Mercado ainda digere Fomc e MP da Eletrobras passa no Senado

O Ibovespa fechou em queda de 0,93%, na esteira dos receios globais e das discussões envolvendo a MP.

Na Europa, os investidores estavam digerindo a decisão do Fed, fazendo com que a cautela predominasse no velho continente, uma vez que Powell foi mais explícito no que diz respeito à retirada de compra de ativos. Londres perdeu 0,44%. Frankfurt subiu 0,11%. Paris teve avanço de 0,20%. Milão desceu 0,21%. Na Península Ibérica, Madri e Lisboa perderam 0,07% e 0,83% respectivamente.

As Bolsas americanas operaram sem direção única, repercutindo a decisão da taxa de juros do Fed e as declarações de Jerome Powell à imprensa. Além disso, a queda nos preços do petróleo e a desaceleração do setor bancário impactaram negativamente o Dow Jones (-0,62%) e o S&P 500 (-0,04%). O Nasdaq fechou em alta (+0,87%).

O Ibovespa fechou em queda de 0,93%, aos 128.057,22 pontos, na esteira dos receios globais e das discussões envolvendo a MP da Eletrobras. Mesmo com o câmbio positivo pós-Cupom, o mau humor externo foi mais relevante para o mercado interno. A queda nas commodities também foi um fator decisivo para a desvalorização.

Hoje, os mercados asiáticos repercutiram a cautela dos mercados ocidentais em relação à decisão do Fed e à sua repercussão. No Japão, o BoJ manteve a taxa de juros, sinalizou a extensão dos empréstimos para companhias afetadas pela pandemia e adicionou uma linha voltada às mudanças climáticas. O Nikkei perdeu 0,19%. Na Coreia do Sul, o Kospi teve leve valorização, de 0,095%. Taiwan teve baixa de 0,41%. Hong Kong subiu 0,85%. Na China Continental, o Shenzhen ganhou 0,01% e o Xangai perdeu 0,01%.

Nos EUA, os mercados operam sem direção única. E a Europa ainda repercute a decisão do Fed.

No Brasil, o futuro abre em leve baixa. Os investidores ficarão atentos à MP da Eletrobras, após ela passar no Senado. A medida não é consensual no mercado, por conta do aumento do custo da energia.

No Reino Unido, os indicadores das vendas no varejo tiveram desempenho aquém do esperado para maio. Enquanto o mercado esperava alta de 1,6% ao mês, o indicador teve queda de 1,4%. No ano, o avanço foi de 24,6%, ante consenso de 29%.

Na Alemanha, o índice de preços ao produtor saltou 7,2% ao ano, contra projeção de 6,4%. Ao mês, subiu 1,5%, contra expectativa de 0,7%.

Nos EUA, a agenda está relativamente vazia, apenas com a produção de sondas de petróleo da Baker Hughes.

.

Matheus Jaconeli

Economista da Nova Futura Investimentos

Artigos Relacionados

Previsão para dólar vai de R$ 4,80 a R$ 5,45

Moeda norte-americana subiu 4,7% em julho; Bolsa caiu 3,9%.

Mercados caem no último pregão do mês com receios advindos da Ásia

Futuros nos EUA abrem em queda, pressionados pelos receios advindos do Extremo Oriente e pelo avanço da Covid-19.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado de TI é alavancado pela pandemia

Tetris IT, empresa que desenvolve projetos de inovação digital, cresceu 300% em 2020.

Ações da ClearSale valorizam mais de 20% na estreia na B3

A ClearSale (ticker CLSA3) concluiu nesta sexta-feira a sua oferta pública inicial (IPO) na B3. A oferta movimentou R$ 1,3 bilhão sendo que, apenas...

Edital da Oferta Permanente inclui 377 blocos

A Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) publicou nesta sexta-feira nova versão do edital da Oferta Permanente, com a inclusão de 377...

Multa de R$ 500 mil para ‘fake’ sobre eleição

Uma multa de R$ 500 mil, caso repita as manifestações que questionem os últimos pleitos presidenciais realizados no país, faz parte uma ação que...

Bacia de Campos recua com redução drástica de investimentos

A Bacia de Campos, atualmente a segunda maior região produtora de petróleo do Brasil, registrou em junho a sua menor produção média dos últimos...