32.5 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, janeiro 25, 2021

Mercado de seguro para celular cresce 70%

O mercado de seguro para celular cresceu 70% no último ano, de acordo com dados da Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg). O volume leva em conta o valor de prêmios emitidos (pagamento pela contratação da apólice), que passou de R$ 530 milhões em 2016 para R$ 900 milhões em 2017.

Levantamento realizado pela BemMaisSeguro.com (BMS), corretora virtual especializada em seguros para celulares e eletrônicos, viu suas vendas terem aumentado 80% em relação ao ano anterior. Para Helena Alves, gerente de Canal Digital da BMS, o bom desempenho é reflexo do maior entendimento do consumidor quanto ao custo-benefício do seguro e também da facilidade para aquisição de uma apólice.

“Nós oferecemos a contratação do serviço 100% sem burocracia, pela internet ou telefone. São exigidas apenas as informações solicitadas pelo órgão regulador e o consumidor faz o upload da nota fiscal do aparelho e o registro do IMEI após a aquisição, o que reduz o processo de compra, regulação e liberação do sinistro quando o cliente precisa usar o serviço contratado”, explica a executiva. O processo de contratação totalmente virtual permite à corretora oferecer preços mais competitivos.

“Nosso maior objetivo é cada vez mais tornar o processo de compra descomplicado, por isso revisamos continuamente a experiência do consumidor. No último ano, conseguimos tornar o processo de compra ainda mais rápido, reduzindo em 20% o tempo gasto pelo usuário no site para efetivar a aquisição do seguro”, afirma a gerente da BMS.

A estratégia vem dando certo e conquistando clientes. “As pessoas não querem mais perder tempo preenchendo longos formulários ou indo até uma loja física. Prova disso é que hoje 60% das nossas vendas são realizadas via site”, complementa Helena Alves.

 

Artigos Relacionados

SEG – Saúde privada teve o maior número de empregos em novembro

A geração líquida de postos formais em 2020 foi equivalente a 37% do total.

SEG NOTÍCIAS – Petrobras: entidade para gerir plano custará R$ 4 bi

Para isso, será necessário que a Petrobras faça aportes financeiros - inicialmente calculados em R$ 2 bilhões, mas podendo chegar a R$ 4 bilhões -, já que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) exige garantias patrimoniais da nova entidade gestora. Criada nos anos 1970, a AMS da Petrobras é gerida pela área de Recursos Humanos da empresa desde então.

SEG – Susep autoriza atuação no ambiente regulatório do Sandbox

Portaria publicada no DOU autoriza a Stone a operar por 36 meses em ambiente mais flexível.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Biden retoma restrições a viajantes que cheguem do Brasil

Medida também afetará quem não é cidadão norte-americano que viaje a partir do Reino Unido e África do Sul.

Ação contra McDonald’s já beneficiou mais de 3 mil trabalhadores

Justiça reconheceu direito a maior pagamento de participação nos resultados.

Ritmo de vacinação limita alta do PIB no Brasil a 3,5%

FGV acredita em retomada desigual no mundo, com melhora mais rápida nos países desenvolvidos.

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.