Mercado aguarda Fomc e estímulo nos EUA

As Bolsas na Europa tiveram correções das quedas do dia anterior com base em bons balanços. Londres teve alta de 1,70%. Frankfurt ganhou 1,66% e Paris subiu 0,93%. Madri teve alta de 0,86% e Milão acelerou 1,15%.

Nova Iorque não resistiu aos temores relacionados ao avanço da Covid-19, ao passo que há dificuldade para que a vacinação ocorra em larga escala. O Dow Jones e a Nasdaq recuaram a 0,07% cada um, enquanto o S&P 500 perdeu 0,15%.

No Brasil, o receio fiscal e as incertezas quanto ao processo de vacinação contribuíram para que a Bolsa não suportasse as máximas do dia, gerando queda de 0,78%, a 116.464,06 pontos. O câmbio teve queda de 3,30%, a R$ 5,333.

No Extremo Oriente, os principais índices fecharam majoritariamente em alta, com as estimativas positivas para a economia mundial por parte do FMI e bons dados divulgados pela China. Tóquio teve elevação de 0,31%. Seul e Hong Kong tiveram queda de 0,57% e 0,32%, respectivamente. Taiwan teve avanço de 0,27%. Na China continental, Shenzhen e Xangai ganharam 0,28% e 0,11%, respectivamente.

Apesar do dólar mais fraco frente a outras moedas, as expectativas quanto ao aumento das restrições nos países do Ocidente fizeram com que o petróleo fechasse em queda. O WTI teve queda de 0,30%, cotado a US$ 52,61, e o Brent teve recuo de 0,05%, a US$ 55,91.

Os mercados no exterior abrem em queda à espera de balanços de importantes companhias e também levando em conta o avanço da Covid-19.

No Brasil, serão divulgados os dados das transações correntes, com expectativa de déficit de US$ -5,70 bilhões, e do Investimento Estrangeiro Direto, com projeção de US$ 3 bilhões. Às 14h30, será divulgado relatório da dívida pública federal.

O BC fará leilão de swap cambial a partir das 11h30.

O mercado interno também ficará atento às eleições para a Câmara e o Senado, com perspectivas de vitória pró-governo.

Na Europa, o Instituto Gfk publicou seu indicador de clima do consumidor para fevereiro. A perspectiva do consumidor é de que as condições de consumo piorem, registrando -15,6 pontos, contra projeção de -7,9%.

Nos EUA, os dados mais importantes do dia serão o núcleo dos pedidos por bens duráveis, que tem expectativa de leve alta no mês de dezembro, saindo de 0,4% para 0,5%; os Estoques de Petróleo divulgados pela EIA, com projeção de 430 mil barris produzidos; e a declaração do Federal Open Market Committee (Fomc), trazendo a visão da autoridade monetária em relação à economia do país.

Nos EUA, serão divulgados balanços de importantes companhias como Apple, Tesla, Facebook, Boeing, Nasdaq Inc., Whirlpool e outras.

.

Nova Futura Investimentos

Leia mais:

Mourão: não estão dadas as condições para o impeachment

NY à espera de balanços da Apple, Boeing e Facebook

Artigos Relacionados

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.