de brasileiros da informalidade.

“Hoje, somos mais de 7,5 milhões de micro e pequenas empresas e 13 milhões de Microempreendedores Individuais (MEI) que produzem 30% do Produto Interno Bruto”, lembrou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.