Mercado de computadores segue em alta no país

No segundo trimestre foram vendidos 2 milhões de PCs e no terceiro, 2,3 milhões, 60,2% e 41,3% a mais do que nos mesmos períodos de 2020.

O mercado de computadores fechou 2020 em alta, continuou crescendo nos três primeiros meses de 2021 e seguiu o mesmo ritmo no segundo e no terceiro trimestre, com vendas de 2 milhões de computadores em abril, maio e junho e de 2,3 milhões em julho, agosto e setembro. Os volumes são 60,2% e 41,3% a mais do que no segundo e no terceiro trimestre de 2020, que já tinha sido bom para o setor, e fazem parte dos estudos IDC Brazil PCs Tracker 2Q2021 e IDC Brazil PCs Tracker 3Q2021, realizados pela IDC Brasil, líder em inteligência de mercado, serviços de consultoria e conferências com as indústrias de Tecnologia da Informação e Telecomunicações.

Do total de vendas do segundo trimestre, 408 mil foram desktops e 1,6 milhão foram notebooks, respectivamente, 56% e 60% a mais do que no mesmo período de 2020. O mercado corporativo foi o destino de 760 mil unidades, e o varejo ficou com 1,2 milhão, volumes cerca de 109% e 40% maiores em relação ao segundo trimestre de 2020. No período, o preço médio do desktop foi R$ 3.305 e do notebook R$ 4.314, alta de 13% no preço dos portáteis e de 4% no preço dos desktops. Já a receita total em abril, maio e junho de 2021 passou de R$ 8 milhões, com alta de 80%.

No terceiro trimestre de 2021, das quase 2,3 milhões de máquinas vendidas, 430 mil foram desktops e 1,8 milhão foram notebooks, 34% e 43% a mais em relação aos mesmos meses do ano passado. Para o mercado corporativo foram 941 mil unidades, e para o varejo 1,35 milhão, aumento de 108% e de 15%, respectivamente, em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

Ainda de acordo com o IDC Brazil PCs Tracker 3Q2021, de julho a setembro de 2021, o preço médio do desktop foi R$ 3.384 e do notebook R$ 4.475, cerca de 13% e 15% a mais do que no mesmo período de 2020. A receita total do período foi de R$ 8.36 bilhões, 64% maior em relação ao mesmo do período do ano anterior. Para o último trimestre de 2021, a IDC Brasil acredita que o mercado de computadores ainda registre crescimento positivo, de dois dígitos, inclusive, porém, menor do que se viu nos trimestres anteriores.

Já de acordo com estudo feito pela consultoria internacional SmC+ Digital Public Affairs, a pedido da American Tower apenas no Brasil, o investimento em infraestrutura de telecomunicações deve ser de mais de US$ 4 bilhões até o ano de 2030.

O relatório “Novas dinâmicas da gestão da infraestrutura de telecomunicações na América Latina”, mostrou que o país lidera o ranking que aponta a necessidade de US$ 17 bilhões em investimentos em toda a região. Depois, aparecem México, com pouco mais de US$ 3 bilhões, Peru, com US$ 2,2 bilhões, e Colômbia, com US$ 870 milhões. Esses investimentos serão fundamentais para que as novas tecnologias tenham um acesso massivo, sem assimetrias, e consigam ampliar seu impacto econômico.

De acordo com a pesquisa, estima-se que será necessária a implantação de mais de 240 mil novos sites de telecomunicações no Brasil até 2030. Se considerarmos toda a América Latina, esse valor chega a 550 mil novos sites – quadruplicando o parque atual -, motivado principalmente pela demanda por novos serviços de internet, a necessidade de acabar com o gap digital e a chegada da tecnologia 5G na região.

Com a crescente demanda por conectividade e a necessidade das operadoras de ampliar sua cobertura e reduzir custos de implantação, empresas independentes de infraestrutura vêm ganhando espaço na região, já possuindo mais de 50% do parque de sites  graças a modelos mais eficientes e sustentáveis, que permitem que diferentes operadoras de serviços de telecomunicações implantem seus ativos nas mesmas instalações, reduzindo seus custos e gerando múltiplos benefícios adicionais, inclusive urbano e ambiental.

No entanto, uma série de barreiras que limitam a implantação desse tipo de infraestrutura na região também precisa ser considerada. O documento recomenda que as autoridades em diferentes esferas governamentais colaborem e coordenem-se entre si para promover a previsibilidade nos processos de aprovação para a instalação desses sites e torres. O empoderamento dos órgãos reguladores e o alinhamento dos governos locais com base no consenso serão fundamentais, não só para a implantação da infraestrutura de telecomunicações, mas também para a transformação digital da região.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Temor de novo golpe de estado em Honduras

País tem 2 presidentes do Congresso.

Rio ultrapassa 9,82 milhões de trocas de operadora

Brasil realizou 73,5 milhões de trocas de operadora de telefonia desde 2008.

MCMV: Faixa 1 não pode ser cobrada por atrasados de 2020

Decisão da Justiça Federal do Rio abarca prestações de 20 de março até 31 de dezembro de 2020.

Últimas Notícias

Valor da internet em Portugal está mais barato

Dados recentes do Eurostat, Serviço de Estatística da União Europeia, referentes a dezembro de 2021, mostra que Portugal lidera na descida de preços dos...

Modal finaliza aquisição da integralidade do banco digital LiveOn

O Modal, banco de investimento, fechou a aquisição de 100% da infratech LiveOn, operação divulgada em outubro de 2021, e só agora aprovada pelo...

Fitch afirma IDRs BB’ e rating nacional ‘AAA do Itaú Unibanco

A Fitch Ratings afirmou nesta segunda-feira os IDRs (Issuer Default Ratings - Ratings de Inadimplência do Emissor) de Longo Prazo em Moedas Estrangeira e...

Balança comercial registra déficit de US$ 117 milhões

A corrente de comércio (soma de exportações e importações) brasileira cresceu 28% e fechou a terceira semana de janeiro em US$ 28,91 bilhões. Os...

Subida de juros assusta investidores

A segunda-feira (24) foi marcada como um dia de aversão a risco com fortes quedas nas bolsas internacionais, observou Jansen Costa, sócio-fundador da Fatorial...