Mercado de eSports deve crescer 20% até 2026, aponta estudo

Por Alana Moreira.

O cenário competitivo de jogos eletrônicos deve continuar crescendo ainda mais nos próximos anos. De acordo com um estudo da Report Linker, a expectativa é de que o mercado de eSports registre uma Taxa de Crescimento Anual Composta (CAGR) de 20% no período entre 2021 e 2026, acompanhando uma tendência que vem sendo traçada desde que os eSports ganharam mais visibilidade – ou seja, a partir da segunda metade da última década.

A expectativa é de que o mercado supere a marca de US$ 1 bilhão (mais de R$ 5,3 bilhões) em faturamento já neste ano. De acordo com a consultoria Newzoo, a projeção é de US$ 1,8 bilhão (mais de R$ 9,5 bilhões) para 2022, o que evidencia o crescimento meteórico pelo qual o setor vem passando nos últimos anos – e comprova que os video games já deixaram de ser mera brincadeira há algum tempo.

Entre a principais fontes de renda do setor estão a publicidade (responsável por 69% da receita, segundo o site Business Insider), direitos de mídia, vendo de ingressos para eventos (que sofreu uma queda no último ano por conta da pandemia, mas vinha crescendo a cada ano com estádios lotados), vendas de merchandising e compras de jogos.

Audiência é o fator chave para o crescimento

Foto: Divulgação/Wikimedia
Foto: Divulgação/Wikimedia

Como em todo esporte, o público espectador é o principal motor do crescimento econômico. O Super Bowl, por exemplo, é considerado o evento com a publicidade mais cara do mundo justamente pela larga audiência em nível global. Ainda não dá pra comparar os eSports com o futebol americano, mas é fato que o crescente público de jogos também contribui – e muito – para as receitas.

Há uma diferença também em relação às plataformas. Enquanto os esportes tradicionais ainda dependam muito dos canais de televisão, os eSports têm nas plataformas digitais de streaming – como Youtube e Twitch – seus principais canais de transmissão.

 

Fonte: Emarketer/Business Insider
Fonte: Emarketer/Business Insider

Só nos Estados Unidos, o setor faturou US$ 196 milhões com publicidade em transmissões digitais de competições de jogos como Call of Duty, Counter-Strike, League of Legends, Fortnite, FIFA, entre outras dezenas de títulos que fazem parte do universo dos eSports. Para 2021, a expectativa é de que essa receita seja de US$ 226 milhões.

A contribuição das plataformas de streaming para o crescimento do mercado como um todo não acontece apenas nos jogos, mas também no poker. O esporte da mente online virou uma febre no Twitch e ganhou ainda mais visibilidade com transmissões de grandes torneios como o WPT – o que se traduz em uma importante fonte de faturamento para o setor, que sofreu em 2020 com as paralisações de torneios presenciais em cassinos e hotéis por conta da pandemia.

Jogadores cada vez mais milionários

A alta nas receitas beneficia todos os envolvidos no negócio multimilionário dos eSports, inclusive os jogadores. Imagine ganhar milhões apenas por passar horas e horas jogando video game? Pois essa é a realidade de dezenas de competidores profissionais – os chamados pro-players.

Segundo o site Esports Earnings, que monitora o faturamento de jogadores em diversas modalidades, 94 pro-players já superaram a marcar de US$ 1 milhão em prêmios. O recordista é dinamarquês Johan Sundstein, conhecido como N0tail, craque do Defense of the Ancients (DOTA 2), cuja premiação de carreira é estimada em US$ 6,9 milhões.

Desses 94 jogadores, 4 são brasileiros: Marcelo David (coldzera), Epitácio de Melo (TACO) e Gabriel Toledo (FalleN) e Fernando Alvarenga (fer), todos jogadores profissionais de Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO). O Brasil ocupa o 12º lugar no ranking global de faturamento com premiações de seus competidores, com um acumulado de US$ 21,6 milhões (R$ 113 milhões).

No poker online, esse número é ainda maior, já que as premiações são mais volumosas. Só os brasileiros já faturaram mais de US$ 400 milhões em prêmios ao longo dos últimos anos, segundo o site especializado Pocket Fives.

Tanto nos jogos quanto no poker, esses números representam apenas parte da receita de jogadores – ou seja, aquela que vem dos resultados. Vale ressaltar que existem outras fontes de faturamento, como salários fixos pagos por equipes, patrocínios, subscrições e doações em plataformas de streaming.

 

Ásia deve impulsionar crescimento dos eSports

Foto: Divulgação/Shanghai Dragons
Foto: Divulgação/Shanghai Dragons

Embora os Estados Unidos sejam hoje o maior mercado de eSports do planeta, a tendência é que o continente asiático assuma um papel de protagonismo nos próximos anos. De acordo com o relatório Report Insider, a taxa de crescimento para os países do continente é considerada alta, assim como na Austrália. Já Europa e América do Norte possuem taxa média de crescimento.

Dentre todos os países do Oriente, a China possui maior destaque pelo apelo cada vez maior dos eSports entre os jovens e, sobretudo, pelo apoio governamental. Para se ter uma ideia, a cidade de Hangzhou planeja construir 14 instalações de eSports até o ano que vem e se tornar a capital mundial do setor, com um investimento de US$ 2,22 bilhões. A cidade será sede dos Jogos Asiáticos de 2022, que terá os eSports como modalidades.

Este é um pequeno passo para o reconhecimento global dos jogos. Com o vertiginoso crescimento, não é de espantar que os jogos eletrônicos possam, no futuro, compor o quadro de modalidades das Olimpíadas. Fato é que se ouvirá falar cada vez mais dos eSports nos próximos anos, por uma série de razões.

Artigos Relacionados

Supo Mungam Plus disponibiliza filmes para não assinantes. Gratuito!

Para acessar aos filmes basta fazer um cadastro simples no endereço: www.supomungamplus.com.br.

Saia Rodada de Histórias – Uma Viagem Pelo Mundo

Antes do espetáculo, às 16h, haverá oficina de “Contação de Histórias” com Lucia Moraes.

Tragicomédia digital De Bar em Bar estreia dia 14 de março

A peça será transmitida via YouTube e revisita o período da Nova República no Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.