Mercado de computadores caiu 12,6% no segundo trimestre

Notebooks mantiveram o ritmo do primeiro trimestre, mas desktops continuam em queda.

Informática / 12:54 - 20 de ago de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O ano começou favorável para o mercado de computadores, mas a reação não se confirmou. No primeiro trimestre, para se adequar às demandas do home office e do home schooling houve um aumento de 16% nas vendas, porém no segundo trimestre o mercado caiu 12.6% em relação ao mesmo período do ano passado. A conclusão é do estudo IDC Brazil PCs Tracker 2Q2020, que computou vendas de 1,265 milhão de máquinas entre abril, maio e junho de 2020, 183 mil a menos do que no segundo trimestre de 2019 e 205 mil menos do que no primeiro deste ano.

O maior impacto foi causado pelo mercado corporativo, para quem foram endereçadas 359.538 máquinas, sendo 137.892 desktops e 221.646 notebooks.

"Mais do que uma terrível crise sanitária, as empresas estão enfrentando uma crise de fluxo de caixa e precisam congelar investimentos", explica Rodrigo Okayama Pereira, analista de mercado da IDC Brasil, líder em inteligência de mercado, serviços de consultoria e conferências com as indústrias de Tecnologia da Informação e Telecomunicações. Segundo ele, o aumento de preços devido ao valor do dólar e mudanças nas cobranças do IPI e ICMS também influenciaram as compras empresariais no período. O destaque positivo do mercado corporativo foi o setor educacional, que continuou indo às compras no segundo trimestre e cresceu 11,2%.

O desempenho do varejo foi melhor. Em lojas físicas, e-commerce ou em supermercados, que por se manterem abertos durante toda a quarentena surpreenderam como ponto de venda de computadores, foram comercializadas 906.423 máquinas, sendo 111.072 desktops e 795.351 notebooks. "O que chamou atenção foi o crescimento de 90% (ano a ano) de máquinas de alto desempenho. Apesar de ainda representarem nichos de mercado, gamers, editores de arte, fotógrafos, arquitetos etc., que precisam de máquinas de alta performance, com maior poder de processamento, compraram 92 mil notebooks e 20,4 mil desktops", conta o analista da IDC Brasil.

Se as vendas caíram, os preços subiram. Entre abril, maio e junho do ano passado, um desktop custava, em média, R$ 2.150, e um notebook R$ 2.670. Um ano depois, o preço médio do desktop ficou em R$ 3.607,08 e do notebook em R$ 4.342,45, altas de 67,8% e 62.6%, respectivamente. Já em relação aos três primeiros anos de 2020, a alta foi de 46,7% para desktops e de 38,2% para notebooks. "O segundo trimestre foi marcado pelo repasse de preços para o consumidor", afirma Rodrigo. Quanto à receita total do mercado de computadores no segundo trimestre de 2020 foi de R$ 5,314 bilhões, ante R$ 4,545 do mesmo período de 2019 e ante R$ 5,252 do primeiro trimestre de 2020.

Para os próximos meses, a previsão da IDC Brasil para o mercado de computadores é de crescimento tímido, com 1,2% no terceiro trimestre e de 3,5% no quarto deste ano. "Aos poucos as empresas estão voltando a fazer negócios, principalmente as pequenas e médias que sofreram muito com a pandemia mas têm condições de reagir mais rapidamente. Ao mesmo tempo, observamos índices ascendentes de confiança", diz o analista da IDC. "Nada que represente uma grande virada. De certo mesmo, é que os notebooks vão fazer os números do ano, tanto no varejo como no mercado corporativo". Para 2020, a estimativa da IDC Brasil é de crescimento de 4,4% no varejo e de queda de 9,9% no corporativo.

 

Na pandemia, 97,56% dos brasileiros usaram internet todos os dias

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor